Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
testemunhotestemunho | s. m.
1ª pess. sing. pres. ind. de testemunhartestemunhar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

tes·te·mu·nho tes·te·mu·nho
(latim testimonium, -ii)
nome masculino

1. Depoimento de testemunha em juízo.

2. [Figurado]   [Figurado]  Fé; prova; sinal; indício; vestígio.

3. [Popular]   [Popular]  Calúnia.

4. [Geologia]   [Geologia]  Porção de um material que se obtém através de perfuração com uma sonda de rotação. = TAROLO


tes·te·mu·nhar tes·te·mu·nhar - ConjugarConjugar
verbo transitivo

1. Dar testemunho de.

2. Confirmar, atestar, afirmar; declarar ter visto, ouvido ou conhecido.

3. [Figurado]   [Figurado]  Manifestar, revelar.

4. Dar provas ou aparências de.

5. Ver, presenciar, verificar.

verbo intransitivo

6. Servir ou depor como testemunha.

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "testemunho" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Palavras vizinhas

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


Como se classifica gramaticalmente a forma levemo-lo?
Gramaticalmente, levemo-lo corresponde a uma forma do verbo levar na primeira pessoa do plural do imperativo (ex.: amigos, levemos isto daqui já), seguido do pronome átono o, que assume a forma -lo por estar a seguir a uma forma verbal terminada num -s (que desaparece: levemos + o = levemo-lo).

A forma levemos, isoladamente, poderá corresponder também ao presente do conjuntivo (ex.: é preciso que levemos isto daqui), mas, como tem o pronome átono em posição enclítica (depois do verbo), não corresponde a esse tempo, pois o presente do conjuntivo é normalmente antecedido da conjunção que, com propriedades de atracção do pronome átono (ex.: é preciso que o levemos daqui), não sendo considerada gramatical uma construção proclítica nesse caso (ex.: *é preciso que levemo-lo daqui).




Por causa de pode ser considerada uma locução subordinativa causal?
A expressão por causa de constitui uma locução prepositiva e não uma locução conjuncional subordinativa causal.

Por vezes parece difícil distinguir entre uma preposição/locução prepositiva (ex.: por, por causa de) e uma conjunção/locução conjuncional (ex.: porque, visto, dado que), pois em alguns casos a distribuição é semelhante: tanto uma como outra pode introduzir uma frase (ex.: fico em casa por me preocupar contigo; não vou à praia por causa de estar a chover; não vou à praia porque está a chover; fico em caso visto precisares de mim; não vou à praia dado que está a chover), mas só as preposições/locuções prepositivas podem ter um grupo nominal como seu complemento (ex.: fico em casa por ti; não vou à praia por causa da chuva) e as segundas não (ex.: *fico em casa visto tu/ti; *não vou à praia porque a chuva; *não vou à praia dado que a chuva; o asterisco indica agramaticalidade).

pub

Palavra do dia

de·sa·mão de·sa·mão
(des- + à + mão)
nome feminino

1. Usado na locução adverbial à desamão.


à desamão
Fora de caminho; fora de jeito; fora de mão.

pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2020, https://dicionario.priberam.org/testemunho [consultado em 30-05-2020]