PT
BR
Pesquisar
Definições



agorinha

A forma agorinhapode ser [derivação de agoraagora] ou [advérbio].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
agorinhaagorinha
|ò| |ò|
( a·go·ri·nha

a·go·ri·nha

)


advérbio

Neste mesmo instante.

agoraagora
|ó| |ó|
( a·go·ra

a·go·ra

)


advérbio

1. No momento actual; neste instante ou ocasião. = PRESENTEMENTE

2. A partir deste momento (ex.: agora as coisas vão ser diferentes).

3. Em vista disto.


nome masculino

4. O tempo actual (ex.: entre o antigamente e o futuro, eu prefiro o agora).


interjeição

5. Expressão de incredulidade. = ORA

6. Expressão enfática. = ORA


conjunção coordenativa

7. Indica coordenação alternativa, quando repetido (ex.: agora sai, agora entra, e não pára quieto). = ORA

8. Indica coordenação adversativa (ex.: ele tem capacidade, agora, se aceita o trabalho, já não sei dizer). = CONTUDO, MAS, ORA, PORÉM


essa agora

Expressão que indica admiração ou espanto. = ORA ESSA

por agora

Neste momento, no momento actual ou pelo menos até este momento, podendo havendo alterações no futuro. = POR ENQUANTO, POR ORA

etimologiaOrigem etimológica:latim hac ora, nesta hora, ablativo de haec hora, esta hora.
Confrontar: ágora.
Ver também resposta à dúvida: O ainda ministro.


Dúvidas linguísticas



Minha dúvida é: Por que passei a vida estudando que o correto é falar para eu fazer, para eu comer, e etc., se a frase É fácil para mim estudar não está errada? Podem explicar essa última frase.
De facto, nos contextos exemplificados com duas orações na resposta para eu/para mim (ex.: isto é para eu fazer), deverá ser usado o pronome sujeito, pois na oração para eu fazer, o pronome desempenha essa função de sujeito. No caso do exemplo É fácil para mim estudar, o contexto é semelhante àquele referido na resposta pronomes pessoais rectos e oblíquos, em que o pronome não desempenha a função de sujeito, pois esta frase pode ser decomposta em Estudar [sujeito] é fácil [predicado] para mim [adjunto adverbial de interesse].



Gostaria de saber a diferença de sentido das frases: São hipóteses que conduzem à investigação adiante. e São hipóteses que conduzem a investigação adiante.
Na primeira frase apresentada (São hipóteses que conduzem à investigação adiante) há utilização da crase da preposição a (que introduz o complemento indirecto locativo do verbo conduzir) com o artigo definido a, que caracteriza o substantivo investigação como realidade bem determinada. Esta frase pode ser parafraseável por ‘são hipóteses que levam à investigação a seguir explicitada e não a qualquer outra’.

A segunda frase (São hipóteses que conduzem a investigação adiante) apresenta uma ambiguidade estrutural. Se se considerar que há utilização apenas da preposição a (que introduz o complemento indirecto locativo do verbo conduzir) sem o artigo definido, a estrutura é muito semelhante à da primeira frase, sendo que a ausência do artigo definido indetermina o substantivo investigação. Esta interpretação pode ser parafraseável por ‘são hipóteses que levam a uma investigação entre outras possíveis’. Se, por outro lado, se considerar que há utilização apenas do artigo definido a, já não se tratará de um complemento indirecto locativo, mas de um complemento directo do verbo conduzir no sentido de ‘dirigir ou governar’. Esta interpretação pode ser parafraseável por ‘são hipóteses que dirigem a investigação para diante’.

As três estruturas acima explicitadas podem ser mais claramente distinguidas, pela mesma ordem, com frases em que os complementos do verbo conduzir correspondam a um masculino plural, para que não haja ambiguidade em nenhuma frase. Por exemplo, São guias que conduzem aos cumes da montanha pode ser exemplo de utilização da crase da preposição a com o artigo definido os. A frase São guias que conduzem a cumes da montanha pode ser exemplo da utilização apenas da preposição a sem artigo definido. Na frase São guias que conduzem os montanhistas há apenas a utilização do artigo definido os, pois esta acepção do verbo conduzir permite a utilização de um complemento directo, sem qualquer preposição.