Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub

Reais

masc. e fem. pl. de realreal
masc. pl. de realreal
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

re·al re·al 2


(latim medieval realis, -e, de res, rei, coisa)
adjectivo de dois géneros
adjetivo de dois géneros

1. Que existe de facto. = EFECTIVO, VERDADEIROIMAGINÁRIO, IRREAL

2. Que tem existência física, palpável. = CONCRETOABSTRACTO

3. Que é relativo a factos ou acontecimentos. = FACTUAL

4. Que contém a verdade. = GENUÍNO, VERDADEIROARTIFICIAL, FALSO, ILUSÓRIO

5. [Direito]   [Direito]  Relativo a bens ou coisas e não a pessoas. = MATERIAL

6. [Economia]   [Economia]  Que não corresponde a um valor definido e tem em conta, por exemplo, o poder de compra e a inflação (ex.: salário real).NOMINAL

nome masculino

7. Aquilo que é real. = REALIDADE


cair na real
Compreender que a realidade ou algo não corresponde ao que se tinha idealizado (ex.: queria comprar um carro, mas caiu na real quando viu o preço).

Plural: reais.Plural: reais.
Confrontar: rial.

re·al re·al 1


(latim regalis, -e)
adjectivo de dois géneros
adjetivo de dois géneros

1. Do rei ou a ele relativo. = RÉGIO

2. Próprio de rei ou da realeza. = REALENGO, RÉGIOPLEBEU

3. Que está sob a alçada do rei ou da rainha (ex.: real academia).

4. Digno de um rei, pelo fausto ou pela dimensão. = MAGNIFICENTE, MAGNÍFICO, SUMPTUOSORELES

5. Diz-se de certas espécies de animais, notáveis pela sua beleza ou grandeza.

nome masculino

6. [Economia]   [Economia]  Unidade monetária do Brasil (código: BRL), divisível em centavos.

7. [Economia]   [Economia]  Antiga unidade monetária portuguesa e brasileira. (Plural: réis.)


não ter real
[Informal]   [Informal]  Estar desprovido de dinheiro.

Plural: reais.Plural: reais.
Confrontar: rial.

re·al re·al 3


(alteração de arraial)
nome masculino

[Antigo]   [Antigo]  O mesmo que arraial.

Confrontar: rial.
pub

Parecidas

Palavras vizinhas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


É correcta a frase As PME's enfrentam dificuldades? Existe plural de PALOP e de TIC?
A flexão das siglas e dos acrónimos coloca frequentemente dúvidas aos utilizadores da língua, assim como a flexão das abreviaturas e dos símbolos. Neste contexto, é útil esclarecer cada um destes termos, para poder obter uma resposta coerente às dúvidas sobre flexão em número.

Uma sigla é um conjunto formado pelas letras iniciais de várias palavras (ex.: PME = Pequena e Média Empresa), usado como uma única palavra pela soletração das letras que o compõem (ex.: P = [pe], M = [Èmi], E = [È]); como tal, pode também corresponder ao plural de uma ou mais dessas palavras, sem que as iniciais se alterem (ex.: EUA, por exemplo, é uma sigla que corresponde a um plural, Estados Unidos da América, sem que seja necessário uma marca dessa flexão). Por este motivo, não haverá razão lógica para acrescentar um esse (-s) às siglas referidas: deverá escrever-se os CD (os Compact Discs) ou as PME (as Pequenas e Médias Empresas).

Um acrónimo é um conjunto formado pelas letras iniciais de várias palavras (ex.: EPAL), usado como uma única palavra e pronunciado não pela soletração de cada uma das letras, como as siglas, mas de forma contínua, como um nome comum (ex.: EPAL lê-se [È'pal] e não [Èpea'Èli]). Assim, pelo mesmo motivo apontado para as siglas, deverá escrever-se os PALOP (os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) ou as TIC (as Tecnologias de Informação e Comunicação). Ainda em relação aos acrónimos, deve dizer-se que estes se transformam por vezes em nomes comuns (ex.: sida < Síndrome de Imunodeficiência Adquirida, cedê < CD < Compact Disc), obedecendo às regras gerais de ortografia e assumindo então as regras gerais de flexão (ex.: A sida em África é diferente das outras sidas?; Comprou vários cedês.).

Uma abreviatura corresponde a uma letra ou a um conjunto de letras que faz parte de uma palavra e a representa na escrita (ex.: Dr. < Doutor), mas que não tem em geral um correspondente fonético (a abreviatura Dr. ler-se-á doutor e não como [dri] ou com soletração das letras [de'ÈRi]), sendo que muitas vezes estas abreviaturas admitem as marcas de flexão, entendendo-se que constituem abreviaturas de palavras diferentes (ex.: Dr.ª, Dr.as).

Um símbolo corresponde a uma letra ou a um conjunto de letras que estabelece, geralmente por convenção, uma relação de correspondência com uma unidade de medida (km = quilómetro(s); V = volt(s); Y = ítrio) ou um conceito (cos = cosseno, SO = sudoeste), não havendo geralmente um correspondente fonético (ex.: V ler-se-á volt), nem marcação de flexão (ex.: corrente de 220V ler-se-á volts), pois trata-se muitas vezes de símbolos estabelecidos internacionalmente ou com um valor bastante difundido, nomeadamente em áreas científicas, e têm de ser únicos e unívocos.

No caso das siglas, acrónimos e abreviaturas, é muito usual o uso das marcas de flexão em alguns casos, nomeadamente com adjunção de -s no final (ex.: PMEs). Tal uso, não sendo proscrito pelas regras de ortografia portuguesa (o acordo ortográfico em vigor é omisso nesse aspecto), carece de motivo lógico, como acima foi defendido e obrigaria, por exemplo, no caso de se considerar que se trata de uma aplicação das regras gerais de flexão, a adaptações ortográficas no caso de siglas ou acrónimos terminados em consoantes (ex.: PALOPes).

O apóstrofo ou a plica antecedendo o -s (ex.: *PME’s) não deverá ser usado, pois não é um mecanismo de flexão da língua portuguesa.




Como se escreve e porquê: compraste ou compras-te? comoveste ou comoves-te?
A questão que nos coloca diz respeito à diferença entre 1) a forma da segunda pessoa do singular do pretérito perfeito simples do indicativo (ex.: Tu compraste muitas prendas ontem; Comoveste a senhora com a tua história) e 2) a forma da segunda pessoa do singular do presente do indicativo, seguida do pronome pessoal átono reflexo te (ex.: Tu compras-te sempre tantas prendas?; Comoves-te facilmente com qualquer filme).

Os exemplos acima indicados (compraste/compras-te e comoveste/comoves-te) são formas parónimas, isto é, escrevem-se e pronunciam-se de forma semelhante (mas não igual), tendo, porém, significados diferentes.

Uma estratégia importante para empregar correctamente estas formas diferentes é analisar o contexto em que estão inseridas. Vejamos então os contextos do indicativo de 1) e do pronome pessoal de 2):

1) O pretérito perfeito simples do indicativo é um tempo verbal usado para expor uma acção, um processo ou um estado num tempo passado acabado. Trata-se sempre, nestes casos, de uma palavra só, pois corresponde apenas a uma forma verbal (ex.: tu compraste [alguma coisa]; tu comoveste [alguém]). Do ponto de vista da pronúncia, estas formas verbais têm sempre o acento tónico da palavra na penúltima sílaba (ex.: compraste, comoveste). A construção de uma frase negativa não altera a grafia desta forma (ex.: Tu nunca compraste o jornal; tu não comoveste a audiência).

2) A forma da segunda pessoa do singular do presente do indicativo seguida do pronome pessoal reflexo te corresponde sempre a duas palavras, um verbo no presente do indicativo e um pronome pessoal da segunda pessoa, que indica que a acção recai sobre o sujeito (ex.: tu compras-te [para ti próprio] muitas prendas; tu comoves-te [a ti próprio]). Do ponto de vista da pronúncia, a forma verbal tem sempre o acento tónico na penúltima sílaba (ex.: compras, comoves), mas como há um pronome pessoal átono a seguir, é como se a construção verbo+pronome fosse uma palavra só, acentuada sempre na antepenúltima sílaba (ex.: compras-te, comoves-te). A construção de uma frase negativa altera a grafia desta forma, pois o advérbio de negação atrai o pronome para posição pré-verbal (ex.: Tu não te compras muitas prendas; tu nunca te comoves).

pub

Palavra do dia

or·ni·to·fi·li·a or·ni·to·fi·li·a


(ornito- + -filia)
nome feminino

1. Interesse, geralmente amador, pela observação e pelo estudo das aves.

2. [Botânica]   [Botânica]  Polinização das flores feita por aves.

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/Reais [consultado em 15-05-2021]