PT
BR
Pesquisar
Definições



céus

A forma céuspode ser[interjeição] ou [nome masculino].

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
céucéu
Imagem

Espaço visível acima do horizonte.


nome masculino

1. Espaço onde estão os astros. = COSMOS, FIRMAMENTO, UNIVERSO

2. Espaço visível acima do horizonte.Imagem = FIRMAMENTO

3. O infinito (no espaço).

4. Atmosfera; clima; ar.

5. [Religião] [Religião] Local da morada de Deus e para onde vão os justos, depois da morte, por oposição ao inferno. (Geralmente com inicial maiúscula.) = PARAÍSO

6. Providência divina. (Geralmente com inicial maiúscula.)

7. Estado de prazer ou de grande felicidade.

8. Parte superior, que serve como tecto, em certas coisas.

céus


interjeição

9. Expressão que indica surpresa, admiração (ex.: céus, quando é que ele se cansa?).


a céu aberto

Em recinto aberto (ex.: esgotos a céu aberto). = AO AR LIVRE

cair do céu

Chegar de improviso, mas a propósito.

de bradar aos céus

Que é injusto, revoltante ou chocante.

entre o céu e a terra

No ar.

mover céu e terra

Fazer todo o possível para conseguir algo.

sétimo céu

O máximo de bem-estar, de prazer ou de felicidade.

tocar o céu

Chegar a um ponto de perfeição ou de excelência.

etimologiaOrigem etimológica:latim caelum, -i, abóbada celeste, céu.

Auxiliares de tradução

Traduzir "céus" para: Espanhol Francês Inglês


Dúvidas linguísticas



Porque é que há uma insistência tão grande em dizer deslargar, destrocar, etc? Há alguma razão que eu desconheça? Na minha modesta opinião estas palavras são insultos à nossa bela língua portuguesa. Estarei certa?
O prefixo des-, para além de exprimir as noções de afastamento (ex.: desabafar, deslocar), negação ou privação (ex.: desacordar, desagradável), cessação (ex.: desimpedir, desacelerar) ou separação (ex.: descascar, desfolhar), é também utilizado na língua portuguesa como partícula de reforço. Assim, poderá encontrar em dicionários de português palavras como desabalar, destrocar ou desinquieto, registadas devido à sua frequência, apesar de serem geralmente aceitáveis apenas em contextos mais informais e na oralidade. O falante deverá sempre adequar a utilização destas palavras ao nível de língua apropriado.

Existem outros prefixos na língua com esta função de reforço. São os chamados prefixos protéticos, porque não acrescentam valores semânticos às palavras às quais se apõem (ex.: amostrar, assoprar).




Sou colaborador de uma empresa, na qual a maioria dos colaboradores são senhoras (mulheres) e uma percentagem muito pequena de homens. Toda a comunicação da empresa é feita no feminino. Reportei à administração esta situação pois a comunicação é toda no feminino, e o que me foi dito é que está correto, devido ao novo acordo ortográfico. Ou seja como a maioria são mulheres a comunicação é feita no feminino. Nós homens, recebemos correspondência com Querida Colaboradora e quando se dirigem aos colaboradores da empresa é sempre como Colaboradoras. A minha questão é se está ou não correto? E em que parte do acordo ortográfico isso está presente?
A situação descrita nada tem a ver com as alterações decorrentes do Acordo Ortográfico de 1990, pois apenas a ortografia da língua portuguesa é regulamentada por actos legislativos. O Acordo Ortográfico é um texto legal que regula unicamente a ortografia do português, sem pretender interferir em outras áreas da língua, como o léxico ou a sintaxe, por exemplo. Se a empresa em questão optou por se dirigir no feminino ao seu grupo de colaboradores, composto maioritariamente por senhoras, com a justificação de que se trata de algo relacionado com o novo Acordo Ortográfico, tal não está correcto.

Em português, para designar todos os elementos de um grupo de pessoas, mesmo quando o género maioritário é o feminino, é possível usar o masculino, ainda que haja só um elemento masculino (ex.: as meninas e o menino estão tão crescidos). Tal acontece porque o masculino é o género não marcado do português, considerado neutro quando não se pretende especificar nenhum género. Esta opção vem sendo progressivamente menos usada, como consequência de preocupações sociais de igualdade de género, de que a língua é um reflexo. Sendo assim, a alternativa mais aconselhável seria fazer referência aos dois géneros, como por exemplo Caro(a) colaborador(a), Caros colaboradores e colaboradoras ou ainda Caras colaboradoras e caros colaboradores.