PT
BR
Pesquisar
Definições



cibernético

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
cibernéticocibernético
( ci·ber·né·ti·co

ci·ber·né·ti·co

)


adjectivoadjetivo

1. Relativo a cibernética.

2. Relativo ao ciberespaço ou à Internet.

etimologiaOrigem etimológica:grego kubernetikós, -ê, -ón, próprio de piloto, capaz de pilotar.


Dúvidas linguísticas



Pretendo saber como se lê a palavra ridículo. Há quem diga que se lê da forma que se escreve e há quem diga que se lê redículo. Assim como as palavras ministro e vizinho, onde também tenho a mesma dúvida.
A dissimilação, fenómeno fonético que torna diferentes dois ou mais segmentos fonéticos iguais ou semelhantes, é muito frequente em português europeu.

O caso da pronúncia do primeiro i não como o habitual [i] mas como [i] (idêntico à pronúncia de se ou de) na palavra ridículo é apenas um exemplo de dissimilação entre dois sons [i].

O mesmo fenómeno pode acontecer nos casos de civil, esquisito, feminino, Filipe, imbecilidade, medicina, militar, milímetro, ministro, príncipe, sacrifício, santificado, Virgílio, visita, vizinho (o segmento destacado é o que pode sofrer dissimilação), onde se pode verificar que a modificação nunca ocorre na vogal da sílaba tónica ou com acento secundário, mas nas vogais de sílabas átonas que sofrem enfraquecimento.

A este respeito, convém referir que alguns dicionários de língua portuguesa, como o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências de Lisboa (Verbo, 2001) ou o Grande Dicionário Língua Portuguesa (Porto Editora, 2004), apresentam transcrição fonética das palavras. Podemos verificar que nestas obras de referência, a transcrição não é uniforme. No dicionário da Academia das Ciências, estas palavras são transcritas de forma quase sistemática sem dissimilação, mas a palavra príncipe é transcrita como prínc[i]pe. No dicionário da Porto editora, algumas destas palavras são transcritas com e sem dissimilação, por esta ordem, como em feminino, medicina, militar, ministro ou vizinho, mas a palavra esquisito é transcrita com a forma sem dissimilação em primeiro lugar, enquanto as palavras civil, príncipe, sacrifício e visita são transcritas apenas sem dissimilação.

Em conclusão, nestes contextos, é possível encontrar no português europeu as duas pronúncias, com e sem dissimilação, sendo que em alguns casos parece mais rara e noutros não. A pronúncia destas e de outras palavras não obedece a critérios de correcção, pois não se trata de uma pronúncia correcta ou incorrecta, mas de variações de pronúncia relacionadas com o dialecto ou o sociolecto do falante. Assim, nos exemplos acima apresentados é igualmente correcta a pronúncia dos segmentos assinalados como [i] ou [i].




Venho por este meio pedir-lhe que me esclareça se faz favor, a dúvida seguinte. Qual a frase correcta e porquê (penso que seja a segunda mas ouço muita gente utilizar a primeira): a) Eles hadem ver o que sou capaz de fazer. ou b) Eles hão-de-ver o que sou capaz de fazer.
A construção hão-de ver corresponde a uma forma do verbo haver (usado como auxiliar para exprimir o futuro), seguida da preposição de (à qual se liga por hífen, no português europeu, por se tratar de uma forma monossilábica do verbo haver, o que acontece também com hei-de, hás-de e há-de) e do verbo ver, considerado o verbo principal da locução verbal. Por este motivo, a frase correcta é Eles hão-de ver o que sou capaz de fazer, pois não existe nenhuma forma do verbo haver que corresponda a *hadem (o asterisco assinala erro ou agramaticalidade).

Este erro é muito frequente, sobretudo na oralidade, por os falantes não terem consciência das fronteiras de palavra nem da categoria das palavras constantes em certas locuções. Assim, ao ouvir uma forma como Ele há-de ver, e sem a preocupação de decompor a locução nos seus elementos constituintes, o falante que comete este erro considera há-de como uma única palavra e atribui-lhe a categoria de verbo. Quando tem de flexionar, este falante fá-lo como se se tratasse de um verbo regular da segunda conjugação (*hader, como comer, por exemplo), isto é, ao considerar *hade como terceira pessoa do singular (se compararmos com um verbo regular seria o correspondente a come), vai conjugar na terceira pessoa do plural como *hadem (como se fosse comem). Este raciocínio será análogo para uma forma como Tu *hades ver, em que a forma *hades corresponderia a uma hipotética segunda pessoa do singular (como se fosse comes).

A Base XVII do Acordo Ortográfico de 1990 prevê a eliminação do hífen nas formas monossilábicas do verbo haver seguidas da preposição de, pelo que a frase correcta será Eles hão de ver o que sou capaz de fazer.

No português do Brasil, quer antes quer depois do Acordo de 1990, a forma correcta é "hão de", sem hífen.