PT
BR
Pesquisar
Definições



sobre-

A forma sobre-pode ser[nome masculino], [prefixo] ou [preposição].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
sobre1sobre1
|sô| |sô|
( so·bre

so·bre

)


preposição

1. Em cima de; por cima de; na parte superior de.

2. Atrás de.

3. Próximo de.

4. Acerca de.

5. Para o lado de.

6. Conforme.

7. Entre.

8. Contra.

9. Tirante a, quase.

10. Com penhor de, em nome de.


nome masculino

11. [Náutica] [Náutica] Qualquer vela das mais altas do navio, mas inferior aos sobrinhos.

12. [Brasil] [Brasil] [Ornitologia] [Ornitologia] Saliência triangular sobre as vértebras inferiores das aves e da qual nascem as penas da cauda. = SOBRECU, UROPÍGIO

etimologiaOrigem etimológica:latim super, em cima, por cima.
Confrontar: sob.
sobre2sobre2
|sô| |sô|
( so·bre

so·bre

)


nome masculino

[Ornitologia] [Ornitologia] Saliência triangular por cima das vértebras inferiores das aves e da qual nascem as penas da cauda. = SOBRECU, UROPÍGIO

etimologiaOrigem etimológica:redução de sobrecu.
sobre-sobre-


prefixo

Elemento que traduz a ideia de posição superior, por cima (ex.: sobrecapa; sobrevigiar).

etimologiaOrigem etimológica:latim super, em cima, por cima.
Nota: É seguido de hífen quando o segundo elemento começa por h (ex.: sobre-humano). Quando é seguido de r ou s, a consoante é duplicada (ex.: sobrerrenal, sobressaia).

Auxiliares de tradução

Traduzir "sobre-" para: Espanhol Francês Inglês


Dúvidas linguísticas



Como se deve dizer? Filhó (singular) Filhós (plural) ou Filhós (singular) Filhoses (plural)?
A palavra filhós, por analogia com palavras terminadas pelo mesmo som (ex.: retrós, voz), forma o plural filhoses (ex.: escolheu a filhós mais pequena; as filhoses ainda estão quentes). Trata-se de uma variante da palavra filhó que, por sua vez, forma o plural filhós (ex.: a filhó é um doce típico do Natal; comeu duas filhós). Ao processo de uma forma plural passar a ser empregue para designar também o singular, Evanildo Bechara dá o nome de "plural cumulativo" (ver Moderna Gramática Portuguesa, Rio de Janeiro: Editora Lucerna, 2002, pp. 128-129). O mesmo fenómeno acontece com os substantivos ilhó e ilhós, eiró e eirós, lilá e lilás, por exemplo.

Apesar de alguns autores condenarem o uso da forma filhós para designar o singular, a mesma e o respectivo plural filhoses surgem atestados nas principais obras lexicográficas de língua portuguesa, como o Vocabulário da Língua Portuguesa (Coimbra: Coimbra Editora, 1966), de Rebelo Gonçalves, o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa (Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa / Editorial Verbo, 2001) ou o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, (Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2001 / Lisboa: Círculo de Leitores, 2002).




Tenho informações de que a palavra adequar é verbo defectivo e portanto, dizer "eu adequo" estaria errado por não existir esta conjugação.
Nem sempre há consenso entre os gramáticos quanto à defectividade de um dado verbo. É o que acontece no presente caso: o Dicionário Aurélio Eletrônico, por exemplo, regista o verbo adequar como defectivo, conjugando-o apenas parcialmente, enquanto o Dicionário Eletrônico Houaiss conjuga o verbo em todas as suas formas. A este respeito convém talvez transcrever o que diz Rebelo Gonçalves (que conjuga igualmente o referido verbo em todas as formas) no seu Vocabulário da Língua Portuguesa (1966: p. xxx):

"3. Indicando a conjugação de verbos defectivos, incluímos nela, donde a onde, formas que teoricamente podem suprir as que a esses verbos normalmente faltam. Critério defensável, parece-nos, porque não custa admitir, em certos casos, que esta ou aquela forma, hipotética hoje, venha a ser real amanhã; e, desde que bem estruturada, serve de antecipado remédio a possíveis inexactidões."

A defectividade verbal ocorre geralmente por razões de pronúncia (por exemplo, para não permitir sequências sonoras estranhas ou desagradáveis ao ouvido dos falantes como *coloro em “Eu coloro com tinta verde.” [leia-se: “Eu estou a colorir com tinta verde” / “Eu estou colorindo com tinta verde”]) ou por razões de significado (nem sempre a ideia transmitida pelo verbo é passível de ser expressa por todas as pessoas gramaticais). No entanto, convém ter em mente, como afirma Rebelo Gonçalves, que o termo (no caso, uma forma verbal) que hoje não passa de uma hipótese, futuramente poderá ser uma realidade.

No caso em análise, será correcta uma frase como "eu adequo a minha linguagem ao público a que me dirijo".