Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub

virtópsia

virtópsiavirtópsia | n. f.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

vir·tóp·si·a vir·tóp·si·a


(cruzamento de virt[ual] + [aut]ópsia)
nome feminino

[Medicina]   [Medicina]  Método ou conjunto de procedimentos que permite pesquisar a causa de morte através de exames imagiológicos, sem técnicas invasivas. = AUTÓPSIA VIRTUAL

pub

Parecidas

Palavras vizinhas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


Minha dúvida é a seguinte: Quando eu digo que vou emprestar algo (vou-te emprestar minha camiseta, por exemplo), essa frase está errada? E quando digo que vou emprestar algo de alguém (vou emprestar sua camiseta, por exemplo)? Queria saber se ambas as frases estão corretas, se são ambíguas ou algo do gênero ou se o verbo emprestar tem um jeito certo de ser usado.
O verbo emprestar é transitivo directo e pode significar “transferir ou dar temporariamente alguma coisa”, não necessariamente uma coisa possuída por quem empresta (neste sentido, vou-te emprestar a minha camisa significa vou ceder-te a minha camisa temporariamente e vou emprestar a sua camisa significa vou ceder temporariamente a sua camisa a outra pessoa). No português do Brasil, o verbo emprestar pode significar também “pedir temporariamente uma coisa a outrem” (neste sentido, vou emprestar a sua camisa significa vou pedir temporariamente a sua camisa). Por este motivo, ambas as frases estão correctas, podendo a segunda ser ambígua no português do Brasil.



Qual das expressões é a mais correcta? - "É suposto que o cão regresse a casa"; - "Supõe-se que o cão regresse a casa"; - "É suposto o cão regressar a casa"
Não há nenhum motivo para considerar mais correcta nenhuma das expressões referidas, pois trata-se de três estruturas possíveis.
Na primeira (é suposto que o cão regresse a casa) e na terceira (é suposto o cão regressar a casa), o sujeito frásico seleccionado pelo verbo supor na voz passiva é, respectivamente, uma frase completiva finita (que o cão regresse a casa) ou não finita (o cão regressar a casa), sendo ambos os sujeitos pronominalizáveis por isso (isso é suposto [por mim]). Na segunda frase (supõe-se que o cão regresse a casa), o verbo supor está na voz activa, sendo o sujeito o pronome se e o complemento directo a frase que o cão regresse a casa. Em frases com o verbo supor na voz activa, é também possível o uso de orações completivas não finitas como objecto directo, ainda que menos usuais (ex.: supõe-se o cão regressar a casa).

pub

Palavra do dia

eins·têi·ni·o eins·têi·ni·o


([Albert] Einstein, antropónimo [físico alemão] + -io)
nome masculino

[Química]   [Química]  Elemento químico artificial (símbolo: Es), de número atómico 99. = EINSTÉNIO

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/virt%C3%B3psia [consultado em 18-04-2021]