Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

Gostas-te

2ª pess. sing. pres. ind. de gostargostar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

gos·tar gos·tar

- ConjugarConjugar

(latim gusto, -are, provar)
verbo transitivo

1. Achar bom gosto a (ex.: não gosto de cerveja). = APRECIAR

2. Ter prazer em ver ou em sentir (ex.: gostou do filme?).

3. Achar-se ou dar-se bem.

4. Ter inclinação.

5. Ter por hábito. = USAR

6. Simpatizar.

7. Provar.

8. Ter satisfação em.

verbo transitivo e pronominal

9. Ter afeição. = ESTIMAR


AntónimoAntônimo Geral: DETESTAR, EXECRAR, ODIAR

Confrontar: gustar.

Ver também resposta à dúvida: regência dos verbos gostar e querer.
pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "Gostas-te" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Esta palavra em blogues

Ver mais

. Além de que tu gostas dele, desse teu povo que não te compreende e te regurgita cada vez que tentas fazer parte dele mas ao qual reconheces qualidades (e não és o único, de passagem seja dito)». Algumas pessoas são porreiras e outras não, como os pimentos de Padrón. Não tem nada a ver com os

Em Don Vivo

vendo as entrelinhas e lendo as reais intenções por trás de cada ação e comentário. Aceitar filha, que não gostas da tua mãe, é a maior dor de todas... Sabes o que estou a passar. Sabes que esta fase da minha vida está bem pior que algum dia esteve. Sabes o sofrimento. Conheces de perto a injustiça e o

Em A Vida Para Além De Ti

, APÒS UM DIA DE TRABALHO BEM CANSATIVO , QUANDO O MEU MARIDO TELEFONOU : UM CLIENTE CHINÊS PARTIA NO DIA SEGUINTE PARA HONG KONG E CONVIDÁVA-NOS PARA JANTAR . - " SEI QUE NÃO GOSTAS MAS TEM QUE SER . É O VOYOU E ESTÁ COM A MULHER NO RITZ ás 8 E MEIA : VESTI ESTE FATO E LÁ FUI . UM JANTAR INESQUECÍVEL

Em Reencontros

amigo do bronze, não do smartphone Claro que gostas de te bronzear e apanhar banhos de sol na praia para chegares ao final das férias com aquela cor de fazer inveja aos amigos. Só que o teu smartphone não gosta muito dessas experiências. Evita a exposição ao sol durante muito tempo e, se houver uma

Em www.appsdoandroid.com

que isto é sempre difícil, porque podes estar um ano a trabalhar numa coisa e, no dia seguinte, vais ouvir e já não gostas e mudarias. Mas é um bocadinho a ideia de que o tempo não é um limitador. E, para mim, isso faz com que uma peça demore um ano a ser escrita ou demore dois meses. Há peças que não

Em Tupiniquim
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Em expressões como não análise, não excedente, não conhecimento, não aceitação, não provimento, etc., quando deve ser utilizado, ou não, o hífen?
A utilização do hífen em casos semelhantes aos apresentados é possível e até muito usual.

A palavra não, por se tratar de um advérbio, é uma palavra invariável usada geralmente para modificar um verbo (ex.: não comi), um adjectivo (ex.: pessoa não competente), outro advérbio (ex.: agindo não eficazmente) ou uma frase (ex.: não podemos deixar-nos adormecer) mas em geral não modifica substantivos. Por este motivo, é comum ligar este advérbio por hífen a um substantivo que se lhe segue, mas tal procedimento não é obrigatório, nem é regulado por qualquer indicação nos textos legais em vigor para a língua portuguesa.

O que é dito sobre o hífen no Acordo Ortográfico de 1945 (válido para o português europeu, mas muito semelhante ao que é dito no Formulário Ortográfico de 1943, válido para o português do Brasil) é bastante vago e nada esclarecedor sobre este assunto: “Emprega-se o hífen nos compostos em que entram, foneticamente distintos (e, portanto, com acentos gráficos, se os têm à parte), dois ou mais substantivos, ligados ou não por preposição ou outro elemento, um substantivo e um adjectivo, um adjectivo e um substantivo, dois adjectivos ou um adjectivo e um substantivo com valor adjectivo, uma forma verbal e um substantivo, duas formas verbais, ou ainda outras combinações de palavras, e em que o conjunto dos elementos, mantida a noção da composição, forma um sentido único ou uma aderência de sentidos.” (Base XXVIII [sublinhado nosso]).

O Acordo Ortográfico de 1990 não altera nada a este respeito.

O uso do hífen coloca então muitas dúvidas aos utilizadores da língua, pois não obedece geralmente a critérios lógicos, mas antes a convenções e muitas vezes é justificado devido à tradição de registo em dicionários de língua que funcionam como referência. Neste âmbito, surgem em muitos dicionários entradas com o elemento não- seguido de adjectivos, substantivos e verbos, mas como, em teoria, qualquer palavra de uma destas classes poderia ser modificada pelo advérbio não, o registo de todas as formas possíveis seria impraticável e de muito pouca utilidade para o consulente.

Em conclusão, podemos afirmar que o uso do hífen é possível para ligar o advérbio não a um substantivo; o uso do hífen para ligar o advérbio não a classes que são habitualmente modificadas por advérbios (verbos, adjectivos, advérbios) parece ser desnecessário, dadas as características da classe adverbial, mas nada o impede.




Gostaria de saber se existe alguma regra de fonética para o plural de palavras tais como: fogo, poço, jogo... É que eu fui ensinado a pronunciar: fógos, póços, jógos... ao invés de fôgos, pôços, jôgos... (os acentos estão só como indicadores de fonética). É que recentemente tenho ouvido alguns jornalistas pronunciar estas palavras com entoação "ô"...? Agradecia que me esclarecessem esta dúvida.
Não existe oficialmente nenhuma regra fonética em português que dê conta da alternância vocálica entre o singular e o plural de palavras como fogo, poço, jogo, contorno, despojo, esforço, imposto, ovo, tijolo, troço.

As gramáticas e os prontuários incluem estas palavras em listas de vocábulos cuja vogal tónica, no singular, é o o fechado /ô/ mas que no plural se transforma em o aberto /ó/. Há, no entanto, muitos casos em que o singular e o plural mantêm o mesmo o fechado, como por exemplo acordo(s) /ô/, gosto(s) /ô/ ou sopro(s) /ô/ (pode encontrar mais exemplos na Nova Gramática do Português Contemporâneo, de Celso Cunha e Lindley Cintra, p. 184). Essas listas são relativamente extensas e difíceis de memorizar, o que pode estar na origem de dúvidas relativas à pronúncia desses termos.

Na sua Moderna Gramática Portuguesa (p. 124), Evanildo Bechara afirma que se tem recorrido à etimologia latina desses termos e ao paralelismo com a língua espanhola para desfazer hesitações de pronúncia, mas que tal não esclarece todas as dúvidas.

No artigo "Histórias de O", Ernesto d'Andrade faz a revisão de vários estudos desta alternância em português e fornece uma análise mais técnica, com base fonológica, deste fenómeno.

O Dicionário Priberam da Língua Portuguesa contém indicações de pronúncia, tanto no singular, quanto no plural dessas palavras.

pub

Palavra do dia

za·gai·ar za·gai·ar

- ConjugarConjugar

(zagaia + -ar)
verbo transitivo

1. Arremessar zagaia, tipo de lança curta.

2. Ferir ou matar com esse tipo de lança.

verbo transitivo e intransitivo

3. [Pesca]   [Pesca]  Pescar com zagaia, tipo de engodo artificial.

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/Gostas-te [consultado em 27-09-2021]