Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

Pesquisa por "desaranhar" nas definições

desaranhar | v. tr.
    Tirar as teias de aranha a....

Dúvidas linguísticas


Se se pode dizer que o verbo ser indica uma qualidade ou um estado permanente (ex. Ele é muito doente, O mar é salgado), enquanto o verbo estar indica uma qualidade ou um estado temporário ou pontual (ex. Ele está muito doente, O mar está calmo); qual é o uso de ser e estar em situações geográficas? Devo usar o verbo ser para dizer A escola é atrás da farmácia ou A escola está atrás da farmácia?
Na expressão de localizações geográficas deverão ser usados os verbos ser (ex.: a escola é atrás da farmácia) ou ficar (ex.: a escola fica atrás da farmácia), atendendo à estabilidade ou imobilidade dessa localização. Quando se trata de seres ou coisas móveis, a localização poderá ser feita com o verbo estar (ex.: a carrinha está em frente à porta).

Assim, reiterando o que foi dito nas respostas ser e estar e ser ou estar, o verbo ser implica qualidade ou situação que não depende de determinada(s) circunstância(s), ao contrário de estar, que implica uma eventualidade conhecida do falante.




Para a pergunta: Viu-nos na praia de Tróia? há 2 respostas possíveis: Vi-os ou Vi-vos. Qual a diferença e porquê?
As duas respostas apontadas para a pergunta correspondem a dois tratamentos diferentes. Em vi-os trata-se do pronome pessoal o (a, os ,as) usado para indicar a pessoa a quem o emissor se dirige, quando há tratamento por você ou tratamento por o senhor, a senhora (vi-os será então equivalente a ‘vi os senhores’ ou ‘vi vocês’). Em vi-vos trata-se do pronome pessoal vos usado para indicar a pessoa a quem o emissor se dirige, quando há tratamento por vocês ou tratamento por vós (vi-vos será então equivalente a ‘vi vocês’ ou ‘vi vós’).

No português europeu, as formas de tratamento por você (ou afins, como nos exemplos o senhor não pode passar; o João pode fechar a janela, por favor?; o professor desculpe, mas está enganado) criam muitas incongruências e são por vezes pouco claras para os falantes. Por um lado, estas formas de tratamento, como os pronomes tu ou vós, indicam a pessoa a quem o falante está a dirigir a sua mensagem, pelo que se trata semanticamente de uma segunda pessoa. Por outro lado, gramaticalmente, estas formas de tratamento obrigam ao uso da terceira pessoa (qualquer concordância com a segunda pessoa do singular ou do plural é agramatical, como se pode verificar nos exemplos antecedidos de asterisco: *o senhor não podeis passar; *o João podes fechar a janela, por favor?; *o professor desculpe, mas estás enganado). Por corresponderem gramaticalmente a uma terceira pessoa (equivalente nas concordâncias com os verbos, por exemplo, a ele ou eles), estas formas de tratamento devem, segundo alguns gramáticos, usar os pronomes clíticos de terceira pessoa (o, a os, as para complemento directo: ex.: eu vi-os; lhe ou lhes para complemento indirecto: ex.: eu entreguei-lhes) em vez do pronome vos (complemento directo: ex.: eu vi-vos e indirecto: ex.: eu entreguei-vos).

Palavra do dia

clo·ro·se |ró|clo·ro·se |ró|


(francês chlorose)
nome feminino

1. [Botânica]   [Botânica]  Amarelecimento ou branqueamento patológico das folhas ou de outros tecidos normalmente verdes de uma planta, geralmente por deficiência de nutrição (ex.: clorose matizada).

2. [Medicina]   [Medicina]  Anemia que atinge geralmente mulheres jovens, caracterizada por uma palidez amarelada ou esverdeada e excessiva fraqueza, associada a perturbações menstruais. = CLOREMIA

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/Pesquisar/desaranhar [consultado em 29-11-2022]