Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
Palavra não encontrada. Se procurava uma das palavras seguintes, clique nela para consultar a sua definição.

Caso a palavra que procura não seja nenhuma das apresentadas acima, sugira-nos a sua inclusão no dicionário.
pub

Dúvidas linguísticas


Negocia ou negoceia? Em português de Portugal, a 3ª pessoa do singular do Presente do Indicativo é negocia ou negoceia? Aprendi na escola (portuguesa) e sempre disse negoceia e qual o meu espanto que aqui, na Priberam, aparece o vocábulo negocia na conjugação do verbo. Como no corrector de português de Portugal a expressão Ele negocia não apresenta erro, deduzo que as duas formas estarão correctas. Se por aqui, no Brasil, o termo usado é negocia, pergunto qual o termo que um português deve aplicar.
No português de Portugal é aceite a dupla conjugação do verbo negociar nas formas do presente do indicativo (negocio/negoceio, negocias/negoceias, negocia/negoceia, negociam/negoceiam), do presente do conjuntivo (negocie/negoceie, negocies/negoceies, negocie/negoceie, negociem/negoceiem) e do imperativo (negocia/negoceia, negocie/negoceie, negociem/negoceiem), ao contrário do português do Brasil, que apenas permite a conjugação com a vogal temática -i- e não com o ditongo -ei- (negocio, negocias, etc.).

A mesma diferença de conjugação entre as duas normas do português (europeia e brasileira) apresentam os verbos derivados de negociar (desnegociar, renegociar), bem como os verbos agenciar, cadenciar, comerciar, diligenciar, licenciar, obsequiar e premiar.




Venho por este meio pedir-lhe que me esclareça se faz favor, a dúvida seguinte. Qual a frase correcta e porquê (penso que seja a segunda mas ouço muita gente utilizar a primeira): a) Eles hadem ver o que sou capaz de fazer. ou b) Eles hão-de-ver o que sou capaz de fazer.
A construção hão-de ver corresponde a uma forma do verbo haver (usado como auxiliar para exprimir o futuro), seguida da preposição de (à qual se liga por hífen, no português europeu, por se tratar de uma forma monossilábica do verbo haver, o que acontece também com hei-de, hás-de e há-de) e do verbo ver, considerado o verbo principal da locução verbal. Por este motivo, a frase correcta é Eles hão-de ver o que sou capaz de fazer, pois não existe nenhuma forma do verbo haver que corresponda a *hadem (o asterisco assinala erro ou agramaticalidade).

Este erro é muito frequente, sobretudo na oralidade, por os falantes não terem consciência das fronteiras de palavra nem da categoria das palavras constantes em certas locuções. Assim, ao ouvir uma forma como Ele há-de ver, e sem a preocupação de decompor a locução nos seus elementos constituintes, o falante que comete este erro considera há-de como uma única palavra e atribui-lhe a categoria de verbo. Quando tem de flexionar, este falante fá-lo como se se tratasse de um verbo regular da segunda conjugação (*hader, como comer, por exemplo), isto é, ao considerar *hade como terceira pessoa do singular (se compararmos com um verbo regular seria o correspondente a come), vai conjugar na terceira pessoa do plural como *hadem (como se fosse comem). Este raciocínio será análogo para uma forma como Tu *hades ver, em que a forma *hades corresponderia a uma hipotética segunda pessoa do singular (como se fosse comes).

A Base XVII do Acordo Ortográfico de 1990 prevê a eliminação do hífen nas formas monossilábicas do verbo haver seguidas da preposição de, pelo que a frase correcta será Eles hão de ver o que sou capaz de fazer.

No português do Brasil, quer antes quer depois do Acordo de 1990, a forma correcta é "hão de", sem hífen.

Palavra do dia

no·er·gi·a no·er·gi·a
(grego nóos, noûs, mente, pensamento + grego érgon, -ou, trabalho + -ia)
substantivo feminino

[Filosofia]   [Filosofia]  Actividade ou trabalho intelectual.

pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://dicionario.priberam.org/eradications [consultado em 21-11-2019]