Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub

embaixo

embaixoembaixo | adv.
baixobaixo | adj. | adv. | n. m. | adj. 2 g. 2 núm. n. m. | n. m. pl.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

em·bai·xo em·bai·xo


(em + baixo)
advérbio

1. [Brasil]   [Brasil]  Numa posição ou num nível inferior.EM CIMA

2. [Brasil]   [Brasil]  Em más condições, em mau estado ou sem ânimo.

3. [Brasil]   [Brasil]  Fora de serviço ou fora de funcionamento (ex.: o site está embaixo).

Nota: no português europeu, é usada a locução "em baixo".

bai·xo bai·xo


(latim tardio bassus, -a, -um, de pouca altura)
adjectivo
adjetivo

1. Que tem menos altura que a ordinária (ex.: jogador baixo; casas baixas).ALTO, GRANDE

2. Que está a pouca altura em relação ao solo ou em relação ao nível do mar (ex.: voo baixo).ALTO, ELEVADO

3. Que tem pouca profundidade (ex.: águas baixas; a margem do rio é mais baixa deste lado).ALTO, PROFUNDO

4. Que tem valores ou medidas inferiores à média ou ao que é considerado normal ou conveniente (ex.: baixas temperaturas; preço baixo; pressão arterial baixa).ALTO, EXCESSIVO

5. Que é tem um grau ou nível pouco elevado (ex.: baixa precisão; baixa qualidade; baixas profundidades; mostrou baixa consideração pelas instituições).ALTO, ELEVADO

6. Inclinado ou voltado para o chão (ex.: cabeça baixa; olhos baixos). = ABAIXADOERGUIDO

7. Que custa pouco ou implica um menor gasto. = BARATOALTO, CARO, DISPENDIOSO

8. Que tem pouco valor ou importância. = INFERIOR, IRRELEVANTE, SOMENOSESSENCIAL, IMPORTANTE, INDISPENSÁVEL, RELEVANTE

9. Que tem pouca importância numa escala hierárquica, social ou económica (ex.: baixa burguesia). = INFERIORALTO, SUPERIOR

10. Em que há menos actividade ou procura (ex.: época baixa).ALTO

11. Que provoca desprezo ou que tem poucos escrúpulos morais (ex.: atitude baixa). = DESPREZÍVEL, IGNÓBIL, INDIGNO, INFERIOR, PEQUENO, RELES, VILDIGNO, ELEVADO, NOBRE

12. Que se ouve mal ou com dificuldade (ex.: música baixa; som baixo, voz baixa). = FRACOALTO, DISTINTO, FORTE

13. Que está perto da foz (ex.: baixo Douro). = INFERIORALTO, SUPERIOR

14. Que fica mais a sul, geralmente em relação a outro local com o mesmo nome (ex.: Beira Baixa). = INFERIORALTO, SUPERIOR

15. Que fica na ou constitui a última fase de um período ou de uma realidade (ex.: baixa Idade Média). = TARDIOALTO

16. [Física]   [Física]  Que é produzido por ondas de baixa frequência lenta ou tem baixa frequência. = GRAVEAGUDO, ALTO

17. [Fonética]   [Fonética]  Que se pronuncia com o abaixamento da língua em relação a posição de descanso (ex.: [a] é uma vogal baixa).

advérbio

18. Em lugar pouco elevado ou a pouca altura do solo (ex.: voar baixo).ALTO

19. Em voz baixa (ex.: falar baixo). = BAIXINHOALTO

20. Em tom grave (ex.: cante mais baixo).ALTO

nome masculino

21. Parte inferior. = BASEALTO, CIMO, CUME

22. Local mais fundo ou situado a um nível inferior em relação a outros. = DEPRESSÃO

23. Parte do mar em que a água é pouco profunda. = BAIXIO

24. [Marinha]   [Marinha]  Parte exterior do navio abaixo da linha de água.

25. [Música]   [Música]  Nota ou som ou produzido no registo inferior de qualquer voz ou instrumento. = GRAVE

26. [Música]   [Música]  Voz ou cantor que dá as notas mais graves.

27. [Música]   [Música]  Corda de instrumento que dá sons graves.

28. [Música]   [Música]  Instrumento de cordas maior e mais grave da família do violino, tocado em posição vertical.Ver imagem = CONTRABAIXO, RABECÃO

29. [Música]   [Música]  Instrumento mais grave da família das guitarras (ex.: baixo eléctrico).Ver imagem

30. [Música]   [Música]  Pessoa que toca um desses instrumentos. = BAIXISTA

adjectivo de dois géneros e dois números e nome masculino
adjetivo de dois géneros e dois números e nome masculino

31. [Música]   [Música]  Diz-se de ou instrumento mais grave de cada família de instrumentos (ex.: guitarra baixo; o som do baixo está desafinado).


baixos
nome masculino plural

32. Piso inferior de um prédio, que muitas vezes corresponde a lojas. = RÉS-DO-CHÃO

33. Perigos, obstáculos ou dificuldades.


em baixo
[Portugal]   [Portugal]  Numa posição ou num nível inferior.EM CIMA

[Portugal]   [Portugal]  Em más condições, em mau estado ou sem ânimo. = MAL

[Portugal]   [Portugal]  Fora de serviço ou fora de funcionamento (ex.: o site está em baixo).

Nota: No português do Brasil, a locução "em baixo" escreve-se aglutinadamente, "embaixo".
pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "embaixo" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Palavras vizinhas

Anagramas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


Estou em dúvida quanto a acentuação gráfica das seguintes palavras: côa (verbo) e coa. Gostaria de saber porque uma é acentuada e a outra não e seus respectivos significados. Gostaria também de outros dois exemplos semelhantes, podem ser paroxítonas.
Na ortografia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990, nomeadamente segundo o Acordo Ortográfico de 1945, para o português europeu e segundo o Formulário Ortográfico de 1943, para o Brasil, as palavras com vogal tónica fechada homógrafas de palavras sem acentuação própria devem ser grafadas com acento circunflexo.

Assim, a palavra côa (flexão do verbo coar e nome feminino) deve escrever-se com acento circunflexo para se distinguir da contracção coa (contracção, hoje em dia pouco usual, da preposição com e do artigo definido ou pronome demonstrativo a). Esta regra aplica-se também, por exemplo, aos casos dos pares de palavras pêlo / pelo, pêra / pera e pôr / por.

As "palavras sem acentuação própria" referidas nestes textos legais correspondem geralmente a palavras gramaticais (como preposições ou contracções), que se considera serem átonas e integrarem fonologicamente a palavra que se segue (ou que antecede). Este critério parece ser deficiente, uma vez que algumas destas palavras podem ter acentuação própria (é o caso do par formado pelo advérbio e conjunção como e pela forma como do verbo comer, excluído desta regra pelo texto do Acordo Ortográfico).

A aplicação do Acordo Ortográfico de 1990, nomeadamente na Base IX, 9.º, muda estes casos, retirando-lhes o acento gráfico (à excepção do caso de pôr, que mantém o acento). Assim, deixa de haver distinção gráfica entre para e pára, pelo e pêlo, pêra e pera, etc.

Esta alteração ortográfica também se aplica a um topónimo como Foz Côa.




Acabo de reparar que nas Definições - Acordo Ortográfico de 1990 - Variedade do Português - distinguem-se duas Normas, uma Europeia e outra Brasileira. A minha pergunta é: Porque é que a norma utilizada em PORTUGAL é designada por norma europeia - que eu saiba não existe mais nenhum país na Europa cuja língua oficial seja o Português - quando a norma utilizada no Brasil é designada por norma brasileira e não sul americana?
Vejo isso como uma descriminação em relação ao país onde nasceu a língua portuguesa. Já encontrei na internet entidades, que ganham dinheiro a ensinar a língua portuguesa, a afirmar que o português falado no Brasil é mais puro do que aquele que é falado em Portugal. Duvido que as entidades brasileiras aceitassem de braços caídos que a versão da língua portuguesa que eles falam fosse designada como Norma Sul Americana.
As designações "norma europeia", "português europeu" ou "variedade europeia" não foram criadas pelo Dicionário Priberam, nem constituem qualquer discriminação, antes correspondem a conceitos terminológicos utilizados nos estudos linguísticos e no ensino do português, nomeadamente no que diz respeito à variação geográfica. As designações "europeu" e "de Portugal" ou "português" são consideradas sinónimas no contexto geral em que são usadas, da mesma forma que são usadas as designações "do Brasil" ou "brasileiro", a par de "americano" ou "sul-americano" (ainda que estas duas últimas sejam aparentemente menos utilizadas).

A título de exemplo, podemos destacar quatro casos paradigmáticos deste uso:
  • " Celso Cunha (1917-1989, linguista brasileiro) e Lindley Cintra (1925-1991, linguista português), na Nova Gramática do Português Contemporâneo (7.ª ed., Rio de Janeiro: Lexikon, 2017; 1.ª edição: Lisboa: João Sá da Costa, 1984; Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985), referem as "normas europeia e americana do português" (p. XXIV) e distinguem dentro das variedades do português, os "dialetos do português europeu", dividindo-os em setentrionais, centro-meridionais e galegos (p. 24), a par dos "dialetos das ilhas atlânticas" e dos "dialetos brasileiros".
  • " Na Introdução à Linguística Geral e Portuguesa, de Isabel Hub Faria et al. (Lisboa: Caminho, 1996), no capítulo "Variação linguística", as autoras referem que "o Português está vivo na sua variante europeia e na sua variante sul-americana, por exemplo, cada uma delas divisível em variedades linguísticas menores, numericamente inferiores, que ocupam áreas geográficas mais restritas. No entanto, todas elas partilham um conjunto de traços gramaticais que não difere substancialmente, embora o Português do Brasil tenda a seguir um rumo autónomo, divergente, na sua evolução [...]" (p. 483).
  • " Na Gramática da Língua Portuguesa, de Maria Helena Mira Mateus et al. (Lisboa: Caminho, 2003), Isabel Hub Faria refere que "em línguas com larga história de expansão mundial e de mobilidade dos seus falantes nativos, observa-se a existência de variedades que se vão progressivamente fixando e autonomizando, até ser possível caracterizá-las como variedades locais ou mesmo nacionais. É nessa perspectiva que distinguimos entre a variedade europeia do português que designamos e português europeu (PE) e variedade brasileira do português ou português brasileiro (PB)" (p. 34) [destacado a negro da autora].
  • " O Dicionário Terminológico (consultado em 2020-07-06), ferramenta do Ministério da Educação e Ciência do Governo Português para o ensino básico e secundário do português, refere-se à "variedade europeia do português", a par das "variedades africanas" e da "variedade brasileira".

Esta distinção que usa os adjectivos europeu e americano é usada também em relação a outras línguas, designadamente o espanhol ou o francês. Veja-se, a título de exemplo, as referências ao espanhol europeu no "Prólogo" da Nueva gramática de la lengua española (Madrid: Real Academia Española / Asociación de Academias de la Lengua Española, 2016): "Tiene [...] más sentido [...] mostrar separadas las opciones particulares que pueden proceder de alguna variante, sea del español americano o del europeo. [...] Al igual que se emplea en lingüística la expresión francés europeo (el de Francia, Bélgica y Suiza) para oponerlo al canadiense o al hablado en otras partes del mundo, se adopta el término de español europeo para hacer referencia al hablado en España. Como es obvio, español europeo no equivale a español peninsular, ya que solo el primero incluye los territorios insulares españoles."

As terminologias contribuem para a organização do conhecimento, nomeadamente do conhecimento técnico e científico, e os termos podem ser questionados e revistos, mas cremos que estas designações pretendem ser descritivas e não configuram qualquer juízo de valor sobre as variedades linguísticas.

pub

Palavra do dia

nhur·ro nhur·ro


(origem obscura)
adjectivo e nome masculino
adjetivo e nome masculino

1. [Portugal, Informal, Depreciativo]   [Portugal, Informal, Depreciativo]  Que ou o que é pouco inteligente. = BURROESPERTO

2. [Portugal, Informal, Depreciativo]   [Portugal, Informal, Depreciativo]  Que ou o que é muito teimoso. = CABEÇUDO, TURRÃO

nome masculino

3. [Antigo, Regional]   [Antigo, Portugal: Regionalismo]  Pataco falso.

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/embaixo [consultado em 19-06-2021]