Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

gazetear

gazeteargazetear | v. tr. e intr.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

ga·ze·te·ar ga·ze·te·ar

- ConjugarConjugar

(gazeta + -ear)
verbo transitivo e intransitivo

Faltar às aulas ou a obrigação para se divertir; fazer gazeta. = GAZEAR

pub

Parecidas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Esta palavra em blogues

Ver mais

Na terça –feira de manhã ficou a gazetear trabalhar em casa e à tarde foi dar aulas mas, talvez por se tratar...

Em cronicasdorochedo

...senadores – Paulo Bauer (PMDB-SC), Luiz Henrique (PMDB-SC) e Inácio Arruda (PCdoB-CE) – vão gazetear o trabalho nos primeiros onze dias de março em uma “missão oficial” organizada pela...

Em Rede Brasil de Noticias - O Point da Informação

as lições, não nos tira a liberdade de gazetear ..

Em momentoskatia

A palavra “gazeteiro”, que também significa o aluno que costuma “ gazetear ” as aulas (faltar à escola, sem o consentimento dos pais), faz relação com...

Em REIMPRENSA
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Em expressões como não análise, não excedente, não conhecimento, não aceitação, não provimento, etc., quando deve ser utilizado, ou não, o hífen?
A utilização do hífen em casos semelhantes aos apresentados é possível e até muito usual.

A palavra não, por se tratar de um advérbio, é uma palavra invariável usada geralmente para modificar um verbo (ex.: não comi), um adjectivo (ex.: pessoa não competente), outro advérbio (ex.: agindo não eficazmente) ou uma frase (ex.: não podemos deixar-nos adormecer) mas em geral não modifica substantivos. Por este motivo, é comum ligar este advérbio por hífen a um substantivo que se lhe segue, mas tal procedimento não é obrigatório, nem é regulado por qualquer indicação nos textos legais em vigor para a língua portuguesa.

O que é dito sobre o hífen no Acordo Ortográfico de 1945 (válido para o português europeu, mas muito semelhante ao que é dito no Formulário Ortográfico de 1943, válido para o português do Brasil) é bastante vago e nada esclarecedor sobre este assunto: “Emprega-se o hífen nos compostos em que entram, foneticamente distintos (e, portanto, com acentos gráficos, se os têm à parte), dois ou mais substantivos, ligados ou não por preposição ou outro elemento, um substantivo e um adjectivo, um adjectivo e um substantivo, dois adjectivos ou um adjectivo e um substantivo com valor adjectivo, uma forma verbal e um substantivo, duas formas verbais, ou ainda outras combinações de palavras, e em que o conjunto dos elementos, mantida a noção da composição, forma um sentido único ou uma aderência de sentidos.” (Base XXVIII [sublinhado nosso]).

O Acordo Ortográfico de 1990 não altera nada a este respeito.

O uso do hífen coloca então muitas dúvidas aos utilizadores da língua, pois não obedece geralmente a critérios lógicos, mas antes a convenções e muitas vezes é justificado devido à tradição de registo em dicionários de língua que funcionam como referência. Neste âmbito, surgem em muitos dicionários entradas com o elemento não- seguido de adjectivos, substantivos e verbos, mas como, em teoria, qualquer palavra de uma destas classes poderia ser modificada pelo advérbio não, o registo de todas as formas possíveis seria impraticável e de muito pouca utilidade para o consulente.

Em conclusão, podemos afirmar que o uso do hífen é possível para ligar o advérbio não a um substantivo; o uso do hífen para ligar o advérbio não a classes que são habitualmente modificadas por advérbios (verbos, adjectivos, advérbios) parece ser desnecessário, dadas as características da classe adverbial, mas nada o impede.




Como se deve escrever o nome desta localidade algarvia: Estói ou Estoi? O novo acordo ortográfico altera a escrita desta palavra?
Estói é a grafia registada no Vocabulário da Língua Portuguesa, de Rebelo Gonçalves (Coimbra: Coimbra Editora, 1966), obra que é tomada como referência principal em questões de ortografia portuguesa de norma europeia. Por outro lado, José Pedro Machado, outra grande referência para a ortografia portuguesa, no seu Grande Vocabulário da Língua Portuguesa (Lisboa: Âncora Editora, 2001) e no Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa (Lisboa: Livros Horizonte, 2003) regista a grafia Estoi, aparentemente corrigindo Rebelo Gonçalves, cujas opções respeita as mais das vezes.

Para facilitar a resposta a esta questão, pode dizer-se que a Lei n.º 32/2005, de 28 de Janeiro, alterou a denominação oficial da povoação e a freguesia de Estói, que passou a denominar-se Estoi. Esta era uma pretensão de alguns dos seus naturais e habitantes, uma vez que estes pronunciam o ditongo -oi- fechado (ôi) e não aberto (ói).

O Acordo Ortográfico de 1990 nada altera na grafia deste topónimo.

pub

Palavra do dia

za·gai·ar za·gai·ar

- ConjugarConjugar

(zagaia + -ar)
verbo transitivo

1. Arremessar zagaia, tipo de lança curta.

2. Ferir ou matar com esse tipo de lança.

verbo transitivo e intransitivo

3. [Pesca]   [Pesca]  Pescar com zagaia, tipo de engodo artificial.

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/gazetear [consultado em 27-09-2021]