Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub

subsome

3ª pess. sing. pres. ind. de subsumirsubsumir
2ª pess. sing. imp. de subsumirsubsumir
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

sub·su·mir sub·su·mir

- ConjugarConjugar

(latim tardio subsumo, -ere)
verbo transitivo

1. Incluir em algo mais amplo ou abrangente.

2. Considerar (alguma coisa) como fazendo parte de um conjunto maior e mais amplo ou como sendo a aplicação particular de algo geral (ex.: não pretendemos subsumir a variedade sob a uniformidade de uma teoria).

pub

Esta palavra em blogues

Ver mais

Assim, o indivíduo, como réu, subsome -se na criminalização da política presumidamente feita pelo governo e não tem saída nem...

Em Com Texto Livre

Assim, o indivíduo, como réu, subsome -se na criminalização da política presumidamente feita pelo governo e não tem saída nem...

Em luizmullerpt.wordpress.com

Assim, o indivíduo, como réu, subsome -se na criminalização da política presumidamente feita pelo governo e não tem saída nem...

Em democraciapolitica.blogspot.com
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Gostaria de saber se existe alguma regra de fonética para o plural de palavras tais como: fogo, poço, jogo... É que eu fui ensinado a pronunciar: fógos, póços, jógos... ao invés de fôgos, pôços, jôgos... (os acentos estão só como indicadores de fonética). É que recentemente tenho ouvido alguns jornalistas pronunciar estas palavras com entoação "ô"...? Agradecia que me esclarecessem esta dúvida.
Não existe oficialmente nenhuma regra fonética em português que dê conta da alternância vocálica entre o singular e o plural de palavras como fogo, poço, jogo, contorno, despojo, esforço, imposto, ovo, tijolo, troço.

As gramáticas e os prontuários incluem estas palavras em listas de vocábulos cuja vogal tónica, no singular, é o o fechado /ô/ mas que no plural se transforma em o aberto /ó/. Há, no entanto, muitos casos em que o singular e o plural mantêm o mesmo o fechado, como por exemplo acordo(s) /ô/, gosto(s) /ô/ ou sopro(s) /ô/ (pode encontrar mais exemplos na Nova Gramática do Português Contemporâneo, de Celso Cunha e Lindley Cintra, p. 184). Essas listas são relativamente extensas e difíceis de memorizar, o que pode estar na origem de dúvidas relativas à pronúncia desses termos.

Na sua Moderna Gramática Portuguesa (p. 124), Evanildo Bechara afirma que se tem recorrido à etimologia latina desses termos e ao paralelismo com a língua espanhola para desfazer hesitações de pronúncia, mas que tal não esclarece todas as dúvidas.

No artigo "Histórias de O", Ernesto d'Andrade faz a revisão de vários estudos desta alternância em português e fornece uma análise mais técnica, com base fonológica, deste fenómeno.

O Dicionário Priberam da Língua Portuguesa contém indicações de pronúncia, tanto no singular, quanto no plural dessas palavras.




O substantivo "primeiro-ministro" pode ser flexionado para "primeira-ministra" ? Li esta expressão em um site do Governo do Brasil, e achei um bocado estranha: "2012 – Visita ao Brasil da Primeira-Ministra Julia Gillard. Relações bilaterais elevadas ao nível de Parceria Estratégica"
Presentemente, a palavra primeiro-ministro designa um chefe de governo do sexo masculino (ex.: O primeiro-ministro falou à imprensa) e a palavra primeira-ministra designa um chefe de governo do sexo feminino (ex.: A primeira-ministra reuniu-se com o presidente da república).

A hesitação na utilização do termo masculino primeiro-ministro para designar um referente feminino (ex.: A primeiro-ministro da Noruega é da mesma opinião) resulta do facto de esse cargo ter sido, durante muitos anos, maioritariamente desempenhado por pessoas do sexo masculino, tal como muitas outras profissões (ex.: juiz, presidente, etc.). As palavras designativas destes cargos foram sendo registadas na tradição lexicográfica como substantivos masculinos, reflectindo esse facto.

Porém, à medida que a sociedade em que vivemos se vai alterando, torna-se necessário designar novas realidades, como seja o caso da feminização dos nomes de algumas profissões, decorrente do acesso da população feminina a tais cargos. Por exemplo, as palavras chefe, presidente, comandante passaram a ser usadas e registadas nos dicionários como substantivos comuns de dois, ou seja, com uma mesma forma para os dois géneros, sendo o feminino ou o masculino indicado nos determinantes com que coocorrem, que flexionam em género, consoante o sexo do referente: havia o chefe e passou a haver a chefe (veja-se, a este propósito, a dúvida relativa a capataz). De igual modo, surgiram primeiras-ministras, juízas, deputadas, vereadoras, governadoras, engenheiras, etc. No primeiro caso optou-se por formas invariáveis, no último, por formas flexionáveis.

Pode persistir alguma resistência na aceitação destes termos flexionados. No entanto, a estranheza inicial de uma forma flexionada como primeira-ministra tem-se esbatido à medida que estas palavras surgem regularmente na imprensa escrita e falada. Prova disto é o número de ocorrências da forma feminina em corpora e nos resultados dos motores de busca na Internet.

pub

Palavra do dia

lo·ri·ga lo·ri·ga


(latim lorica, -ae, cota de malha, couraça, parapeito, barreira, trincheira)
nome feminino

1. [Armamento]   [Armamento]  Saio de malha com lâminas de metal, na armadura.

2. [Armamento]   [Armamento]  Couraça.

3. Acto de ajudar. = AMPARO, AUXÍLIO

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/subsome [consultado em 01-08-2021]