Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
mineteminete | s. m.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

mi·ne·te |ê| mi·ne·te |ê|
(francês minet, gatinho)
substantivo masculino

[Calão]   [Tabuísmo]  Prática sexual que consiste em estimular os órgãos sexuais femininos com a boca ou com a língua. = CUNILÍNGUA

pub

Parecidas

Palavras vizinhas

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


Tenho um conjunto de dúvidas do dicionário técnico sobre a forma de escrita das palavras: microrrechupe ou micro rechupe; sobreaquecimento ou sobre aquecimento; sobreespessura ou sobre espessura; hipereutéctico ou hiper eutéctico?
De acordo com a tradição lexicográfica, o prefixo micro- aglutina-se sempre ao elemento que se lhe segue (ex.: microeconomia, microfilme, microonda). Quando esse elemento começa por r ou s, verifica-se a duplicação dessas letras (ex.: microrradiografia, microssismo). Logo, a forma correcta é microrrechupe.

De acordo com a base XXIX do Acordo Ortográfico de 1945, o prefixo sobre- só é seguido de hífen quando o elemento que se lhe segue começa por h (ex.: sobre-humano). No caso de o elemento começar por r ou s, verifica-se, tal como no prefixo micro-, a duplicação dessas letras (ex.: sobrerrosado, sobressair). Nos restantes casos, o prefixo aglutina-se ao elemento imediato (ex.: sobreeminente, sobredente). Sendo assim, as formas correctas são sobreaquecimento e sobreespessura. No entanto, com a aplicação do Acordo Ortográfico de 1990, e segundo o disposto na Base XVI, 1.º, alínea b), utiliza-se o hífen “nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo termina na mesma vogal com que se inicia o segundo elemento”, pelo que passa a escrever-se sobre-espessura.

Quanto ao prefixo hiper-, ele é seguido de hífen quando o elemento seguinte começa por h ou r (ex.: hiper-hedonismo, hiper-realismo). Nos restantes casos aglutina-se (ex.: hiperácido, hipersensível). A forma correcta é por isso hipereutéctico.




1. Como deve ser a concordância sujeito-predicado para nomes como os Camarões, as ilhas Maurícias, etc.? Deve o verbo estar no singular ou no plural?
2. No caso de países cujo nome começa com a palavra ilha ou ilhas, a primeira letra destas duas palavras deve grafar-se com maiúscula ou com minúscula? Ou seja, deve escrever-se Ilhas Maurícias ou ilhas Maurícias, por exemplo?
1. O verbo deve sempre concordar em número e pessoa com o sujeito, caso ele exista. Como, neste caso, o sujeito é plural (os Camarões), o verbo deverá estar igualmente no plural (ex.: Os Camarões são um Estado africano). No entanto, caso decidisse pelo uso de um precedente que designasse a organização política desse Estado, o verbo teria de concordar com essa designação e não com o nome do topónimo propriamente dito (ex.: A república dos Camarões situa-se no continente africano).

2. O Acordo Ortográfico de 1990 não se pronuncia explicitamente sobre esta questão, o mesmo acontecendo com o Acordo Ortográfico de 1945 e o Formulário Ortográfico de 1943, os textos legais anteriormente em vigor, respectivamente, para a norma europeia e para a norma brasileira do português.

Sobre esta questão, Rebelo Gonçalves pronuncia-se no seu Tratado de Ortografia da Língua Portuguesa (Coimbra: Atlântida, 1947, pp. 337-339), dizendo que se emprega minúscula inicial “Nos substantivos que significam  acidentes geográficos, tais como arquipélago, baía, cabo, ilha, lago, mar, monte, península, rio, serra, vale e tantos outros, quando seguidos de designações que os especificam toponimicamente". O autor lista como exemplos arquipélago dos Açores, baía de Guanabara, ilha da Madeira, ilhas Berlengas, ilha Terceira, mar Mediterrâneo ou monte Branco, entre outros.  Nesta regra inserir-se-ia o topónimo ilhas Maurícias, uma vez que a palavra ilhas, neste caso, apenas indica as características geográficas das Maurícias (designação comum da República da Maurícia, em português de Portugal, ou República do Maurício, em português do Brasil). Rebelo Gonçalves especifica algumas excepções a esta regra, quando, por exemplo, se utilizam topónimos em nomes de vias públicas (Rua da Ilha do Faial e não Rua da ilha do Faial) ou em títulos de obras (Tragicomédia Pastoril da Serra da Estrela e não Tragicomédia Pastoril da serra da Estrela). Estabelece ainda outra excepção quando se trata de combinações vocabulares que formam  locuções ou compostos toponímicos, i. e., locuções de onde não se pode omitir o substantivo que designa o acidente geográfico (ex.: Península Ibérica, Costa do Ouro, Monte Redondo, Serra de El-Rei).

Como foi referido acima, o Acordo Ortográfico de 1990 não se debruça explicitamente sobre esta questão, mas, implicitamente, parece não contrariar as indicações de Rebelo Gonçalves, uma vez que, a propósito de outros assuntos, o texto apresenta exemplos como “ilha de Santiago” (Base XVIII) ou o composto toponímico “Baía de Todos-os-Santos” (Base XV).

pub

Palavra do dia

no·mar·qui·a no·mar·qui·a
(grego nomarkhía, -as)
substantivo feminino

1. Governo de um nomo ou de divisão administrativa no antigo Egipto.

2. Dignidade de nomarca.

3. Divisão administrativa da Grécia contemporânea.


SinónimoSinônimo Geral: NOMARCADO

Confrontar: monarquia.
pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2020, https://dicionario.priberam.org/minete [consultado em 29-01-2020]