Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
Palavra não encontrada. Se procurava uma das palavras seguintes, clique nela para consultar a sua definição.
Assis
asseta (norma brasileira)
assetas (norma brasileira)
assete (norma brasileira)
assetes (norma brasileira)
asseto (norma brasileira)
massets (norma brasileira)

Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.
pub

Dúvidas linguísticas


A diferença entre "pôr" e "por" é o acento circunflexo, que indica palavras diferentes. Porque não acontece o mesmo com "acordo" (forma verbal e substantivo)?
Segundo o Acordo Ortográfico de 1945, nas bases XVIII e XXII, os acentos agudo ou circunflexo são usados como marca de distinção entre palavras apenas quando se trata de diferenciar palavras com sílaba tónica homógrafas de palavras sem acentuação própria, como é o caso de palavras gramaticais como as preposições, nas quais se insere "por" (ao contrário de "pôr", que é uma palavra monossilábica com acentuação própria).

O Acordo de 1990 mantém os acentos gráficos como sinais distintivos entre determinadas palavras homógrafas de palavras gramaticais, mas especifica, na base IX, ponto 9, que nas palavras paroxítonas (isto é, com acentuação na penúltima sílaba) se prescinde dos acentos agudo e circunflexo para fazer a distinção com palavras proclíticas (isto é, de palavras sem acentuação própria). Assim sendo, "pêlo" (substantivo) passa a ser escrito sem acento circunflexo, que antes era usado como meio de distinção da contracção "pelo", assim como "pólo" perde o acento agudo, sendo grafado da mesma maneira que a contracção "polo", muito pouco usada na actualidade.

Quanto à palavra "acordo", trata-se de uma forma gráfica comum para um substantivo e para uma forma verbal, ambos com sílaba tónica, pelo que, nestes casos, os acordos de 1945 e de 1990 não instituem um acento gráfico como sinal distintivo de categoria gramatical.




Deve-se dizer Estou convencido que ... ou Estou convencido de que ...?
A dúvida colocada diz respeito à regência do adjectivo convencido. Este adjectivo, tal como o verbo convencer, o substantivo convicção ou o adjectivo sinónimo convicto, todos com a mesma raiz etimológica, constrói-se com a preposição de (ex.: estou convencido/convicto da inocência do arguido, o advogado convenceu o júri da inocência do arguido, tenho a convicção da inocência do arguido).

Quando o complemento do adjectivo, do verbo ou do substantivo é uma oração subordinada completiva finita introduzida pela conjunção que, é frequente a elisão da preposição de (ex.: estou convencido/convicto [de] que o arguido é inocente, o advogado convenceu o júri [de] que o arguido é inocente, tenho a convicção [de] que o arguido é inocente).

Não sendo este um fenómeno exclusivo destas palavras (poderá, por exemplo, ocorrer com palavras como certeza, certificar, esquecer-se ou gostar, entre outras), deve, no entanto, ser evitado em registos formais ou cuidados, pois o seu uso não é consensual. Apesar disto, alguns destes contextos já surgem registados em alguns dicionários recentes, sobretudo relativamente ao verbo gostar.

Palavra do dia

ti·ra·-li·nhas ti·ra·-li·nhas
(forma do verbo tirar + -linha)
substantivo masculino de dois números

Instrumento com dois bicos metálicos reguláveis, usado para traçar linhas de igual largura em toda a sua extensão.

pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://dicionario.priberam.org/assets [consultado em 18-07-2019]