PT
BR
Pesquisar
Definições



corrimento

A forma corrimentopode ser [derivação masculino singular de corrercorrer] ou [nome masculino].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
corrimentocorrimento
( cor·ri·men·to

cor·ri·men·to

)


nome masculino

1. [Medicina] [Medicina] Afluência de humor (a determinada parte).

2. Vexame, corrimaça.

etimologiaOrigem etimológica:correr + -imento.
corrercorrer
|ê| |ê|
( cor·rer

cor·rer

)
Conjugação:regular.
Particípio:regular.


verbo intransitivo

1. Ir com velocidade (diz-se de pessoas, animais e coisas).

2. Sair em corrente.

3. Passar, ir passando.

4. Efectuar-se; realizar-se.

5. Estender-se.

6. Ter curso.

7. Procurar com empenho.

8. Fluir, derramar-se.

9. Divulgar-se, propalar-se.

10. [Direito] [Direito] Estar afecto.


verbo transitivo

11. Percorrer.

12. Fazer passar ligeiramente.

13. Fazer deslizar.

14. Estar arriscado a.

15. Expulsar.

16. [Portugal] [Portugal] [Informática] [Informática] Processar comandos de um programa ou operações de um algoritmo (ex.: correr rotinas; correr uma aplicação). [Equivalente no português do Brasil: rodar.] = EXECUTAR

17. [Portugal: Açores] [Portugal: Açores] Utilizar um ferro de engomar para alisar a roupa (ex.: correr a roupa). = ENGOMAR, PASSAR


verbo pronominal

18. Circular; espalhar-se; envergonhar-se; dizer-se.


nome masculino

19. Acto de correr.

20. Acto de passar (ex.: o correr dos anos é implacável).

21. Renque, série.


a correr

Muito depressa.

correr a

Apressar-se a.

correr com

Expulsar.

etimologiaOrigem etimológica:latim curro, -ere.


Dúvidas linguísticas


Gostaria que me explicassem se a palavra secados (plural de secado) existe. Se a resposta for sim, porque não a encontro em nenhum dicionário?
O verbo secar tem duplo particípio passado: secado e seco. Nos verbos em que este fenómeno acontece, o particípio regular (ex.: secado) é geralmente usado com os auxiliares ter e haver para formar tempos compostos (ex.: a roupa já tinha secado; havia secado a loiça com um pano) e as formas do particípio irregular (ex.: seco, seca, secos, secas) são usadas maioritariamente com os auxiliares ser e estar para formar a voz passiva (ex.: a loiça foi seca com um pano; a roupa estava seca pelo vento) e assumem mais facilmente o papel adjectival (ex.: este bolo ficou demasiado seco). Por este motivo, é usual não haver flexão do particípio regular, pois este não é geralmente usado como adjectivo, não flexionando em género, número ou grau (ex.: *secada, *secados, *secadas; *muito secado; o asterisco indica agramaticalidade).

Estas considerações, tomadas da gramática tradicional, têm no entanto muitas excepções, o que evidencia a problemática da questão e a ausência de respostas peremptórias para certas questões linguísticas. A título de exemplo, podemos referir que há verbos cujo particípio abundante não é consensual (com resoluto e resolvido, por exemplo, não é claro se o primeiro é particípio irregular de resolver ou adjectivo cognato; relativamente ao verbo ganhar não é unânime a existência do particípio ganhado a par de ganho); há verbos cujo particípio regular, ao contrário de secado, também tem uso adjectival (ex.: confundido, empregado); há até indicações de alguns gramáticos para diferenças de utilização dos dois particípios baseadas em critérios semânticos e não sintácticos (por exemplo, Cunha e Cintra, na Nova Gramática do Português Contemporâneo [Lisboa: Ed. João Sá da Costa, 1998, p. 442], sugerem que o verbo imprimir só tem duplo particípio quando significa ‘estampar, gravar’, com o exemplo Este livro foi impresso em Portugal, e não quando significa ‘imprimir movimento’, com o exemplo Foi imprimida enorme velocidade ao carro).




Qual a origem do termo feira, usado para nomear os dias da semana?
A palavra feira, assim como a palavra féria(s), deriva do latim feria, ae, que queria dizer "dia de festa" ou "dia de descanso". Em latim vulgar passou a designar também "mercado" ou "dia de comércio", pois os dias de festa eram dias de grande comércio. Desta forma, os nomes dos dias úteis da semana parecem ter seguido, em português, a ordem dos dias de comércio a seguir ao domingo (em latim dies dominicus, o "dia do senhor"), sendo segunda-feira o segundo dia de festa ou de mercado e assim sucessivamente até ao sábado.