PT
BR
Pesquisar
Definições



simplesmente

A forma simplesmentepode ser [derivação de simplessimples] ou [advérbio].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
simplesmentesimplesmente
( sim·ples·men·te

sim·ples·men·te

)


advérbio

1. Sem grandes recursos ou posses; com pouco dinheiro (ex.: as pessoas da aldeia eram pobres e viviam muito simplesmente). = MODESTAMENTE, PARCAMENTE

2. Sem ostentação; de maneira comum (ex.: a candidata estava vestida simplesmente, mas com bom gosto). = MODESTAMENTEVISTOSAMENTE

3. De modo fácil, simples (ex.: resumiu o livro o mais simplesmente possível). = FACILMENTECOMPLICADAMENTE, CONFUSAMENTE

4. De modo restrito ou exclusivo (ex.: não aceitou a proposta simplesmente porque não concordou com os termos do contrato; ele podia simplesmente responder à questão e não fazer comentários). = APENAS, MERAMENTE, SOMENTE, UNICAMENTE

5. Usa-se para dar valor enfático ou de intensidade (ex.: o passeio de barco foi simplesmente desastroso; o público simplesmente adorou a peça). = PURA E SIMPLESMENTE

6. Usa-se para indicar restrição (ex.: gosto muito do vestido, simplesmente não posso gastar tanto dinheiro) ou oposição (ex.: o jogador estava preparado para falar, simplesmente o clube não deixou que ele fosse entrevistado).


pura e simplesmente

Usa-se para dar valor enfático ou de intensidade (ex.: o filme é, pura e simplesmente, brilhante; o defesa não chegou a tempo, pura e simplesmente). = SIMPLESMENTE

etimologiaOrigem etimológica:simples + -mente.
simplessimples
( sim·ples

sim·ples

)


adjectivo de dois géneros e de dois númerosadjetivo de dois géneros e de dois números

1. Que não resulta da junção de vários elementos ou de várias partes; que tem apenas um elemento ou constituinte. = INCOMPLEXO, SINGELOCOMPLEXO, COMPOSTO

2. Que se faz ou resolve com facilidade; que não implica dificuldade (ex.: era um brinquedo muito simples de construir). = DESCOMPLICADO, FÁCIL, ELEMENTARCOMPLEXO, COMPLICADO, DIFÍCIL

3. Que não tem muitos ornatos ou enfeites (ex.: decoração simples). = DESPOJADO, DESPRETENSIOSO, DISCRETO, SINGELOPESADO

4. Que não demonstra luxo ou ostentação (ex.: os pais levavam uma vida simples). = HUMILDE, MODESTO, SÓBRIOFAUSTOSO, LUXUOSO

5. De fácil interpretação ou que não tem muitos significados (ex.: discurso simples; gesto simples). = CLAROCOMPLEXO, ENIGMÁTICO, OBSCURO

6. Que não tem misturas (ex.: prefere o licor simples ou com gelo?). = NATURAL, PURO

7. Que é aquilo que aparenta; que mostra naturalidade (ex.: pessoa simples). = GENUÍNO, NATURAL, PURO

8. Que não tem outras interpretações, especificações ou complexidades; que não é mais do que aquilo que é (ex.: era mais do que um simples coleccionar de experiências; tudo começou por uma simples coincidência). [Usa-se geralmente antes de nome.] = MERO, PURO

9. Que não tem nada que o faça destacar ou distinguir (ex.: eu sou um simples trabalhador). [Usa-se geralmente antes de nome.] = COMUM, MERO, NORMAL, ORDINÁRIO, TRIVIAL, VULGAREXTRAORDINÁRIO, INCOMUM

10. Que mostra ingenuidade ou credulidade; que não tem malícia. = CÂNDIDO, CRÉDULO, INGÉNUO, INOCENTE, SINGELOESPERTO, LADINO, MALICIOSO

11. [Botânica] [Botânica] Que não tem o limbo dividido (ex.: folhas simples).COMPOSTO

12. [Gramática] [Gramática] Que se conjuga sem um verbo auxiliar (ex.: futuro simples; tempo simples).COMPOSTO

13. [Linguística] [Lingüística] [Linguística] Que tem apenas um núcleo ou uma oração (ex.: frase simples; sujeito simples).COMPOSTO


nome de dois géneros e de dois números

14. Pessoa humilde ou ignorante.

15. [Informal] [Informal] [Construção] [Construção] Armação, geralmente de madeira, para molde e suporte na construção de arco ou abóbada. = CIMBRE

vistoSuperlativo: simplicíssimo.
etimologiaOrigem etimológica:latim simplex, -icis, que não é duplo, singelo, só, único, que não é complicado, sincero.
iconSuperlativo: simplicíssimo.

Auxiliares de tradução

Traduzir "simplesmente" para: Espanhol Francês Inglês


Dúvidas linguísticas



Quanto a comparações de inigualdade, ou seja, de superioridade ou de inferioridade, existirá uma regra absoluta para decifrar se se usa que ou do que ou ambas estarão correctas em qualquer expressão dessa estrutura? Para um falante em que o Português não é a primeira língua, seria bastante útil. Incluo as seguintes expressões para vossa análise: 1) O castelo é mais antigo que a igreja. 2) Hoje as laranjas estão menos baratas que as maçãs. 3) Nós compramos mais livros que vendemos. 4) O Paulo é mais grande do que gordo. 5a) O João tem mais de um carro. b) O João tem mais dum carro. c) O João tem mais do que um carro. d) O João tem mais que um carro.
As frases de 1) a 5) apresentam diferentes construções de comparativos relativos de superioridade e de inferioridade.

Em português, é possível formar os graus comparativos de superioridade e de inferioridade dos adjectivos usando os advérbios mais e menos seguidos da locução do que (ex.: o castelo é mais antigo do que a igreja; a igreja é menos antiga do que o castelo), podendo haver omissão da contracção da preposição de com o pronome demonstrativo invariável o (ex.: o castelo é mais antigo que a igreja; a igreja é menos antiga que o castelo). Esta construção aplica-se às frases apontadas em 1), 2) e 4).

Na frase 3) está presente um comparativo de superioridade relativo a um substantivo (ex.: nós compramos mais livros [do] que vendemos), sendo nesse caso a palavra mais um determinante indefinido.

A frase de 4) é um exemplo de uso correcto da construção mais grande, que, como afirmam Celso Cunha e Lindley Cintra na Nova Gramática do Português Contemporâneo (Lisboa, Edições João Sá da Costa, 14.ª ed., 1998, p. 262), só se considera correcta quando é usada para confrontar duas qualidades do mesmo elemento.

Relativamente às frases em 5), trata-se de uma comparação (de superioridade) de quantidade relativamente a um numeral (um). Neste tipo de comparação é possível uma construção análoga àquela usada para exprimir o grau comparativo do adjectivo, isto é, a estrutura mais (do) que seguida do numeral e de um substantivo, como nas frases 5c) e 5d). Alternativamente, é possível ainda utilizar as construções presentes em 5a) e 5b), que correspondem à locução comparativa mais de seguida de numeral e que diferem apenas na contracção (de + um = dum).

Para além destas quatro construções comparativas, é ainda possível estabelecer comparativos antes de verbos (ex.: consegue ver mais ao longe [do] que ao perto), de advérbios (ex.: põe esse quadro mais acima [do] que este) ou de preposições (ex.: o gato passa mais por aqui [do] que por ali).




Em palavras como emagrecer e engordar as terminações -er e -ar são sufixos ou desinências verbais de infinitivo? Se são o último caso, essas palavras não podem ser consideradas derivações parassintéticas...ou podem?
As terminações verbais -er e -ar são compostas pela junção de -e- (vogal temática da 2.ª conjugação) ou -a- (vogal temática da 1.ª conjugação), respectivamente, à desinência de infinitivo -r. Destas duas terminações, apenas -ar corresponde a um sufixo, pois no português actual usa-se -ar para formar novos verbos a partir de outras palavras, normalmente de adjectivos ou de substantivos, mas não se usa -er. Apesar de os sufixos de verbalização serem sobretudo da primeira conjugação (ex.: -ear em sortear, -ejar em relampaguejar, -izar em modernizar, -icar em adocicar, -entar em aviventar), há alguns sufixos verbais da segunda conjugação, como -ecer. Este sufixo não entra na formação do verbo emagrecer, mas entra na etimologia de outros verbos formados por sufixação (ex.: escurecer, favorecer, fortalecer, obscurecer, robustecer, vermelhecer) ou por prefixação e sufixação simultâneas (ex.: abastecer, abolorecer, amadurecer, empobrecer, engrandecer, esclarecer).

Dos verbos que menciona, apenas engordar pode ser claramente considerado derivação parassintética, uma vez que resulta de prefixação e sufixação simultâneas: en- + gord(o) + -ar. O verbo emagrecer deriva do latim emacrescere e não da aposição de prefixo e sufixo ao adjectivo magro.