PT
BR
Pesquisar
Definições



castelo

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
castelocastelo
|é| |é|
( cas·te·lo

cas·te·lo

)
Imagem

Fortaleza.


nome masculino

1. Solar senhoril fortificado.

2. Fortaleza.Imagem

3. [Náutica] [Náutica] Estrutura elevada no convés (ex.: castelo de popa; castelo de proa).

4. [Figurado] [Figurado] Acumulação, cúmulo.

5. Peça de uma torneira com uma roda dentada onde encaixa o manípulo.

castelos


nome masculino plural

6. [Jogos] [Jogos] Jogo popular.


castelo de areia

Coisa, ideia ou projecto irrealista ou que não tem solidez.

castelo de cartas

Coisa, ideia ou estrutura que não tem solidez e pode ruir a qualquer momento.

castelo de popa

[Náutica] [Náutica]  O mesmo que tombadilho.

castelo de vento

O mesmo que castelo de areia.

castelo no ar

O mesmo que castelo de areia.

em castelo

[Portugal] [Portugal] [Culinária] [Culinária]  Com consistência espumosa (ex.: reserve as gemas e bata em castelo as claras).

etimologiaOrigem etimológica:latim castellum, -i.

Auxiliares de tradução

Traduzir "castelo" para: Espanhol Francês Inglês


Dúvidas linguísticas



Na frase "...o nariz afilado do Sabino. (...) Fareja, fareja, hesita..." (Miguel Torga - conto "Fronteira") em que Sabino é um homem e não um animal, deve considerar-se que figura de estilo? Não é personificação, será animismo? No mesmo conto encontrei a expressão "em seco e peco". O que quer dizer?
Relativamente à primeira dúvida, se retomarmos o contexto dos extractos que refere do conto “Fronteira” (Miguel Torga, Novos Contos da Montanha, 7ª ed., Coimbra: ed. de autor, s. d., pp. 25-36), verificamos que é o próprio Sabino que fareja. Estamos assim perante uma animalização, isto é, perante a atribuição de um verbo usualmente associado a um sujeito animal (farejar) a uma pessoa (Sabino). Este recurso é muito utilizado por Miguel Torga neste conto para transmitir o instinto de sobrevivência, quase animal, comum às gentes de Fronteira, maioritariamente contrabandistas, como se pode ver por outras instâncias de animalização: “vão deslizando da toca” (op. cit., p. 25), “E aquelas casas na extrema pureza de uma toca humana” (op. cit., p. 29), “a sua ladradela de mastim zeloso” (op. cit., p. 30), “instinto de castro-laboreiro” (op. cit., p. 31), “o seu ouvido de cão da noite” (op. cit., p. 33).

Quanto à segunda dúvida, mais uma vez é preciso retomar o contexto: “Já com Isabel fechada na pobreza da tarimba, esperou ainda o milagre de a sua obstinação acabar em tecidos, em seco e peco contrabando posto a nu” (op. cit. p.35). Trata-se de uma coocorrência privilegiada, resultante de um jogo estilístico fonético (a par do que acontece com velho e relho), que corresponde a uma dupla adjectivação pré-nominal, em que o adjectivo seco e o adjectivo peco qualificam o substantivo contrabando, como se verifica pela seguinte inversão: em contrabando seco e peco posto a nu. O que se pretende dizer é que o contrabando, composto de tecidos, seria murcho e enfezado.




Tenho uma dúvida acerca de uma conjugação perifrástica. Para exprimir a necessidade ou obrigatoriedade de praticar uma acção utiliza-se ter que ou ter de? Ou estão ambos correctos?
Em termos semânticos, as duas construções são usadas para designar a necessidade ou obrigatoriedade (e estão registadas em dicionários, nomeadamente no Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências/Verbo, na edição portuguesa do Dicionário Houaiss, do Círculo de Leitores ou no Dicionário Aurélio, da Ed. Nova Fronteira). No entanto, a construção ter que é considerada por vezes como uma construção menos indicada, talvez por ser mais recente na língua.