PT
BR
Pesquisar
Definições



cobras

A forma cobraspode ser [feminino plural de cobracobra] ou [segunda pessoa singular do presente do indicativo de cobrarcobrar].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
cobra1cobra1
( co·bra

co·bra

)
Imagem

ZoologiaZoologia

Designação dada a várias espécies de répteis ofídios rastejantes, corpo cilíndrico e alongado, com escamas.


nome feminino

1. [Zoologia] [Zoologia] Designação dada a várias espécies de répteis ofídios rastejantes, corpo cilíndrico e alongado, com escamas.Imagem

2. Objecto com forma semelhante à da cobra.

3. [Figurado] [Figurado] Pessoa má. = CASCAVEL, VÍBORA

4. [Regionalismo] [Regionalismo] Corda com que as reses andam presas na debulha.

5. [Portugal, Informal] [Portugal, Informal] Falta de força ou de energia. = CANSAÇO, LASSIDÃO, MOLEZA, QUEBREIRA

6. [Portugal, Informal] [Portugal, Informal] Estado de pessoa embriagada. = BEBEDEIRA, EMBRIAGUEZ

7. [Portugal: Alentejo] [Portugal: Alentejo] [Jogos] [Jogos] Espécie de jogo infantil.

8. [Brasil] [Brasil] [Etnografia] [Etnografia] Personagem do bumba-meu-boi.


adjectivo de dois géneros e nome de dois génerosadjetivo de dois géneros e nome de dois géneros

9. [Brasil, Informal] [Brasil, Informal] Que ou quem é muito sabedor em relação a um assunto ou tem excelente desempenho em determinada área. = FERA


cobra criada

Pessoa muito experiente. = CONHECEDOR, ENTENDIDO, EXPERIENTEAPRENDIZ, NOVATO, PRINCIPIANTE

comer cobra

[Brasil] [Brasil] Ficar furioso.

dizer cobras e lagartos de

[Informal] [Informal] Falar mal de (ex.: deixou o emprego dizendo cobras e lagartos do patrão).

ver cobra

Ficar espantado.

etimologiaOrigem etimológica:latim colubra, -ae ou coluber, -bri.
Confrontar: sobra.
cobra2cobra2
( co·bra

co·bra

)


nome feminino

1. [Literatura] [Literatura] Estrofe, geralmente quadra ou sextilha, usada em composições de poesia trovadoresca, de assunto ligeiro, destinadas ao canto.

2. [Literatura] [Literatura] Pequena composição poética em que se usa essa estrofe. (Mais usado no plural.)

sinonimo ou antonimoSinónimoSinônimo geral: COPLA, COPRA

etimologiaOrigem etimológica:latim copula, -ae, laço, cadeia, correia, união, casamento, encadeamento.
cobrarcobrar
( co·brar

co·brar

)
Conjugação:regular.
Particípio:regular.


verbo transitivo

1. Proceder à cobrança de; pedir ou exigir um pagamento do que é devido (ex.: cobrar uma dívida).

2. Exigir algo em troca ou como resultado de promessa ou compromisso (ex.: cobrar um favor).

3. Passar a ter novamente algo que se perdeu. = READQUIRIR, RECOBRAR, REAVER, RECUPERAR

4. Recuperar forças ou faculdades.

5. Alcançar.

6. [Desporto] [Esporte] Executar a punição por uma falta ou infracção de que beneficiou uma equipa (ex.: cobrar um penálti).


verbo pronominal

7. Retomar ânimo, alento ou sangue-frio. = RECOBRAR-SE, RESTABELECER-SE

etimologiaOrigem etimológica:redução de recobrar.
Confrontar: sobrar.

Auxiliares de tradução

Traduzir "cobras" para: Espanhol Francês Inglês


Dúvidas linguísticas



Na frase "...o nariz afilado do Sabino. (...) Fareja, fareja, hesita..." (Miguel Torga - conto "Fronteira") em que Sabino é um homem e não um animal, deve considerar-se que figura de estilo? Não é personificação, será animismo? No mesmo conto encontrei a expressão "em seco e peco". O que quer dizer?
Relativamente à primeira dúvida, se retomarmos o contexto dos extractos que refere do conto “Fronteira” (Miguel Torga, Novos Contos da Montanha, 7ª ed., Coimbra: ed. de autor, s. d., pp. 25-36), verificamos que é o próprio Sabino que fareja. Estamos assim perante uma animalização, isto é, perante a atribuição de um verbo usualmente associado a um sujeito animal (farejar) a uma pessoa (Sabino). Este recurso é muito utilizado por Miguel Torga neste conto para transmitir o instinto de sobrevivência, quase animal, comum às gentes de Fronteira, maioritariamente contrabandistas, como se pode ver por outras instâncias de animalização: “vão deslizando da toca” (op. cit., p. 25), “E aquelas casas na extrema pureza de uma toca humana” (op. cit., p. 29), “a sua ladradela de mastim zeloso” (op. cit., p. 30), “instinto de castro-laboreiro” (op. cit., p. 31), “o seu ouvido de cão da noite” (op. cit., p. 33).

Quanto à segunda dúvida, mais uma vez é preciso retomar o contexto: “Já com Isabel fechada na pobreza da tarimba, esperou ainda o milagre de a sua obstinação acabar em tecidos, em seco e peco contrabando posto a nu” (op. cit. p.35). Trata-se de uma coocorrência privilegiada, resultante de um jogo estilístico fonético (a par do que acontece com velho e relho), que corresponde a uma dupla adjectivação pré-nominal, em que o adjectivo seco e o adjectivo peco qualificam o substantivo contrabando, como se verifica pela seguinte inversão: em contrabando seco e peco posto a nu. O que se pretende dizer é que o contrabando, composto de tecidos, seria murcho e enfezado.




Gostaria de saber a origem da palavra hospital. De onde foi formada?
A palavra hospital deriva do adjectivo latino hospitalis, -e (“que é relativo a hóspede”), usado nas locuções hospitale domus ou hospitale cubiculum (“casa de hóspedes”). A mesma palavra latina deu origem ao francês hôtel, de onde deriva a palavra portuguesa hotel.