Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

onça-vermelha

onça-vermelhaonça-vermelha | n. f.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

on·ça·-ver·me·lha |â| ou |ê|on·ça·-ver·me·lha |ê|


nome feminino

[Zoologia]   [Zoologia]  Mamífero quadrúpede carnívoro (Puma concolor) da família dos felídeos, semelhante ao tigre, mas de pêlo suave e aleonado, encontrado no continente americano. = ONÇA-PARDA, PUMA, SUÇUARANA

Plural: onças-vermelhas.Plural: onças-vermelhas.
pub

Parecidas

Esta palavra em blogues

Ver mais

-chave : xamanismo – poesia – perspectivismo ameríndio 1. O XAMANISMO EM PERSPECTIVA Parece que, para os índios Ianomami, no dia em que matarem o último xamã e a última onça -pintada, o céu cairá. Acredito piamente nisso. O céu já caiu uma vez. Vai cair pela segunda vez se os xamãs e as onças desaparecerem. Proponho

Em Baú de Fragmentos: Enchendo esse mundo de causos

, e de segunda a domingo, nos meses de julho a janeiro. Animais encontrados no Zoológico de Canindé Confira algumas espécies animais do Zoológico de São Francisco de Canindé: guaxinim, tatu peba, cobra do milho, jiboia, onça parda, onça pintada, leão, jabuti. Veado catingueiro, jaguatirica, marreco

Em Blog da Sagrada Família

- Sebastião Carlos Couveiro, Soldado 1701/63, Compª 534 Registo de parte da atividade operacional do Grupo “Os Relâmpagos”, nalguns casos atuando conjuntamente com outros grupos de Comandos, nas seguintes datas e lugares: 01.05.1964 a 07.05.1964 – Rio Quibala e Mata Sanga. Operação: “Boina Vermelha ”. 18

Em Alberto Helder

casos atuando conjuntamente com outros grupos de Comandos, nas seguintes datas e lugares: 01.05.1964 a 07.05.1964 – Rio Quibala e Mata Sanga. Operação: “Boina Vermelha ”. 19.05.1964 a 05.06.1964 – Nóqui, Cai e Matombe. Operação: “Caça e Busca”. 20.06.1964 a 23.06.1964 – Mata Quiximba. Operação: “Leopardo

Em Alberto Helder

plantas coloridas de núcleos urbanos. Consta também de uma carta naval da América do Sul com uma grande legenda em seu canto superior esquerdo. Nela se lê: “A terra do Brasil é a que parte a linha vermelha desta do Peru a qual linha é a demarcação que os reis de Castela, os católicos dom Fernando e dona

Em www.robertomoraes.com.br
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


A minha questão é sobre a palavra transgénico, relativamente à alteração genética de vegetais e plantas. Como se diz correctamente?
A dúvida parece recair sobre a pronúncia do -s- na primeira sílaba da palavra transgénico. Se as sílabas fossem lidas pausadamente, a sua transcrição corresponderia a trans [trãZ] - ['] - ni [ni] - co [ku], o que originaria uma repetição do som [Z] (este símbolo representa o som da letra j em já ou judo, mas é também o som correspondente à letra s quando esta precede uma consoante sonora, como o som [Z]): [trãZ'ZÈniku]. No entanto, como o nosso sistema articulatório tem dificuldade em pronunciar duas consoantes idênticas seguidas, elas são fundidas num só som: [trã'ZÈniku].




Por que o antropônimo Davi/David é grafado (pelo menos aqui no Brasil) sem a letra final d (por exemplo: nos textos bíblicos)? Será que nas demais línguas neolatinas isso também ocorre?
A grafia dos nomes próprios segue muitas vezes critérios um pouco diferentes da grafia dos nomes comuns. O Acordo Ortográfico de 1945 postula, por exemplo, que se mantenham sequências consonânticas estranhas à ortografia actual do português, como ph ou th, em formas de tradição bíblica, ou que as consoantes finais b, c, d, g e t se mantenham, quer sejam proferidas ou não, em nomes próprios como Jacob, Isaac, David ou Bensabat, cujo uso consagrou. Já o Formulário Ortográfico brasileiro postula que os nomes deverão ser sujeitos às mesmas regras dos nomes comuns, fazendo, no entanto, a ressalva de que quem quiser poderá manter a forma consuetudinária do seu nome. O Acordo Ortográfico de 1990, que susbtitui os textos legais anteriores, postula no ponto 5.º da Base I que nada impede que nomes como David sejam escritos sem a consoante final.

O antropónimo David deriva da palavra hebraica dawid, que significa “querido” ou “amado”, através do grego Dauíd e do latim David (cf. MACHADO, José Pedro, Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa, Lisboa, Livros Horizonte, 2003, p. 492). A forma Davi é uma variante de David por adaptação gráfica à pronúncia, pois o d final é frequentemente não pronunciado. As duas formas coexistem, como poderá verificar realizando uma pesquisa num motor de busca da Internet, apesar de a forma com o d final ser a mais frequente. Em línguas como o francês, o espanhol ou o inglês, a forma David é a mais comum, apesar de haver outras, como o italiano, que acrescentam um e final (Davide) para a adequar ao seu sistema ortográfico. Esta última forma, com o e final, é ainda possível no português (em Portugal, a Direcção Geral dos Registos e Notariados inclui-a na sua lista de nomes próprios autorizados) e mais consentânea do que a forma David com as regras ortográficas da língua portuguesa, pois, exceptuando alguns nomes próprios e estrangeirismos, não existem palavras terminadas em d.

pub

Palavra do dia

qui·cha·ça qui·cha·ça


(alteração de cachaça)
nome feminino

[Brasil, Informal]   [Brasil, Informal]  Acto ou estado de quem repete ou mantém uma afirmação, uma acção ou um comportamento, sem desistir ou aceitar recusa. = CASMURRICE, OBSTINAÇÃO, TEIMA, TEIMOSIA

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/on%C3%A7a-vermelha [consultado em 20-05-2022]