PT
BR
Pesquisar
Definições





Dúvidas linguísticas


É correto dizer "sói acontece"? Ou seria "sói acontecer"?
O verbo soer, sinónimo de costumar ou ser frequente, é actualmente de uso raro na língua, conjugando-se principalmente nas terceiras pessoas do presente (sói, soem) e do pretérito imperfeito (soía, soíam) do indicativo.

Pesquisas em corpora e em motores de busca revelam uma frequência mais elevada deste verbo nos séculos XV e XVI, nomeadamente em obras de autores como Fernão Lopes, Garcia de Resende, Bernardim Ribeiro, João de Barros ou Luís de Camões, ocorrendo em construções transitivas, sobretudo com orações infinitivas (ex.: que reis e duques soíam temer), e intransitivas (ex.: e ali folgou o rei mais do que soía; que os navios fossem e voltassem como soíam).

Presentemente, o emprego do verbo soer é essencialmente erudito, recaindo maioritariamente em construções com orações infinitivas como complemento directo (ex.: um filme alternativo, como sói dizer-se; a figura do professor, que soía ser uma referência, tem vindo a esbater-se) ou como sujeito (ex.: soía fazer frio no Inverno, mas agora nem as aves migram).




Qual é o diminutivo da palavra foto? Esse diminutivo é masculino ou feminino?
A adjunção de sufixos diminutivos não altera as propriedades morfossintácticas do derivante, que são herdadas pelo derivado. Assim, por exemplo, os sufixos -inho e -zinho alteram apenas a informação semântica (o juízo de valor que se faz sobre a forma de base a que se juntam), mantendo a mesma categoria sintáctica e o mesmo género do derivante: quando se associam a um adjectivo geram um adjectivo (moderno/a - moderninho/a - modernozinho/a), quando se associam a um nome geram um nome (papel - papelinho - papelzinho) e quando se associam a um advérbio geram um advérbio (devagar - devagarinho - devagarzinho).

Tradicionalmente, os sufixos -inho e -zinho são considerados o mesmo, sendo a consoante -z- encarada como um elemento de ligação, pelo que a forma -zinho é tida como uma variante de -inho. No entanto, o seu emprego é distinto, já que se associam a diferentes formas de base, o que faz deles mais do que meras variantes. O sufixo -inho associa-se a radicais, mantendo sempre a vogal da forma de base no caso de palavras de tema em -a ou -o (ex.: um livro - um livrinho; uma caneta - uma canetinha; um pijama - um pijaminha; uma tribo - uma tribinho) e, no caso de palavras de tema em -e ou de tema nulo, substituindo a vogal da forma de base por -a e por -o, consoante os valores de feminino e masculino, respectivamente, da palavra de base (ex.: um sabonete - um sabonetinho; uma semente - uma sementinha; um anel - um anelinho; uma espiral - uma espiralinha). O sufixo -zinho associa-se a palavras (e não a radicais), mantendo a vogal temática de acordo com o género da palavra de base (ex.: um livro - um livrozinho; uma caneta - uma canetazinha; um pijama - um pijamazinho; uma tribo - uma tribozinha; um sabonete - um sabonetezinho; uma semente - uma sementezinha; um anel - um anelzinho; uma espiral - uma espiralzinha). O mesmo é válido para os sufixos -ito e -zito.

Posto isto, o substantivo feminino foto (redução de fotografia) pode apresentar vários diminutivos, consoante os sufixos usados, sendo todos femininos: uma foto - uma fotinho, uma fotozinha, uma fotito, uma fotozita. Não há muitos substantivos femininos terminados em -o (para além de foto e tribo, a lista inclui expo, imago, libido, moto, virago e pouco mais) e o seu uso no grau diminutivo não é dos mais frequentes, o que justifica as hesitações e, por vezes, as incorrecções de alguns falantes.