Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

dissecação

dissecaçãodissecação | n. f.
derivação fem. sing. de dissecardissecar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

dis·se·ca·ção dis·se·ca·ção


(dissecar + -ção)
nome feminino

1. Acto ou efeito de dissecar.

2. Separação metódica dos órgãos ou dos tecidos de um cadáver, animal morto ou vegetal; autópsia.

3. [Figurado]   [Figurado]  Exame minucioso. = ANÁLISE

Confrontar: dessecação.

dis·se·car dis·se·car

- ConjugarConjugar

(latim disseco, -are, dividir ao meio, cortar em pedaços)
verbo transitivo

1. Proceder à dissecação de.

2. Cortar, dividir em partes (um corpo morto), para estudo.

3. [Figurado]   [Figurado]  Examinar minuciosamente. = ANALISAR

Confrontar: dessecar.
pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "dissecação" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Anagramas

Esta palavra em blogues

Ver mais

tudo ou quase varrido para debaixo do tapete, salvo exíguas exceções na dissecação do jogo jogado, porque os enredos privilegiados são os poluentes, das leituras torcidas ou...

Em O INDEFECTÍVEL

“Os intestinos são tão complexos, com tantas camadas sobrepostas, que a dissecação destrói o contexto e a conectividade do tecido”, explica o coautor do estudo Adam

Em VISEU, terra de Viriato.

, aprendeu a retalhar a gordura da baleia, estudou anatomia e cirurgia observando dissecação de cadáveres e ainda visitou museus e galerias de arte..

Em Geopedrados

Ao contrário do que se esperava, todas as partes sobreviveram à dissecação por conta própria e todos os órgãos foram regenerados em cada uma das três...

Em VISEU, terra de Viriato.

, a violência masculina ligada à tensão homoerótica , as práticas de dissecação forense, a atracção pela representação do corpo (um especial fascínio pelos fluidos naturais ,...

Em Geopedrados
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


É com espanto que vejo que na conjugação do verbo haver aparecer a forma houveram. Sempre aprendi que a 3.ª pessoa do plural do pretérito perfeito não existe. Podem-me explicar se é moda nova?!
A flexão do verbo haver varia consoante o seu emprego. Assim, quando este é empregue como verbo principal, com os sentidos de “existir” (em 1.a), de "ter decorrido" (em 2.a) e de “acontecer” (em 3.a), ele é impessoal, i.e., utiliza-se apenas na 3.ª pessoa do singular. Daí a má formação das frases 1.b), 2.b) e 3.b), assinaladas com asterisco (*):

1. a) Houve muitos deputados investigados.
b) * Houveram muitos deputados investigados.

2. a) Havia duas horas que estava à espera.
b) * Haviam duas horas que estava à espera.

3. a) Na semana passada houve muitos acidentes.
b) * Na semana passada houveram muitos acidentes.

Quando é empregue como verbo principal com outros sentidos que não os de "existir", "ter decorrido" ou "acontecer", é flexionado em todas as pessoas:

4. a) Os organizadores do colóquio houveram por bem encomendar uma sondagem. [achar, considerar]
b) E que bem se houveram os portugueses no confronto! [avir-se]

O verbo haver emprega-se ainda como auxiliar em tempos compostos, sendo também flexionado em todas as pessoas:

5. As encomendas haviam sido entregues.

Como se pode ver pelas frases 4-5, a 3.ª pessoa do plural do pretérito perfeito do verbo haver existe, pelo que o conjugador deve incluí-la, não podendo é ser utilizada nos casos em que o verbo é impessoal.




Em expressões como não análise, não excedente, não conhecimento, não aceitação, não provimento, etc., quando deve ser utilizado, ou não, o hífen?
A utilização do hífen em casos semelhantes aos apresentados é possível e até muito usual.

A palavra não, por se tratar de um advérbio, é uma palavra invariável usada geralmente para modificar um verbo (ex.: não comi), um adjectivo (ex.: pessoa não competente), outro advérbio (ex.: agindo não eficazmente) ou uma frase (ex.: não podemos deixar-nos adormecer) mas em geral não modifica substantivos. Por este motivo, é comum ligar este advérbio por hífen a um substantivo que se lhe segue, mas tal procedimento não é obrigatório, nem é regulado por qualquer indicação nos textos legais em vigor para a língua portuguesa.

O que é dito sobre o hífen no Acordo Ortográfico de 1945 (válido para o português europeu, mas muito semelhante ao que é dito no Formulário Ortográfico de 1943, válido para o português do Brasil) é bastante vago e nada esclarecedor sobre este assunto: “Emprega-se o hífen nos compostos em que entram, foneticamente distintos (e, portanto, com acentos gráficos, se os têm à parte), dois ou mais substantivos, ligados ou não por preposição ou outro elemento, um substantivo e um adjectivo, um adjectivo e um substantivo, dois adjectivos ou um adjectivo e um substantivo com valor adjectivo, uma forma verbal e um substantivo, duas formas verbais, ou ainda outras combinações de palavras, e em que o conjunto dos elementos, mantida a noção da composição, forma um sentido único ou uma aderência de sentidos.” (Base XXVIII [sublinhado nosso]).

O Acordo Ortográfico de 1990 não altera nada a este respeito.

O uso do hífen coloca então muitas dúvidas aos utilizadores da língua, pois não obedece geralmente a critérios lógicos, mas antes a convenções e muitas vezes é justificado devido à tradição de registo em dicionários de língua que funcionam como referência. Neste âmbito, surgem em muitos dicionários entradas com o elemento não- seguido de adjectivos, substantivos e verbos, mas como, em teoria, qualquer palavra de uma destas classes poderia ser modificada pelo advérbio não, o registo de todas as formas possíveis seria impraticável e de muito pouca utilidade para o consulente.

Em conclusão, podemos afirmar que o uso do hífen é possível para ligar o advérbio não a um substantivo; o uso do hífen para ligar o advérbio não a classes que são habitualmente modificadas por advérbios (verbos, adjectivos, advérbios) parece ser desnecessário, dadas as características da classe adverbial, mas nada o impede.

pub

Palavra do dia

ro·ti·ná·ri·o ro·ti·ná·ri·o


(rotina + -ário)
adjectivo
adjetivo

Que segue a rotina ou é relativo a rotina (ex.: procedimento rotinário; tarefas rotinárias). = ROTINEIRO

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/disseca%C3%A7%C3%A3o [consultado em 21-10-2021]