Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub

Pesquisa por "Balisse" nas definições

balar | v. intr.
    Dar balidos....

balear | v. tr. e pron. | adj. 2 g.
    Atingir com bala, provocando dano, ferimento ou morte (ex.: foi acusado de balear mortalmente o vizinho; baleou-se no pé)....

balir | v. intr.
    Soltar balidos....

barregar | v. intr.
    Berrar destemperadamente....

baludo | adj.
    Que tem muito dinheiro....

berregar | v. intr.
    Berrar muito e com frequência....

esfuziar | v. intr.
    Produzir um silvo ou um som agudo e prolongado (ex.: uma bala esfuziou; o vento esfuziava)....

tacar | v. tr. | v. intr.
    Dar tacada ou dar com o taco em (ex.: tacar a bola)....

unipessoal | adj. 2 g.
    Relativo a uma só pessoa....

embalar | v. tr.
    Carregar com bala (uma arma)....

antibalas | adj. 2 g. 2 núm.
    Que se destina a proteger de balas (ex.: colete antibalas)....

antibala | adj. 2 g. 2 núm.
    O mesmo que antibalas....

borregar | v. tr. | v. intr.
    Gritar como borrego....

jujuba | n. f.
    Designação dada a várias plantas arbustivas do género Ziziphus da família das ramnáceas....

pé-de-cabra | n. m.
    Alavanca com a extremidade fendida a meio....

pelouro | n. m.
    Bala de pedra; bala....

pelota | n. f.
    Pequena péla....

Dúvidas linguísticas


A palavra vigilidade, que tem origem na palavra vígil, tem suscitado alguma controvérsia na área em que estou envolvido. É um termo que é utilizado nalguns trabalhos de psicologia e por algumas instituições nacionais ligadas aos medicamentos (ex: INFARMED). No entanto, não encontrei a palavra nos dicionários que consultei, inclusivamente o da Priberam. Alternativamente a palavra utililizada é vigilância. Assim, gostaria de saber a vossa opinião sobre este assunto.
Também não encontrámos a palavra vigilidade registada em nenhum dos dicionários ou vocabulários consultados. No entanto, este neologismo respeita as regras de boa formação da língua portuguesa, pela adjunção do sufixo -idade ao adjectivo vígil, à semelhança de outros pares análogos (ex.: dúctil/ductilidade, eréctil/erectilidade, versátil/versatilidade). O sufixo -idade é muito produtivo na língua para formar substantivos abstractos, exprimindo frequentemente a qualidade do adjectivo de que derivam.

Neste caso, existem já os substantivos vigília e vigilância para designar a qualidade do que é vígil, o que poderá explicar a ausência de registo lexicográfico de vigilidade. Como se trata, em ambos os casos, de palavras polissémicas, o uso do neologismo parece explicar-se pela necessidade de especialização no campo da medicina, psicologia e ciências afins, mesmo se nesses campos os outros dois termos (mas principalmente vigília, que surge muitas vezes como sinónimo de estado vígil) têm ampla divulgação.




Como grafar "marcha ré": marcha a ré, marcha-ré, marcha ré, marcha-a-ré?
A grafia correcta é sem hífen: marcha à ré (na norma europeia) e marcha a ré (na norma brasileira). A diferença ortográfica entre as duas normas do português deve-se ao facto de, na norma portuguesa, a locução incluir o artigo definido a, o que provoca a crase com a preposição a: marcha à. Na norma brasileira a locução não inclui o artigo definido, pelo que não há crase: marcha a.

Palavra do dia

jan·ga·la·mar·te jan·ga·la·mar·te


(origem duvidosa)
nome masculino

[Brasil: Nordeste]   [Brasil: Nordeste]  Brinquedo composto por uma tábua cujas extremidades se elevam e baixam alternativamente a impulso de quem cavalga em cada uma delas. = ARRE-BURRINHO, GANGORRA, JANGALAMASTE

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/Pesquisar/Balisse [consultado em 15-06-2021]