Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

princípio

princípioprincípio | n. m. | n. m. pl.
Será que queria dizer principio?
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

prin·cí·pi·o prin·cí·pi·o


(latim principium, -ii)
nome masculino

1. O primeiro impulso dado a uma coisa.FIM, TERMO

2. Acto de principiar uma coisa. = COMEÇO, INÍCIO, PRINCÍPIOFIM, TERMO

3. Origem.

4. Causa primária. = BASE, FUNDAMENTO, ORIGEM

5. O que constitui a matéria.

6. O que entra na composição de algo. = COMPONENTE

7. Opinião.

8. Frase que exprime uma conduta ou um tipo de comportamento. = LEI, MÁXIMA, SENTENÇA

9. Aquilo que regula o comportamento ou a acção de alguém; preceito moral. = LEI, NORMA, REGRA

10. Frase ou raciocínio que é base de uma arte, de uma ciência ou de uma teoria.


princípios
nome masculino plural

11. O princípio da vida, as primeiras épocas da vida.

12. Antecedentes.

13. Educação, instrução.

14. Opiniões, convicções.

15. Regras ou conhecimentos fundamentais e mais gerais. = ELEMENTOS, RUDIMENTOS


a princípio
No começo, no primeiro tempo (ex.: a princípio estava nervoso, mas depois ficou à vontade). = INICIALMENTE

do princípio ao fim
Em toda a extensão. = COMPLETAMENTE

em princípio
Do ponto de vista hipotético e teórico (ex.: em princípio irei a Paris nas próximas férias). = EM TESE, TEORICAMENTE

no princípio
O mesmo que a princípio.

por princípio
Por uma determinação ou convicção prévia e não em função de impulso ou de circunstância momentânea.

princípio activo
[Farmácia]   [Farmácia]  Substância que tem uma acção ou um efeito terapêutico.

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "princípio" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Anagramas

Dúvidas linguísticas


Ouve-se em certos telejornais expressões como a cujo ou em cujo; contudo gostaria de saber se gramaticalmente a palavra cujo pode ser antecedida de preposição.
O uso do pronome relativo cujo, equivalente à expressão do qual, pode ser antecedido de preposição em contextos que o justifiquem, nomeadamente quando a regência de alguma palavra ou locução a tal obrigue. Nas frases abaixo podemos verificar que o pronome está correctamente empregue antecedido de várias preposições (e não apenas a ou em) seleccionadas por determinadas palavras (nos exemplos de 1 e 2) ou na construção de adjuntos adverbiais (nos exemplos de 3 e 4):

1) O aluno faltou a alguns exames. O aluno reprovou nas disciplinas a cujo exame faltou. (=O aluno reprovou nas disciplinas ao exame das quais faltou);
2) Não haverá recurso da decisão. Os casos serão julgados pelo tribunal, de cuja decisão não haverá recurso. (=Os casos serão julgados pelo tribunal, dadecisão do qual não haverá recurso);
4) Houve danos em algumas casas. Os moradores em cujas casas houve danos foram indemnizados. (=Os moradores nas casas dos quais houve danos foram indemnizados);
5) Exige-se grande responsabilidade para o exercício desta profissão. Esta é uma profissão para cujo exercício se exige grande responsabilidade. (=Esta é uma profissão para o exercício da qual se exige grande responsabilidade).




Para a pergunta: Viu-nos na praia de Tróia? há 2 respostas possíveis: Vi-os ou Vi-vos. Qual a diferença e porquê?
As duas respostas apontadas para a pergunta correspondem a dois tratamentos diferentes. Em vi-os trata-se do pronome pessoal o (a, os ,as) usado para indicar a pessoa a quem o emissor se dirige, quando há tratamento por você ou tratamento por o senhor, a senhora (vi-os será então equivalente a ‘vi os senhores’ ou ‘vi vocês’). Em vi-vos trata-se do pronome pessoal vos usado para indicar a pessoa a quem o emissor se dirige, quando há tratamento por vocês ou tratamento por vós (vi-vos será então equivalente a ‘vi vocês’ ou ‘vi vós’).

No português europeu, as formas de tratamento por você (ou afins, como nos exemplos o senhor não pode passar; o João pode fechar a janela, por favor?; o professor desculpe, mas está enganado) criam muitas incongruências e são por vezes pouco claras para os falantes. Por um lado, estas formas de tratamento, como os pronomes tu ou vós, indicam a pessoa a quem o falante está a dirigir a sua mensagem, pelo que se trata semanticamente de uma segunda pessoa. Por outro lado, gramaticalmente, estas formas de tratamento obrigam ao uso da terceira pessoa (qualquer concordância com a segunda pessoa do singular ou do plural é agramatical, como se pode verificar nos exemplos antecedidos de asterisco: *o senhor não podeis passar; *o João podes fechar a janela, por favor?; *o professor desculpe, mas estás enganado). Por corresponderem gramaticalmente a uma terceira pessoa (equivalente nas concordâncias com os verbos, por exemplo, a ele ou eles), estas formas de tratamento devem, segundo alguns gramáticos, usar os pronomes clíticos de terceira pessoa (o, a os, as para complemento directo: ex.: eu vi-os; lhe ou lhes para complemento indirecto: ex.: eu entreguei-lhes) em vez do pronome vos (complemento directo: ex.: eu vi-vos e indirecto: ex.: eu entreguei-vos).

pub

Palavra do dia

gran·jo·li·ce gran·jo·li·ce


(granjola + -ice)
nome feminino

[Informal]   [Informal]  Acção que se destina a enganar alguém. = FAJARDICE, GRANJOLADA, INTRUJICE, PATIFARIA, VELHACARIA

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/princ%C3%ADpio [consultado em 07-12-2022]