Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

elitista

elitistaelitista | adj. 2 g. | adj. 2 g. n. 2 g.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

e·li·tis·ta e·li·tis·ta


(elite + -ista)
adjectivo de dois géneros
adjetivo de dois géneros

1. Relativo a elitismo.

2. Que revela elitismo.

adjectivo de dois géneros e nome de dois géneros
adjetivo de dois géneros e nome de dois géneros

3. Que ou o que se considera parte de uma elite.

4. Que ou o que defende posições próprias de uma elite.

Confrontar: etilista.
pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "elitista" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Anagramas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Esta palavra em blogues

Ver mais

de que é elitista e está desligado da realidade da maioria dos britânicos, dizendo que políticos devem ser...

Em VISEU, terra de Viriato.

Feminismo é elitista ??

Em BioTerra

...poderoso das leis do jogo que lhe deram mais vitórias do que jogos na elitista modalidade Futebol PA, única

Em Camarada Choco - Um prolet

de gastos é uma medida “arbitrária e elitista ” por “cortar apenas os investimentos na vida do povo e deixar intactos os...

Em www.rafaelnemitz.com

...das nossas elites, como se costuma dizer no comentário político, mas a própria concepção elitista que temos do que devia ser a democracia e do

Em Outra Margem
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


No seguinte exemplo, o pronome do complemento directo deve vir antes ou depois do verbo?
- Já fizeste o trabalho?
- Sim, acabei de o fazer. / Sim, acabei de fazê-lo.
- Não, ainda tenho de o fazer. / Não, ainda tenho de fazê-lo.
Nas frases indicadas, as locuções verbais acabar de fazer e ter de fazer correspondem a construções em que os verbos acabar e fazer, seguidos da preposição de, são verbos auxiliares. Em geral, em locuções verbais com verbos auxiliares ou semiauxiliares (excepto com os que formam tempos verbais compostos: ex.: tem lido, foi lido), o clítico é colocado depois do verbo principal (ex.: O livro é interessante e posso lê-lo em dois dias; Ele veio visitar-me esta semana), podendo haver, menos consensualmente, colocação do clítico depois do verbo auxiliar ou semiauxiliar (ex.: O livro é interessante e posso-o ler em dois dias; Ele veio-me visitar esta semana). No entanto, quando a construção do verbo auxiliar ou semiauxiliar inclui uma preposição, especialmente de ou por, o pronome clítico pode ocorrer antes ou depois do verbo auxiliar (ex. Sim, acabei de o fazer. / Sim, acabei de fazê-lo), mas não depois do verbo auxiliar (ex. *Sim, acabei-o de fazer; o asterisco indica agramaticalidade).
Esta reflexão aplica-se também à outra frase apresentada (Não, ainda tenho de o fazer. / Não, ainda tenho de fazê-lo), mas nesse caso será ainda possível a opção Não, ainda o tenho de fazer, pois o advérbio ainda tem a propriedade de atracção do clítico (ver os casos referidos nas alíneas a) a j) da resposta posição dos clíticos).




Em português, há algum fenómeno especial com os advérbios em -mente quando vão seguidos numa frase (ou com uma conjunção no meio)? Tanto em espanhol como em catalão há um comportamento curioso, em que algum dos advérbios perde o -mente: Simple y llanamente (em espanhol, se há dois ou mais, só o último fica "completo"); Exclusivament i principal (em catalão, não é obrigatório mas, se acontece, só o último fica sem o -mente). Li que o francês e o italiano mantêm sempre o -mente. E em português?
Na coordenação de advérbios terminados em -mente, é muito usual o apagamento do sufixo -mente no primeiro advérbio (ex.: esta situação é pura e simplesmente absurda; ele é directa e indirectamente responsável por esta situação; alguns professores contribuem discreta, mas poderosamente para a formação da matriz cultural dos alunos), ou em todos menos no último, no caso de coordenações com mais do que dois (ex.: respondera leviana, mal-educada e grosseiramente). Note-se que nos casos de advérbios resultantes de adjectivos graficamente acentuados, a forma com -mente não tem acento gráfico (ex.: ele é fisicamente atraente) mas na coordenação de advérbios o advérbio reduzido retoma a forma acentuada do adjectivo (ex.: o atleta está física e mentalmente confiante).
Este procedimento, apesar de ser muito habitual e recomendado por muitas gramáticas, não é obrigatório e não invalida a coordenação de advérbios sem qualquer elisão dos sufixos (ex.: normalmente, as listas eleitorais são inteiramente ou maioritariamente compostas por cidadãos nacionais).

O fenómeno de apagamento em estruturas de coordenação não é exclusivo da coordenação de advérbios em -mente, mas acontece também em palavras com alguns prefixos ou elementos de composição prefixais (ex.: deixou de pré ou pós-datar os cheques; os alunos farão auto e heteroavaliação), embora com aceitação menos consensual. Sobre este assunto, poderá consultar o artigo "Quando meia palavra basta: Apagamento de palavras fonológicas em estruturas coordenadas", de Marina VIGÁRIO, in Ivo Castro e Inês Duarte (org.) Razões e Emoção. Miscelânea de estudos em homenagem a Maria Helena Mira Mateus. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, pp. 415-435 (versão disponível em http://labfon.letras.ulisboa.pt/SonseMelodias/Vigario2003.pdf).

pub

Palavra do dia

pi·ca·ú pi·ca·ú


(origem duvidosa)
nome masculino

[Brasil]   [Brasil]   [Ornitologia]   [Ornitologia]  Designação dada a várias aves da família dos columbídeos. = POMBA

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/elitista [consultado em 30-11-2022]