PT
BR
Pesquisar
Definições



tronco

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
troncotronco
( tron·co

tron·co

)
Imagem

Parte da árvore compreendida entre a raiz e os primeiros ramos ou pernadas.


nome masculino

1. Parte da árvore compreendida entre a raiz e os primeiros ramos ou pernadas.Imagem

2. Haste; caule.

3. Ramo grosso; pernada.

4. [Anatomia] [Anatomia] O corpo humano, considerado sem a cabeça e sem os membros.

5. [Anatomia] [Anatomia] Parte de um vaso ou de um nervo de onde partem ramificações.

6. Aparelho feito de colunas e de travessas, no qual se prende o boi ou o cavalo, para ser ferrado ou pensado.

7. Prisão; cárcere.

8. [Figurado] [Figurado] Encargo; obrigação.

9. [Linguagem poética] [Linguagem poética] Mastro de navio.

10. [Genealogia] [Genealogia] Pessoa em que principiou a origem de uma família.

11. [Arquitectura] [Arquitetura] [Arquitetura] Fragmento do fuste da coluna; dado do pedestal.

12. [Geometria] [Geometria] Sólido que se obtém cortando outro sólido paralela ou obliquamente à base.

13. [Brasil] [Brasil] Espaço separado por tapumes em trabalhos de mineração.

14. Corredor estreito sem saída que comunica com a porta do curral em que se prendem cavalos ou bois, para serem tosquiados, castrados, etc.


adjectivoadjetivo

15. Truncado, mutilado, mocho; descabeçado.


tronco basilar

[Anatomia] [Anatomia]  União de duas artérias vertebrais.

Colectivo:Coletivo:Coletivo:troncagem, troncaria.

Auxiliares de tradução

Traduzir "tronco" para: Espanhol Francês Inglês

Anagramas



Dúvidas linguísticas



Pretendo saber como se lê a palavra ridículo. Há quem diga que se lê da forma que se escreve e há quem diga que se lê redículo. Assim como as palavras ministro e vizinho, onde também tenho a mesma dúvida.
A dissimilação, fenómeno fonético que torna diferentes dois ou mais segmentos fonéticos iguais ou semelhantes, é muito frequente em português europeu.

O caso da pronúncia do primeiro i não como o habitual [i] mas como [i] (idêntico à pronúncia de se ou de) na palavra ridículo é apenas um exemplo de dissimilação entre dois sons [i].

O mesmo fenómeno pode acontecer nos casos de civil, esquisito, feminino, Filipe, imbecilidade, medicina, militar, milímetro, ministro, príncipe, sacrifício, santificado, Virgílio, visita, vizinho (o segmento destacado é o que pode sofrer dissimilação), onde se pode verificar que a modificação nunca ocorre na vogal da sílaba tónica ou com acento secundário, mas nas vogais de sílabas átonas que sofrem enfraquecimento.

A este respeito, convém referir que alguns dicionários de língua portuguesa, como o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências de Lisboa (Verbo, 2001) ou o Grande Dicionário Língua Portuguesa (Porto Editora, 2004), apresentam transcrição fonética das palavras. Podemos verificar que nestas obras de referência, a transcrição não é uniforme. No dicionário da Academia das Ciências, estas palavras são transcritas de forma quase sistemática sem dissimilação, mas a palavra príncipe é transcrita como prínc[i]pe. No dicionário da Porto editora, algumas destas palavras são transcritas com e sem dissimilação, por esta ordem, como em feminino, medicina, militar, ministro ou vizinho, mas a palavra esquisito é transcrita com a forma sem dissimilação em primeiro lugar, enquanto as palavras civil, príncipe, sacrifício e visita são transcritas apenas sem dissimilação.

Em conclusão, nestes contextos, é possível encontrar no português europeu as duas pronúncias, com e sem dissimilação, sendo que em alguns casos parece mais rara e noutros não. A pronúncia destas e de outras palavras não obedece a critérios de correcção, pois não se trata de uma pronúncia correcta ou incorrecta, mas de variações de pronúncia relacionadas com o dialecto ou o sociolecto do falante. Assim, nos exemplos acima apresentados é igualmente correcta a pronúncia dos segmentos assinalados como [i] ou [i].




Recebi a correção de um texto que fiz para minha prova de redação e foram reportados 2 erros apenas.

1º “erro”: Precisava descrever o fato de não abuso e utilizei-me da construção de uma palavra prefixada por in-, levando em conta que o mesmo atendia minha necessidade para a construção, resultando no termo inabusivo. No contexto era necessário concordar em gênero e número, obtendo assim inabusivas. Estaria incorreto?

2º “erro”: Utilizei o termo profícuo na seguinte frase: “Questão de caráter complexo e de difícil solução profícua...”. Sinceramente, acredito que a professora realmente não compreendeu o significado do termo e ou até o desconhece visto que ela não reportou erro de redundância (onde uma vez pensei que toda solução fosse profícua, mas logo discordei pois é possível uma solução não ser vantajosa) ou qualquer outro tipo de erro possível.

Para os dois “erros” ela escreveu apenas o seguinte comentário: “Evite termos difíceis, fale fácil!”. Minha composição nesses casos está correta?

Os dados que nos fornece relativamente ao primeiro “erro” assinalado não são suficientes para emitir opiniões sobre a sua (in)correcção. O que lhe podemos indicar é que o adjectivo inabusivo não se encontra averbado pelos principais dicionários de língua. Ainda assim, inabusivo obedece às regras de boa formação morfológica, tal como outros casos atestados lexicograficamente: inactivo, inafectivo, inafirmativo, etc.

Quanto ao segundo “erro” assinalado, o que parece causar estranheza nessa construção é a dupla adjectivação da palavra solução (“difícil solução profícua”), que dificulta a interpretação desse sintagma e, por conseguinte, de toda a frase. Se utilizarmos apenas o primeiro adjectivo, como em “Questão de carácter complexo e de difícil solução.”, verificamos que a frase se torna mais clara. Deve ter sido por essa razão que o comentário registado na sua redacção pedia para evitar termos difíceis, dado que, neste caso, turva o sentido que se pretende transmitir. O uso de termos “difíceis”, característicos de um registo de língua mais formal, não é, porém, condenável, é opcional, sendo sobretudo uma questão de estilo. O que convém não fazer é utilizar abusivamente esses termos em contextos não formais, o que pode dar uma falsa ideia de erudição.