Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub
bolcarbolcar | v. tr.
bolçarbolçar | v. tr.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

bol·car bol·car
verbo transitivo

[Portugal: Beira, Trás-os-Montes]   [Portugal: Beira, Trás-os-Montes]  Fazer cair, volteando.

Confrontar: bolçar.

bol·çar bol·çar - ConjugarConjugar
(latim medieval vomitiare, do latim vomo, -ere, vomitar)
verbo transitivo

1. Deitar fora pela boca o que foi engolido ou deglutido. = LANÇAR, REGURGITAR, VOMITAR

2. [Figurado]   [Figurado]  Insultar.


SinónimoSinônimo Geral: ABOLÇAR

Confrontar: bolcar, bolsar.
pub

Parecidas

Palavras vizinhas

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


Qual é o correto: hoje é dia 16 ou hoje são 16?
As duas formas (hoje é dia 16/hoje são 16) estão correctas, pois o verbo ser está a concordar com o predicativo do sujeito no singular (dia 16) ou no plural (16).

O que poderia colocar dúvidas de correcção seria hoje é 16, pois nesse caso não haveria concordância com o predicativo do sujeito. Este caso pode ser interpretado de duas maneiras:

1) Trata-se de uma construção impessoal, isto é, sem sujeito, porque a palavra hoje seria apenas um adjunto adverbial e por isso o verbo, não podendo concordar com o sujeito, deve concordar com o predicativo do sujeito (hoje são 16). Outro exemplo muito semelhante é o das horas (ex.: São 16 horas, ou, se quiséssemos encontrar um adjunto adverbial semelhante, Agora são 16 horas). De acordo com esta interpretação, a construção hoje é 16 estaria incorrecta; no entanto, esta construção é muitas vezes aceite por se entender que a palavra dia está subentendida (hoje é [dia] 16).
2) Trata-se de uma construção em que hoje é sujeito, à semelhança de uma construção como A próxima sexta-feira é dia 16 ou As próximas sextas-feiras serão dia 16 e dia 23. Neste caso, se se entendesse que hoje é sujeito, o verbo poderia concordar com o sujeito ou com o predicativo do sujeito, isto é, as construções Hoje é 16 ou Hoje são 16 estariam correctas.




Como se escreve e porquê: compraste ou compras-te? comoveste ou comoves-te?
A questão que nos coloca diz respeito à diferença entre 1) a forma da segunda pessoa do singular do pretérito perfeito simples do indicativo (ex.: Tu compraste muitas prendas ontem; Comoveste a senhora com a tua história) e 2) a forma da segunda pessoa do singular do presente do indicativo, seguida do pronome pessoal átono reflexo te (ex.: Tu compras-te sempre tantas prendas?; Comoves-te facilmente com qualquer filme).

Os exemplos acima indicados (compraste/compras-te e comoveste/comoves-te) são formas parónimas, isto é, escrevem-se e pronunciam-se de forma semelhante (mas não igual), tendo, porém, significados diferentes.

Uma estratégia importante para empregar correctamente estas formas diferentes é analisar o contexto em que estão inseridas. Vejamos então os contextos do indicativo de 1) e do pronome pessoal de 2):

1) O pretérito perfeito simples do indicativo é um tempo verbal usado para expor uma acção, um processo ou um estado num tempo passado acabado. Trata-se sempre, nestes casos, de uma palavra só, pois corresponde apenas a uma forma verbal (ex.: tu compraste [alguma coisa]; tu comoveste [alguém]). Do ponto de vista da pronúncia, estas formas verbais têm sempre o acento tónico da palavra na penúltima sílaba (ex.: compraste, comoveste). A construção de uma frase negativa não altera a grafia desta forma (ex.: Tu nunca compraste o jornal; tu não comoveste a audiência).

2) A forma da segunda pessoa do singular do presente do indicativo seguida do pronome pessoal reflexo te corresponde sempre a duas palavras, um verbo no presente do indicativo e um pronome pessoal da segunda pessoa, que indica que a acção recai sobre o sujeito (ex.: tu compras-te [para ti próprio] muitas prendas; tu comoves-te [a ti próprio]). Do ponto de vista da pronúncia, a forma verbal tem sempre o acento tónico na penúltima sílaba (ex.: compras, comoves), mas como há um pronome pessoal átono a seguir, é como se a construção verbo+pronome fosse uma palavra só, acentuada sempre na antepenúltima sílaba (ex.: compras-te, comoves-te). A construção de uma frase negativa altera a grafia desta forma, pois o advérbio de negação atrai o pronome para posição pré-verbal (ex.: Tu não te compras muitas prendas; tu nunca te comoves).

pub

Palavra do dia

ja·ne·a·nes ja·ne·a·nes
(talvez de João Anes, antropónimo)
substantivo de dois géneros e de dois números

1. [Antigo]   [Antigo]  Pessoa que se considera ter pouca importância. = BIGORRILHAS, JAGODES, JOÃO-NINGUÉM, ZÉ-NINGUÉM

adjectivo de dois géneros e dois números e substantivo feminino de dois números
adjetivo de dois géneros e dois números e substantivo feminino de dois números

2. [Viticultura]   [Viticultura]  Diz-se de ou casta de uva. = SEM-NOME

pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://dicionario.priberam.org/bol%C3%A7ar [consultado em 19-09-2018]