Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

reflexology

Palavra não encontrada. Se procurava uma das palavras seguintes, clique nela para consultar a sua definição.
reflexólogo (norma brasileira)
reflexólogos (norma brasileira)

Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.
pub

Dúvidas linguísticas


É com espanto que vejo que na conjugação do verbo haver aparecer a forma houveram. Sempre aprendi que a 3.ª pessoa do plural do pretérito perfeito não existe. Podem-me explicar se é moda nova?!
A flexão do verbo haver varia consoante o seu emprego. Assim, quando este é empregue como verbo principal, com os sentidos de “existir” (em 1.a), de "ter decorrido" (em 2.a) e de “acontecer” (em 3.a), ele é impessoal, i.e., utiliza-se apenas na 3.ª pessoa do singular. Daí a má formação das frases 1.b), 2.b) e 3.b), assinaladas com asterisco (*):

1. a) Houve muitos deputados investigados.
b) * Houveram muitos deputados investigados.

2. a) Havia duas horas que estava à espera.
b) * Haviam duas horas que estava à espera.

3. a) Na semana passada houve muitos acidentes.
b) * Na semana passada houveram muitos acidentes.

Quando é empregue como verbo principal com outros sentidos que não os de "existir", "ter decorrido" ou "acontecer", é flexionado em todas as pessoas:

4. a) Os organizadores do colóquio houveram por bem encomendar uma sondagem. [achar, considerar]
b) E que bem se houveram os portugueses no confronto! [avir-se]

O verbo haver emprega-se ainda como auxiliar em tempos compostos, sendo também flexionado em todas as pessoas:

5. As encomendas haviam sido entregues.

Como se pode ver pelas frases 4-5, a 3.ª pessoa do plural do pretérito perfeito do verbo haver existe, pelo que o conjugador deve incluí-la, não podendo é ser utilizada nos casos em que o verbo é impessoal.




Por que o antropônimo Davi/David é grafado (pelo menos aqui no Brasil) sem a letra final d (por exemplo: nos textos bíblicos)? Será que nas demais línguas neolatinas isso também ocorre?
A grafia dos nomes próprios segue muitas vezes critérios um pouco diferentes da grafia dos nomes comuns. O Acordo Ortográfico de 1945 postula, por exemplo, que se mantenham sequências consonânticas estranhas à ortografia actual do português, como ph ou th, em formas de tradição bíblica, ou que as consoantes finais b, c, d, g e t se mantenham, quer sejam proferidas ou não, em nomes próprios como Jacob, Isaac, David ou Bensabat, cujo uso consagrou. Já o Formulário Ortográfico brasileiro postula que os nomes deverão ser sujeitos às mesmas regras dos nomes comuns, fazendo, no entanto, a ressalva de que quem quiser poderá manter a forma consuetudinária do seu nome. O Acordo Ortográfico de 1990, que susbtitui os textos legais anteriores, postula no ponto 5.º da Base I que nada impede que nomes como David sejam escritos sem a consoante final.

O antropónimo David deriva da palavra hebraica dawid, que significa “querido” ou “amado”, através do grego Dauíd e do latim David (cf. MACHADO, José Pedro, Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa, Lisboa, Livros Horizonte, 2003, p. 492). A forma Davi é uma variante de David por adaptação gráfica à pronúncia, pois o d final é frequentemente não pronunciado. As duas formas coexistem, como poderá verificar realizando uma pesquisa num motor de busca da Internet, apesar de a forma com o d final ser a mais frequente. Em línguas como o francês, o espanhol ou o inglês, a forma David é a mais comum, apesar de haver outras, como o italiano, que acrescentam um e final (Davide) para a adequar ao seu sistema ortográfico. Esta última forma, com o e final, é ainda possível no português (em Portugal, a Direcção Geral dos Registos e Notariados inclui-a na sua lista de nomes próprios autorizados) e mais consentânea do que a forma David com as regras ortográficas da língua portuguesa, pois, exceptuando alguns nomes próprios e estrangeirismos, não existem palavras terminadas em d.

Palavra do dia

ar·ven·se ar·ven·se


(latim arvensis, -e)
adjectivo de dois géneros
adjetivo de dois géneros

1. Que cresce em terras cultivadas (ex.: espécie arvense).

2. Que produz grão ou forragem (ex.: cultura arvense; produções arvenses).

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/reflexology [consultado em 01-07-2022]