Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

ideofrénico

ideofrénicoideofrênico | adj.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

ideofrénico ideofrénico


adjectivo
adjetivo

(A definição desta palavra estará disponível brevemente. Envie comentários ou sugestões para dicionario@priberam.pt)

• Grafia no Brasil: ideofrênico.

• Grafia no Brasil: ideofrênico.

• Grafia em Portugal: ideofrénico.

• Grafia em Portugal: ideofrénico.
pub

Parecidas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Dúvidas linguísticas


Venho por este meio pedir que me tirem uma dúvida relacionada com a palavra bolor: a correcta pronunciação da palavra acima referida é "bolor" (com o mesmo tipo de fonologia que existe em, por ex.: ardor ou timor) ou "bolór" (obviamente sem o uso do acento que coloquei, mas com um som como em pior ou maior). Pessoalmente penso que se pronuncia sem nenhum tipo de acentuação, mas desde que vim estudar para o Porto estou rodeado de gente que diz o contrário.
A pronúncia das palavras em português não obedece, em geral, a critérios de correcção, pois não se trata de uma pronúncia correcta ou incorrecta, mas de variações de pronúncia relacionadas com o dialecto ou o sociolecto do falante. Algumas obras lexicográficas contêm transcrições ou indicações de pronúncia (ou de ortoépia), que mais não são do que referências, e que, como tal, não podem ser tomadas como normativas ou vinculativas.

No caso da palavra bolor, parecem ser consideradas correctas as pronúncias do segundo o como [o] (o símbolo entre parênteses representa no alfabeto fonético internacional o som ô de ardor ou Timor) ou como [ɔ] (o símbolo entre parênteses representa no alfabeto fonético internacional o som ó de pior ou pó), ainda que a pronúncia com o som ô seja estatisticamente mais frequente. Assim, por um lado, o Vocabulário da Língua Portuguesa, de Rebelo GONÇALVES (Coimbra, Coimbra Editora, 1966) e o Grande Dicionário Língua Portuguesa (Porto, Porto Editora, 2004) indicam as duas fonéticas, enquanto o Grande Vocabulário da Língua Portuguesa, de José Pedro MACHADO (Lisboa, Âncora, 2001), o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências (Verbo, 2001) e o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (Lisboa, Círculo de Leitores, 2002) assinalam apenas a pronúncia ô.

Pelo que foi acima apontado, a dúvida colocada diz respeito à qualidade da vogal fonética que corresponde à ortografia, e não a uma acentuação diferente (em ambas as pronúncias, trata-se da mesma sílaba acentuada, bolor). Uma vogal ortográfica (, por exemplo) pode, no português europeu, corresponder a diversas vogais fonéticas (ex.: [u], em bolor), [o] ou [ɔ], em bolor). Esta qualidade da vogal é geralmente fixa em cada palavra (normalmente, o mesmo falante não oscila entre [o] ou [ɔ], em bolor), mas pode alterar-se quando, numa palavra derivada, a sílaba dessa vogal passa de tónica a átona (ex.: bolor [o] ou [ɔ] > bolorento [u]).




A minha dúvida é a respeito da etimologia de determinadas palavras cuja raiz é de origem latina, por ex. bondade, sensibilidade, depressão, etc. No Dicionário Priberam elas aparecem com a terminação nominativa mas noutros dicionários parece-me que estão na terminação ablativa e não nominativa. Gostaria que me esclarecessem.
O Dicionário Priberam da Língua Portuguesa regista, por exemplo, na etimologia de bondade, sensibilidade ou depressão, as formas que são normalmente enunciadas na forma do nominativo, seguida do genitivo: bonitas, bonitatis (ou bonitas, -atis); sensibilitas, sensibilitatis (ou sensibilitas, -atis) e depressio, depressionis (ou depressio, -onis).

Noutros dicionários gerais de língua portuguesa, é muito usual o registo da etimologia latina através da forma do acusativo sem a desinência -m (não se trata, como à primeira vista pode parecer, do ablativo). Isto acontece por ser o acusativo o caso lexicogénico, isto é, o caso latino que deu origem à maioria das palavras do português, e por, na evolução do latim para o português, o -m da desinência acusativa ter invariavelmente desaparecido. Assim, alguns dicionários registam, por exemplo, na etimologia de bondade, sensibilidade ou depressão, as formas bonitate, sensibilitate e depressione, que foram extrapoladas, respectivamente, dos acusativos bonitatem, sensibilitatem e depressionem.

Esta opção de apresentar o acusativo apocopado pode causar alguma perplexidade nos consulentes dos dicionários, que depois não encontram estas formas em dicionários de latim. Alguns dicionários optam por assinalar a queda do -m, colocando um hífen no final do étimo latino (ex.: bonitate-, sensibilitate-, depressione-). Outros, mais raros, como o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa ou o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa optaram por enunciar os étimos latinos (ex.: bonitas, -atis; sensibilitas, -atis, depressio, -onis), não os apresentando como a maioria dos dicionários; o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa não enuncia o étimo latino dos verbos, referenciando apenas a forma do infinitivo (ex.: fazer < facere; sentir < sentire).

pub

Palavra do dia

ni·ví·co·la ni·ví·co·la


(latim nix, nivis, neve + -cola)
adjectivo de dois géneros
adjetivo de dois géneros

Que vive em região em que há neve (ex.: espécies nivícolas).

Confrontar: vinícola.
pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/ideofr%C3%A9nico [consultado em 19-01-2022]