Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
coleccionismocolecionismocolecionismo | s. m.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

co·lec·ci·o·nis·mo |èç| co·le·ci·o·nis·mo |èç| co·le·ci·o·nis·mo |èç|
(latim collectio, -onis, colecção + -ismo)
substantivo masculino

Actividade de quem faz colecção de algo.


• Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990: colecionismo.
• Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990: coleccionismo.


• Grafia no Brasil: colecionismo.

• Grafia em Portugal: coleccionismo.
pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "coleccionismo" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Palavras vizinhas

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


No novo acordo ortográfico está assinalado que os axiônimos (pronomes de tratamento e expressões de reverência) só são usados com a inicial minúscula: senhor doutor Joaquim da Silva, excelentíssimo senhor, etc. Nesse item são inseridos os títulos também apesar dessa palavra nãos estar grafada no texto do acordo, só são colocados os exemplos: bacharel Mário Abrantes, cardeal Bembo. Todavia verifiquei que há estudiosos da língua, que ao comentarem o Novo Acordo Ortográfico (1990) citam que os axiônimos e títulos podem ter o uso facultativo de inicial maiúscula ou minúscula, podendo ser escritos: bacharel/Bacharel Mário Abrantes, cardeal/Cardeal Bembo, excelentíssimo senhor Augusto Barroso/ Excelentíssimo Senhor Augusto Barroso. Afinal, as iniciais dos axiônimos e títulos podem ser escritas somente com minúscula ou aceitam o uso facultativo em minúscula/maiúscula?
O Acordo Ortográfico de 1990 altera alguns usos decorrentes das disposições do Acordo Ortográfico de 1945 e do Formulário Ortográfico de 1943, os textos legais anteriormente em vigor, respectivamente, para a norma europeia e para a norma brasileira do português.

Desconhecendo os comentários dos estudiosos da língua que refere, podemos apenas indicar que, relativamente à designação de formas de tratamento ou de reverência (axiónimos), a alínea f) do ponto 1º da Base XIX do Acordo de 1990 estipula claramente que os mesmos devem ser escritos com inicial minúscula (ilustrando com os exemplos senhor doutor Joaquim da Silva, bacharel Mário Abrantes, o cardeal Bembo), como, aliás, menciona na sua mensagem. A mesma alínea ressalva a possibilidade de se usar minúscula inicial ou maiúscula inicial apenas no caso de nomes de santos ou nomes próprios ligados à religião (hagiónimos), como santa Filomena, que também pode ser grafado Santa Filomena. A Base XIX termina com a seguinte nota: “As disposições sobre os usos das minúsculas e maiúsculas não obstam a que obras especializadas observem regras próprias, provindas de códigos ou normalizações específicas (terminologias antropológica, geológica, bibliológica, botânica, zoológica, etc.), promanadas de entidades científicas ou normalizadoras reconhecidas internacionalmente.” Esta observação não parece contemplar a facultatividade de inicial minúscula ou maiúscula no caso dos axiónimos, pelo que, à luz do texto legal, os axiónimos devem ser escritos com inicial minúscula.




Eu queria, se possível, que explicassem, de uma maneira simples para que eu possa passar aos meus alunos, a diferença entre polissemia e homonímia.

De um modo resumido, podemos afirmar que a polissemia é a propriedade de uma palavra (ou locução) que tem vários sentidos, alguns dos quais relacionados entre si em maior ou menor grau. É o caso, por exemplo, da palavra aba, cujo verbete do Dicionário Priberam copiamos aqui por uma questão de clareza:

a·ba
(origem controversa)
substantivo feminino
1. Parte acessória da coisa a que está aderente.
2. Parte pendente e aderente a uma mesa para dar, quando levantada, maior superfície ao tabuleiro.
3. Cada uma das duas partes que pendem da cintura da sobrecasaca, fraque, etc.
4. Parte que rodeia exteriormente a boca do chapéu.
5. Parte da fechadura que dobra sobre o bordo do batente, formando ângulo recto com a frente.
6. Parte da espira que prende no eixo da hélice.
7. Parte inferior da encosta dos montes.
8. Carne da parte lateral que vai da mão à perna da rês.
9. Margem (de rio).
10. Fasquia que, ao longo das extremidades dos tectos de madeira, guarnece a parte superior da parede.
11. [Encadernação] Parte da capa ou sobrecapa do livro que fica dobrada para dentro, em que geralmente se escreve alguma informação ou crítica sobre o livro ou sobre o autor. = BADANA

Regra geral, os dicionários de língua optam por tratar os casos de polissemia numa só entrada, com os vários sentidos ou acepções numerados, como se pode ver acima, dando assim conta da relativa proximidade dos vários sentidos da palavra. A polissemia está presente na maior parte das palavras do léxico comum, que têm mais do que um sentido (ex: banco, casa, dia, erva, fonte, gato, haver, ilha, joelho, letra, manta, nota, obra, , quebrar, rolha, sapato, tecto, último, viagem, xadrez, zebra).

A homonímia é a relação que se estabelece entre duas ou mais palavras com origens e com significados diferentes mas que evoluíram para uma mesma forma fonológica e ortográfica. É o caso de aparcelar, por exemplo, que corresponde a duas palavras com entradas diferentes no Dicionário da Priberam:
 

a·par·ce·lar 1 - Conjugar
(a- + parcela + -ar)
verbo transitivo
Dividir ou dispor em parcelas. = PARCELAR

a·par·ce·lar 2 - Conjugar
(a- + parcel + -ar)
verbo transitivo
Encher de parcéis.

Regra geral, os dicionários de língua optam por tratar os casos de homonímia em entradas separadas e numeradas, como se pode ver acima, para dar conta do facto de que se está perante palavras diferentes, que se lêem e escrevem da mesma maneira, mas que provêm de étimos distintos e que divergem quanto ao significado. No caso de aparcelar, cada palavra só tem um sentido, mas há palavras homónimas que possuem vários sentidos ou acepções, como é o caso de cabo:

ca·bo 1
(latim capulum, -i, rabiça do arado, cabo)
substantivo masculino
1. Parte por onde se seguram ferramentas, utensílios, etc. = PEGA
2. Fio do telégrafo submarino.
3. Fio ou conjunto de fios usados para telecomunicações ou para controlo de um mecanismo.
4. Condutor eléctrico.
5. Feixe de fios entrelaçados.
6. Réstia.
7. [Marinha] Corda grossa de uma embarcação. Ver imagem = CALABRE
fiar o cabo pela ponta
• Largar a amarra por mão.

ca·bo 2
(latim caput, -itis, cabeça, ponta)
substantivo masculino
1. Pessoa que chefia ou lidera. = CABEÇA
2. Parte ou período final. = EXTREMIDADE, FIM, TERMO
3. [Geografia] Terra que sobressai da linha da costa marítima ou que forma o vértice de duas costas. = PONTA
4. [Militar] Militar que tem a primeira graduação inferior do exército ou da força aérea.
ao cabo de
• Ao fim de, no final de.
dar cabo de
• Destruir ou fazer desaparecer.
de cabo a rabo
• Do princípio até ao fim.
levar a cabo
• Executar até ao fim. = CONCLUIR

As entradas cabo1 e cabo2 acima são palavras homónimas, uma vez que partilham a mesma forma e têm significado e origem diferentes, mas cada uma delas é também uma palavra polissémica, já que possui várias acepções devidamente numeradas. O mesmo acontece com os homónimos escalar, fita, guincho, hilário, lapidar, manga, patamar, quina, raia, tachar ou vago, por exemplo.


pub

Palavra do dia

ma·ta·-sãos ma·ta·-sãos
(espanhol matasanos)
substantivo masculino de dois números

[Informal]   [Informal]  Médico ou curandeiro incompetente. = CHARLATÃO, MATA-SANOS

pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://dicionario.priberam.org/coleccionismo [consultado em 20-02-2019]