Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
Palavra não encontrada. Sugerir a inclusão no dicionário da palavra pesquisada.
pub

Dúvidas linguísticas


Como usar o pronome demonstrativo este e esse? Parece-me que seria indiferente, mas muitos consideram que não.
Em português, o sistema dos demonstrativos (pronomes, determinantes e advérbios) é ternário, sendo estruturado em função da proximidade relativa dos interlocutores, quer em relação ao espaço, quer em relação ao tempo.

Assim, os pronomes e determinantes este, esta, estes, estas, o pronome isto e o advérbio aqui estão associados a uma proximidade do falante (ex.: este filme é aborrecido; este dia não me correu bem); os pronomes e determinantes esse, essa, esses, essas, o pronome isso e o advérbio estão associados a uma proximidade do interlocutor de quem fala (ex.: esse livro foi fácil de ler; essa manhã em que fizeste o exame correu mal); os pronomes e determinantes aquele, aquela, aqueles, aquelas, o pronome aquilo e o advérbio ali estão associados a uma relativa distância tanto do falante como do seu interlocutor (ex.: aquele quadro é estranho; aquele foi o seu primeiro dia de trabalho).

Este sistema é por vezes alterado por alguns elementos contextuais, nomeadamente a maior ou menor implicação dos interlocutores. Em algumas variedades do português, nomeadamente no português do Brasil, como refere o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, foi atenuada ou neutralizada a oposição entre este/isto e esse/isso, sendo muito usual o uso de esse/isso nos contextos referidos para este/isto.

O que foi dito acima aplica-se igualmente nos casos de contracções de preposições com os demonstrativos (ex.: desse, deste, daquele; nesse, neste, naquele)

Para mais informação sobre este assunto, poderá consultar a Nova Gramática do Português Contemporâneo, de Celso CUNHA e Lindley CINTRA (14ª ed., Lisboa, Edições Sá da Costa, 1998, pp. 328-342) ou o Manual de Língua Portuguesa (Portugal-Brasil), de Paul TEYSSIER (Coimbra, Coimbra Editora, 1989, pp.139-147). Como este é um fenómeno semelhante ao da língua espanhola, poderá adicionalmente consultar a pertinente descrição feita na Gramática Descriptiva de la Lengua Española, da Real Academia Española (dir. de Ignacio BOSQUE e Violeta DEMONTE, Madrid, Espasa Calpe, 1999, pp.929-972).




Sou espanhola estudante de português e encontro muita dificuldade para saber quando uma palavra termina em -ção ou em -cção. Por exemplo: é ação ou acção? fração ou fracção? deteção ou detecção? Existe alguma regra para eu poder construir correctamente estas palavras? Tenho pesquisado muito mas todos os meus esforços foram vãos.
A dúvida apresentada parece dizer respeito à diferença ortográfica entre as normas do português europeu (seguida, em geral, em Portugal, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste e Região Administrativa Especial de Macau) e o português brasileiro.

Nos exemplos apontados, a diferença surge porque no português europeu as consoantes mudas etimológicas são mantidas na ortografia, enquanto no português do Brasil são eliminadas em alguns casos e facultativas noutros (especialmente se a pronúncia oscilar). No caso da aprendizagem do português como língua estrangeira, esta divergência ortográfica entre as duas normas pode criar sérios problemas na aprendizagem da ortografia. Nenhuma das normas deve ser desvalorizada, mas, neste aspecto, os alunos deverão ter claramente presente qual a norma que estão a estudar (normalmente corresponde à norma que o professor segue, como língua materna ou não) e procurar obras de referência (dicionários, prontuários, gramáticas ou outros) que respeitem essa norma, para evitar confusões desnecessárias. A este propósito, deve referir-se que o Dicionário Priberam da Língua Portuguesa e a sua Gramática seguem a norma europeia do português; as respostas às Dúvidas Linguísticas são escritas respeitando a ortografia da norma europeia, apesar de o conteúdo de muitas delas dizer respeito à norma brasileira; o FLiP contém ferramentas linguísticas quer para o português europeu quer para o português do Brasil.

Para a sistematização de algumas diferenças entre o português europeu e o português do Brasil, por favor consulte também outra dúvida relativa às variedades de português.

Além do que foi dito anteriormente, a diferença entre a terminação em -ção ou -cção não se deve apenas à diferença entre as normas ortográficas do português, mas a diferenças etimológicas que originaram diferenças de ortografia. Por exemplo, as palavras em -ção que correspondem a nominalizações de verbos (ex.: verbalizar/verbalização) são sempre formadas pelo sufixo -ção (ver também palavras terminadas em -ção e -são). Alguns exemplos podem mesmo ser colocados a par com as terminações -ción e -cción da língua espanhola. Por exemplo, para o português europeu e para o espanhol, as terminações -ção/-ción de inflação/inflación têm a sua explicação no étimo latino de que derivam (inflatio, -onis), do mesmo modo que as terminações -cção/-cción de infracção/infracción têm a sua explicação no étimo de que derivam (infractio, -onis). Estes exemplos apontam para uma clara ligação entre as formas latinas terminadas em -tio, -onis e as formas portuguesas terminadas em -ção e entre as formas latinas terminadas em -ctio, -onis e as formas portuguesas terminadas em -cção.

Palavra do dia

as·sa·ma·ra as·sa·ma·ra
(latim ass[o, -are], assar + latim amara, plural neutro de amarus, -a, -um, amargo)
nome feminino

1. Crosta de gosto amargo dos preparados assados ou torrados.

2. Elemento que comunica o amargor ao café ou a outras substâncias amargas.


SinónimoSinônimo Geral: ASSAMAR

pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2020, https://dicionario.priberam.org/Zigarettenpapier [consultado em 14-08-2020]