Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
esgrafitoesgrafito | s. m.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

es·gra·fi·to es·gra·fi·to
(italiano sgraffito)
substantivo masculino

Técnica de pintura ou desenho ornamental (a fresco) que consiste em fazer incisões com um estilete para deixar a descoberto a camada inferior de tinta, imitando baixos-relevos.

pub

Auxiliares de tradução

Traduzir "esgrafito" para: Espanhol | Francês | Inglês

Parecidas

Palavras vizinhas

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


Gostaria de saber qual a grafia correta na língua portuguesa dentre as palavras citadas: moçarela, mossarela, mozarela, muçarela, mussarela, muzarela, mozzarela, muzzarela. Acredito que seja a primeira, mas tenho alguma dúvida.
O aportuguesamento de estrangeirismos coloca muitas vezes problemas de adaptação e sistematização ortográfica.

Das variantes que refere, mozarela é o aportuguesamento mais consensual da forma italiana mozzarella, estando registado em quase todos os dicionários de língua portuguesa. Para além desta forma, encontram-se registadas no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa outras formas, também registadas em outros dicionários e vocabulários.

A forma muçarela está atestada no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Academia Brasileira de Letras (VOLP-ABL), no Dicionário Houaiss, no Dicionário Aurélio e no Dicionário Aulete. Menos consensuais são as formas moçarela (atestada no Dicionário Aurélio), mussarela (atestada no Dicionário Aulete) e muzarela (atestada no VOLP-ABL).

Pesquisas em corpora e motores de busca indicam que todas as formas diferentes de mozarela e da forma italiana mozzarella são pouco usadas no português europeu.




Queria perguntar-vos sobre a utilização de em ou no/na antes de nos referirmos a lugares. Porque dizemos no Porto mas não na Lisboa? Porque tanto se diz na França como em França? Existe alguma regra para a utilização ou não de artigo definido (e respectivas contracções) quando nos queremos referir a um local? Por exemplo: porquê dizer fui ao Funchal e não fui a Funchal?
O uso de artigos definidos (o, a os, as) antes de topónimos (isto é, nomes próprios que designam lugares geográficos) não corresponde a uma regra rígida na língua portuguesa. As indicações dadas por gramáticas e prontuários são em geral fluidas e por vezes contraditórias, pelo que as respostas a questões relacionadas com este assunto raramente podem ser peremptórias.

Na Nova Gramática do Português Contemporâneo, de Celso CUNHA e Lindley CINTRA (Lisboa, Edições João Sá da Costa, 14.ª ed., 1998, pp. 228-231), são elencadas algumas indicações para o uso ou não do artigo definido com nomes geográficos.

Preconiza-se nomeadamente o uso de artigo antes de nomes de “países, regiões, continentes, montanhas, vulcões, desertos, constelações, rios, lagos, oceanos, mares e grupos de ilhas” (ex.: a Suíça, a Escandinávia, a Europa, o Pico, o Etna, o Sara, o Centauro, o Guadiana, o Tanganica, o Índico, o Adriático, as Baleares), mas facilmente um falante se lembrará de muitos contra-exemplos para estas indicações (a própria gramática lista alguns deles: Portugal, Angola, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Macau, Timor, Andorra, Israel, São Salvador, Aragão, Castela, Leão).

Do mesmo modo se indica que não se usa geralmente o artigo definido “com os nomes de cidades, de localidades e da maioria das ilhas”, mas logo se apresentam contra-exemplos, nomeadamente os casos de nomes de cidades e localidades que derivam de um substantivo comum (a Guarda, o Porto, o Rio de Janeiro, a Figueira da Foz).

Estas indicações gerais são úteis e correspondem provavelmente à maioria dos casos, mas os muitos casos que as contrariam (é significativa a lista de excepções ou contra-exemplos que as gramáticas apresentam) tornam a decisão de empregar ou não o artigo quase dependente de cada topónimo e da experiência linguística do falante.

Há ainda casos de topónimos como Espanha, França, Itália, Inglaterra ou Chipre em que é oscilante o uso ou não de artigo (ex.: foi viver para (a) Espanha).

O topónimo Funchal é usado sobretudo precedido de artigo (ex.: viajo amanhã para o Funchal; estou no [= em + o] Funchal; vou ao [= a + o] Funchal) e poderá incluir-se na categoria de nomes de cidades ou localidades “que se formaram de substantivos comuns” (CUNHA e CINTRA, p. 230).

pub

Palavra do dia

ar·ca·no ar·ca·no
(latim arcanus, -a, -um, fechado, escondido, discreto, oculto, secreto)
adjectivo
adjetivo

1. Que encerra ou contém mistério ou segredo profundo. = ENIGMÁTICO, OCULTO, MISTERIOSO, SECRETO

2. Que é difícil de compreender.

substantivo masculino

3. Aquilo que contém uma causa oculta ou incompreensível. = ÁDITO, ENIGMA, MISTÉRIO, PENETRAIS, SEGREDO

4. Lugar secreto.

5. Remédio secreto.

6. Cada uma das cartas do tarô.

pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://dicionario.priberam.org/esgrafito [consultado em 18-11-2019]