PT
BR
Pesquisar
Definições



tu

A forma tupode ser [segunda pessoa singular de EuEu], [adjectivo de dois géneros e nome de dois génerosadjetivo de dois géneros e nome de dois géneros] ou [pronome pessoal de dois géneros].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
tu1tu1


pronome pessoal de dois géneros

1. Pronome da 2.ª pessoa do singular, dos dois géneros, geralmente com função de sujeito (ex.: tu és alto), predicativo do sujeito (ex.: gostava de ser tu), vocativo (ex.: ó tu, vem cá) ou ainda em complementos regidos por preposições como afora, fora, excepto, menos, salvo, senão e tirante (ex.: quem, senão tu, me faria isto?).


tratar por tu

Empregar as palavras tu, te, ti, contigo, falando a uma pessoa, geralmente em sinal de familiaridade.

tu cá, tu lá

Com grande familiaridade.

etimologiaOrigem etimológica:latim tu.
Confrontar: to.
tu2tu2


adjectivo de dois géneros e nome de dois génerosadjetivo de dois géneros e nome de dois géneros

O mesmo que bantu.

Confrontar: to.
eu1eu1


pronome pessoal de dois géneros

1. Primeira pessoa do singular gramatical, geralmente com funções de sujeito ou de predicativo do sujeito; a minha pessoa.


nome masculino

2. Personalidade ou individualidade de um ser humano.

3. Pessoa ou entidade que fala, que escreve ou que enuncia o discurso (ex.: estamos perante um eu autobiográfico).

4. [Psicologia] [Psicologia] Na teoria freudiana, a personalidade psíquica do indivíduo, de que este está consciente e que exerce a função de controlo sobre o seu comportamento. = EGO

5. [Filosofia] [Filosofia] O ente consciente ou pensante; a consciência.


eu lírico

[Literatura] [Literatura]  Voz que se exprime no discurso de um texto poético, geralmente na primeira pessoa do singular, e que deve distinguir-se do autor. = EU POÉTICO, SUJEITO POÉTICO

eu poético

[Literatura] [Literatura]  O mesmo que eu lírico.

vistoNota: como substantivo, admite o plural eus.
etimologiaOrigem etimológica:latim ego, eu.
iconNota: como nome, admite o plural eus.
Eu2Eu2


símbolo

[Química] [Química] Símbolo químico do európio.

Auxiliares de tradução

Traduzir "tu" para: Espanhol Francês Inglês

Esta palavra no dicionário



Dúvidas linguísticas



A minha dúvida é a respeito da etimologia de determinadas palavras cuja raiz é de origem latina, por ex. bondade, sensibilidade, depressão, etc. No Dicionário Priberam elas aparecem com a terminação nominativa mas noutros dicionários parece-me que estão na terminação ablativa e não nominativa. Gostaria que me esclarecessem.
O Dicionário Priberam da Língua Portuguesa regista, por exemplo, na etimologia de bondade, sensibilidade ou depressão, as formas que são normalmente enunciadas na forma do nominativo, seguida do genitivo: bonitas, bonitatis (ou bonitas, -atis); sensibilitas, sensibilitatis (ou sensibilitas, -atis) e depressio, depressionis (ou depressio, -onis).

Noutros dicionários gerais de língua portuguesa, é muito usual o registo da etimologia latina através da forma do acusativo sem a desinência -m (não se trata, como à primeira vista pode parecer, do ablativo). Isto acontece por ser o acusativo o caso lexicogénico, isto é, o caso latino que deu origem à maioria das palavras do português, e por, na evolução do latim para o português, o -m da desinência acusativa ter invariavelmente desaparecido. Assim, alguns dicionários registam, por exemplo, na etimologia de bondade, sensibilidade ou depressão, as formas bonitate, sensibilitate e depressione, que foram extrapoladas, respectivamente, dos acusativos bonitatem, sensibilitatem e depressionem.

Esta opção de apresentar o acusativo apocopado pode causar alguma perplexidade nos consulentes dos dicionários, que depois não encontram estas formas em dicionários de latim. Alguns dicionários optam por assinalar a queda do -m, colocando um hífen no final do étimo latino (ex.: bonitate-, sensibilitate-, depressione-). Outros, mais raros, como o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa ou o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa optaram por enunciar os étimos latinos (ex.: bonitas, -atis; sensibilitas, -atis, depressio, -onis), não os apresentando como a maioria dos dicionários; o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa não enuncia o étimo latino dos verbos, referenciando apenas a forma do infinitivo (ex.: fazer < facere; sentir < sentire).




Tenho uma dúvida acerca de uma conjugação perifrástica. Para exprimir a necessidade ou obrigatoriedade de praticar uma acção utiliza-se ter que ou ter de? Ou estão ambos correctos?
Em termos semânticos, as duas construções são usadas para designar a necessidade ou obrigatoriedade (e estão registadas em dicionários, nomeadamente no Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências/Verbo, na edição portuguesa do Dicionário Houaiss, do Círculo de Leitores ou no Dicionário Aurélio, da Ed. Nova Fronteira). No entanto, a construção ter que é considerada por vezes como uma construção menos indicada, talvez por ser mais recente na língua.