Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
Palavra não encontrada. Se procurava uma das palavras seguintes, clique nela para consultar a sua definição.
harto (norma brasileira)
hartos (norma brasileira)

Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.
pub

Dúvidas linguísticas


Como usar o pronome demonstrativo este e esse? Parece-me que seria indiferente, mas muitos consideram que não.
Em português, o sistema dos demonstrativos (pronomes, determinantes e advérbios) é ternário, sendo estruturado em função da proximidade relativa dos interlocutores, quer em relação ao espaço, quer em relação ao tempo.

Assim, os pronomes e determinantes este, esta, estes, estas, o pronome isto e o advérbio aqui estão associados a uma proximidade do falante (ex.: este filme é aborrecido; este dia não me correu bem); os pronomes e determinantes esse, essa, esses, essas, o pronome isso e o advérbio estão associados a uma proximidade do interlocutor de quem fala (ex.: esse livro foi fácil de ler; essa manhã em que fizeste o exame correu mal); os pronomes e determinantes aquele, aquela, aqueles, aquelas, o pronome aquilo e o advérbio ali estão associados a uma relativa distância tanto do falante como do seu interlocutor (ex.: aquele quadro é estranho; aquele foi o seu primeiro dia de trabalho).

Este sistema é por vezes alterado por alguns elementos contextuais, nomeadamente a maior ou menor implicação dos interlocutores. Em algumas variedades do português, nomeadamente no português do Brasil, como refere o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, foi atenuada ou neutralizada a oposição entre este/isto e esse/isso, sendo muito usual o uso de esse/isso nos contextos referidos para este/isto.

O que foi dito acima aplica-se igualmente nos casos de contracções de preposições com os demonstrativos (ex.: desse, deste, daquele; nesse, neste, naquele)

Para mais informação sobre este assunto, poderá consultar a Nova Gramática do Português Contemporâneo, de Celso CUNHA e Lindley CINTRA (14ª ed., Lisboa, Edições Sá da Costa, 1998, pp. 328-342) ou o Manual de Língua Portuguesa (Portugal-Brasil), de Paul TEYSSIER (Coimbra, Coimbra Editora, 1989, pp.139-147). Como este é um fenómeno semelhante ao da língua espanhola, poderá adicionalmente consultar a pertinente descrição feita na Gramática Descriptiva de la Lengua Española, da Real Academia Española (dir. de Ignacio BOSQUE e Violeta DEMONTE, Madrid, Espasa Calpe, 1999, pp.929-972).




O verbo imergir é defectivo ou conjuga-se em todas as pessoas e tempos? Qual a primeira pessoa do presente do indicativo?
É muito frequente não haver consenso quanto à defectividade de um verbo e o caso do verbo imergir (bem como dos seus cognatos emergir, reemergir, reimergir e submergir) é paradigmático, divergindo as fontes de referência.

Das obras consultadas, apenas o Dicionário da Língua Portuguesa, ([CD-ROM], versão 1.0, Porto Editora/Priberam Informática, 1996) e o Dicionário Aurélio (Curitiba: Positivo, 2004) consideram este verbo como defectivo, isto é, não apresentam todas as formas do paradigma de conjugação a que o verbo pertence (neste caso, as formas da primeira pessoa do presente do indicativo, todo o presente do conjuntivo e as formas do imperativo que deste derivam). A Nova Gramática do Português Contemporâneo, de Celso CUNHA e Lindley CINTRA (Lisboa: Edições Sá da Costa, 1998) também assim o classifica (p. 445), a par de emergir, mas não faz o mesmo com o cognato submergir, que considera regular e conjugável com -e- no radical da primeira pessoa do presente do indicativo e em todo o presente do conjuntivo (p. 420).

Quando o verbo é conjugado em todas as formas, as obras de referência têm opções divergentes.
Por um lado, obras como a Moderna Gramática Portuguesa, de Evanildo BECHARA (Rio de Janeiro: Editora Lucerna, 2002, p. 275) e o Dicionário Eletrônico Houaiss ([CD_ROM] versão 1.0, Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss / Objetiva, 2001) defendem que este verbo tem uma conjugação regular (apenas com adaptação ortográfica de -g- para -j- antes de -a ou -o), preceituando imerjo como a forma da primeira pessoa do singular do presente do indicativo (e, consequentemente, imerja, imerjas, imerja, imerjamos, imerjais, imerjam no presente do conjuntivo).

Por outro lado, obras como o Dicionário dos Verbos Portugueses (Porto: Porto Editora, 1996), o Vocabulário da Língua Portuguesa, de Rebelo GONÇALVES (Coimbra: Coimbra Editora, 1966), o Grande Vocabulário da Língua Portuguesa, de José Pedro MACHADO (Lisboa: Âncora Editora, 2001) e o Dicionário Dom Quixote dos verbos da língua portuguesa : as flexões, conjugações, regências e particularidades de todos os verbos da língua portuguesa, de Ana Maria GUEDES e Rui GUEDES (Lisboa: Dom Quixote, 1999) preconizam imirjo como a forma da primeira pessoa do singular do presente do indicativo (e, consequentemente, imirja, imirjas, imirja, imirjamos, imirjais, imirjam no presente do conjuntivo), tratando-se nesse caso de um verbo irregular, uma vez que tem uma alternância vocálica gráfica nessas formas e não segue o modelo do paradigma da terceira conjugação, a dos verbos em -ir. Também o Dicionário de Língua Portuguesa da Infopédia, propriedade da Porto Editora, reconhece imirjo como flexão de imergir (o que não acontece com imerjo).

Da informação acima apresentada se pode concluir que uma resposta peremptória a este tipo de questões é impossível e mesmo inadequada, estando qualquer opção do utilizador da língua justificada e secundada por sólidas referências lexicográficas. Por este motivo, o corrector ortográfico do FLiP e o seu Conjugador aceitam as formas com -i- ou com -e- em que ao radical se segue -a ou -o: imerjo, imerja, imerjas, imerja, imerjamos, imerjais, imerjam / imirjo, imirja, imirjas, imirja, imirjamos, imirjais, imirjam. Não havendo consenso, a decisão de utilização de uma ou outra forma caberá sempre ao utilizador da língua, devendo este manter a opção que tomar, pelo menos dentro do mesmo texto ou documento, por uma questão de coerência.

Palavra do dia

as·sa·ma·ra as·sa·ma·ra
(latim ass[o, -are], assar + latim amara, plural neutro de amarus, -a, -um, amargo)
nome feminino

1. Crosta de gosto amargo dos preparados assados ou torrados.

2. Elemento que comunica o amargor ao café ou a outras substâncias amargas.


SinónimoSinônimo Geral: ASSAMAR

pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2020, https://dicionario.priberam.org/hartig [consultado em 14-08-2020]