Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

petrificação

petrificaçãopetrificação | n. f.
derivação fem. sing. de petrificarpetrificar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

pe·tri·fi·ca·ção pe·tri·fi·ca·ção


nome feminino

1. Conversão de uma substância organizada em matéria pétrea.

2. [Figurado]   [Figurado]  Incrustação.


pe·tri·fi·car pe·tri·fi·car

- ConjugarConjugar

verbo transitivo e pronominal

1. Converter(-se) em pedra. = EMPEDERNIR

2. [Figurado]   [Figurado]  Tornar ou ficar imóvel de medo, de espanto.

3. [Figurado]   [Figurado]  Tornar ou ficar insensível, cruel. = ENDURECER, EMPEDERNIR

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "petrificação" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Esta palavra em blogues

Ver mais

, paralisia, petrificação , polimorfia ou imobilização, ele pode tentar um novo teste de resistência no final...

Em confrariadearton.blogspot.com

...Chãs de Semide a ver o meu Irmão, me deixe jamais de cativar a petrificação do mar feito ondas de serrania, oceano de pinho susceptível de fogo, ígneo pélago,...

Em daniel abrunheiro

havia o culto do pitoresco como cenografia, havia sim a petrificação de uma sociedade-povo, na tradição centenária que a civilização industrial não modificava, por a...

Em humorgrafe

...sedimentos que se transformaram em rochas”, este fundador da moderna geologia dava ênfase à petrificação ou litificação dos sedimentos, habitualmente referida por diagénese..

Em De Rerum Natura

...sedimentos que se transformaram em rochas”, este fundador da moderna geologia dava ênfase à petrificação ou litificação dos sedimentos, habitualmente referida por diagénese..

Em sorumb
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Será que os senhores poderiam explicar porque no português europeu a locução verbal haver de + infinitivo não traz hífen (havemos de ...)?
No português europeu, por convenção e conforme o disposto na Base XXXI do Acordo Ortográfico de 1945, o verbo haver só deve ser ligado por hífen à preposição de nas suas formas monossilábicas, isto é, nas formas que têm apenas uma sílaba (hei-de, hás-de, há-de, hão-de). As restantes formas (em que se inclui havemos) não deverão ser ligadas por hífen.

Esta situação altera-se apenas com a entrada em vigor do Acordo Ortográfico de 1990, pois a Base XVII prevê a eliminação do hífen nas formas monossilábicas do verbo haver seguidas da preposição de (hei de, hás de, há de, hão de).




Gostaria que me esclarecessem relativamente à utilização do infinitivo pessoal e do impessoal. Diz-se "Já tens idade para SER responsável." ou "Já tens idade para SERES responsável."? Outro exemplo, "Ele mandou-os FAZER o trabalho." ou "Ele mandou-os FAZEREM o trabalho."? Para finalizar, "Elas gostam de se MAQUILHAR." ou "Elas gostam de se MAQUILHAREM."?
Nos casos em análise, estamos perante o uso do infinitivo (flexionado/pessoal ou não flexionado/impessoal) em orações subordinadas infinitivas completivas, isto é, que servem de complemento a algum constituinte.

Em geral, costuma afirmar-se que o infinitivo pessoal ou flexionado deve ser utilizado quando na oração subordinada infinitiva há um sujeito diferente do sujeito da oração principal, mas esta indicação é apenas uma referência, pois em muitos casos trata-se de escolhas estilísticas, onde não há respostas peremptórias.

No primeiro caso ("Já tens idade para SER responsável. / Já tens idade para SERES responsável.") estamos perante uma completiva de nome, pois "para ser responsável" é complemento do substantivo "idade", sendo o sujeito de ambas as orações o mesmo ([tu]), embora não esteja expresso. Nesta construção, é possível encontrar quer o infinitivo não flexionado, quer o infinitivo flexionado (ex.: fizemos a promessa de voltar/voltarmos lá; estás com medo de estragar/estragares o trabalho feito).

No segundo caso ("Ele mandou-os FAZER o trabalho. / Ele mandou-os FAZEREM o trabalho.") estamos perante uma completiva que faz parte do complemento directo, pois "-os fazerem o trabalho" é complemento directo de "ele mandou". Nesta construção (ou em construções semelhantes), quando os sujeitos das duas orações são diferentes (ele / os) será mais frequente, e mais facilmente aceite pelos falantes, o infinitivo flexionado (ex.: via as crianças brincarem no parque; aconselhou os alunos a estudarem), mas o infinitivo não flexionado também é possível e aceite (ex.: via as crianças brincar no parque; aconselhou os alunos a estudar).

No terceiro caso ("Elas gostam de se MAQUILHAR. / Elas gostam de se MAQUILHAREM.") estamos perante uma completiva com função de complemento preposicionado. Nesta construção, e tendo os sujeitos das duas orações a mesma referência (elas gostam / [elas] maquilharem-se), parece ser mais frequente e mais aceite o uso do infinitivo não flexionado (ex.: obrigaram-se a respeitar o espaço um do outro; concordámos em falar sobre o assunto), mas o infinitivo flexionado também é possível (ex.: obrigaram-se a respeitarem o espaço um do outro; concordámos em falarmos sobre o assunto).

Sublinhe-se novamente que não se pode falar de regras categóricas relativamente a este tópico porque se trata de uma questão mais do campo da estilística do que do campo da gramática, tal como afirmam Celso Cunha e Lindley Cintra na sua Nova Gramática do Português Contemporâneo (14.ª ed., Edições Sá da Costa, Lisboa, 1998, p. 482): "O emprego das formas flexionada e não flexionada do infinitivo é uma das questões mais controvertidas da sintaxe portuguesa. Numerosas têm sido as regras propostas pelos gramáticos para orientar com precisão o uso selectivo das duas formas. Quase todas, porém, submetidas a um exame mais acurado, revelaram-se insuficientes ou irreais. Em verdade, os escritores das diversas fases da língua portuguesa nunca se pautaram, no caso, por exclusivas razões de ordem gramatical, mas viram-se sempre, no acto da escolha, influenciáveis por ponderáveis motivos de ordem estilística, tais como o ritmo da frase, a ênfase do enunciado, a clareza da expressão. Por tudo isso, parece-nos mais acertado falar não de regras, mas de tendências que se observam no emprego de uma e de outra forma do infinitivo.

pub

Palavra do dia

ver·di·ze·la |zé|ver·di·ze·la |zé|


(verde + -i- + -z- + -ela)
nome feminino

1. Vara flexível ou pau com que se arma a boiz ou outra armadilha para pássaros.

2. [Botânica]   [Botânica]  Planta herbácea (Convolvulus arvensis) da família das convolvuláceas, de folhas alternas oblongas e flores solitárias brancas ou rosadas. = CONVÓLVULO, CORRIOLA, VERDEZELHA

3. [Ornitologia]   [Ornitologia]  Ave pernalta (Vanellus vanellus) de arribação, da família dos caradriídeos, de dorso esverdeado, abdómen e peito brancos, manchas brancas faciais e penacho comprido. = ABIBE

nome masculino

4. [Regionalismo]   [Regionalismo]  Rapaz alto e magro ou fraco.

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/petrifica%C3%A7%C3%A3o [consultado em 25-05-2022]