Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub

sob-roje

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
pub

Dúvidas linguísticas


Nas frases que se seguem estará correcta a repetição da preposição por? 1. O acordo foi assinado pelo ministro português da Agricultura e pelo seu homólogo angolano. 2. A decisão para apoiar uma candidatura comum foi igualmente aprovada pelas organizações regionais africanas, pela União Africana, pelo Conselho dos Assuntos Económicos e Sociais e pela maior parte dos governos africanos.
Nas frases referidas, a preposição por está correctamente utilizada, pois trata-se de construções passivas (foi assinado e foi aprovada são formas do pretérito perfeito de assinar e aprovar, na voz passiva). Os sintagmas introduzidos pela preposição por (nas formas pelo, pelas ou pela, resultantes da contracção com os artigos o, as ou a) correspondem ao agente da passiva. Nos exemplos acima, este agente da passiva é complexo, isto é, é constituído por duas ou mais partes coordenadas pela conjunção e:

1. O acordo foi assinado pelo ministro português da Agricultura e pelo seu homólogo angolano.
2. A decisão para apoiar uma candidatura comum foi igualmente aprovada pelas organizações regionais africanas, pela União Africana, pelo Conselho dos Assuntos Económicos e Sociais e pela maior parte dos governos africanos.

Nestes casos, a omissão da preposição pode gerar dificuldades de interpretação ou mesmo agramaticalidade.




A minha dúvida é relativa ao novo Acordo Ortográfico: gostava que me esclarecessem porque é que "lusodescendente" escreve-se sem hífen e "luso-brasileiro", "luso-americano" escreve-se com hífen. É que é um pouco difícil de se compreender, e já me informei com algumas pessoas que não me souberam dizer o porquê de ser assim. Espero uma resposta de vossa parte com a maior brevidade possível.
Não há no texto legal do Acordo Ortográfico de 1990 uma diferença clara entre as palavras que devem seguir o disposto na Base XV e o disposto na Base XVI. Em casos como euroafricano/euro-africano, indoeuropeu/indo-europeu ou lusobrasileiro/luso-brasileiro (e em outros análogos), poderá argumentar-se que se trata de "palavras compostas por justaposição que não contêm formas de ligação e cujos elementos, de natureza nominal, adjetival, numeral ou verbal, constituem uma unidade sintagmática e semântica e mantêm acento próprio, podendo dar-se o caso de o primeiro elemento estar reduzido" (Base XV) para justificar o uso do hífen. Por outro lado, poderá argumentar-se que não se justifica o uso do hífen uma vez que se trata de "formações com prefixos (como, por exemplo: ante-, anti-, circum-, co-, contra-, entre-, extra-, hiper-, infra-, intra-, pós-, pré-, pró-, sobre-, sub-, super-, supra-, ultra-, etc.) e de formações por recomposição, isto é, com elementos não autónomos ou falsos prefixos, de origem grega e latina (tais como: aero-, agro-, arqui-, auto-, bio-, eletro-, geo-, hidro-, inter-, macro-, maxi-, micro-, mini-, multi-, neo-, pan-, pluri-, proto-, pseudo-, retro-, semi-, tele-, etc.)" (Base XVI).

Nestes casos, e porque afro-asiático, afro-luso-brasileiro e luso-brasileiro surgem no texto legal como exemplos da Base XV, a Priberam aplicou a Base XV, considerando que "constituem uma unidade sintagmática e semântica e mantêm acento próprio, podendo dar-se o caso de o primeiro elemento estar reduzido". Trata-se de uma estrutura morfológica de coordenação, que estabelece uma relação de equivalência entre dois elementos (ex.: luso-brasileiro = lusitano e brasileiro; sino-japonês = chinês e japonês).

São, no entanto, excepção os casos em que o primeiro elemento não é uma unidade sintagmática e semântica e se liga a outro elemento análogo, não podendo tratar-se de justaposição (ex.: lusófono), ou quando o primeiro elemento parece modificar o valor semântico do segundo elemento, numa estrutura morfológica de subordinação ou de modificação, que equivale a uma hierarquização dos elementos (ex.:  eurodeputado = deputado [que pertence ao parlamento europeu]; lusodescendente = descendente [que provém de lusitanos]).

É necessário referir ainda que o uso ou não do hífen nestes casos não é uma questão nova na língua portuguesa e já se colocava antes da aplicação do Acordo Ortográfico de 1990. Em diversos dicionários e vocabulários anteriores à aplicação do Acordo Ortográfico de 1990 já havia práticas ortográficas que distinguiam, tanto em Portugal como no Brasil, o uso do hífen entre euro-africano (sistematicamente com hífen) e eurodeputado (sistematicamente sem hífen).

Palavra do dia

vi·ei·ra vi·ei·ra


(latim veneria, -ae)
nome feminino

1. [Zoologia]   [Zoologia]  Molusco bivalve (Pectem maximus), da família dos pectinídeos, com uma valva vermelha e a outra branca.

2. Concha desse molusco.

3. [Religião católica]   [Religião católica]  Concha de romeiro, em especial dos romeiros de Santiago de Compostela. = VENERA

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/sob-roje [consultado em 25-07-2021]