Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

coagmentar

coagmentarcoagmentar | v. tr.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

co·ag·men·tar co·ag·men·tar


verbo transitivo

Moldar (amassando ou aglutinando).

pub

Parecidas

Anagramas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Dúvidas linguísticas


Venho por este meio para me tirarem uma dúvida que é a seguinte: Quando uma pessoa muda de uma região para a outra, mas dentro do próprio país, como se diz? Emigrar ou Imigrar? E quando uma pessoa vai para outro país para trabalhar e para viver?
Os verbos emigrar e imigrar têm em comum o significado de migrar, e apenas diferem no ponto de vista, isto é, emigrar é "sair, temporária ou definitivamente, do seu país ou região" e imigrar é "entrar e fixar-se, periódica ou definitivamente, num outro país ou região" (o mesmo se aplica aos respectivos derivados, como emigrante/imigrante, emigração/imigração). Esta diferença deve-se ao facto de o verbo emigrar conter, já em latim, um elemento e- ou ex-, que deriva da preposição latina ex e que indica "movimento para fora", da mesma forma que o verbo imigrar contém um elemento i- ou in-, que deriva da preposição latina in e que indica "movimento para dentro".

Assim, pode dizer-se, por exemplo, que um português que vai trabalhar para o estrangeiro emigra, relativamente a Portugal (ex.: o pai dele emigrou aos 17 anos; estava a pensar emigrar para a Austrália), e imigra, relativamente ao país de acolhimento (ex.: a família imigrou e já vive neste país há uma década); da mesma forma, um estrangeiro que veio trabalhar para Portugal é imigrante neste país (ex.: os imigrantes permitem rejuvenescer a população envelhecida) e emigrante no seu país de origem (ex.: todos os meses, o emigrante envia dinheiro à família).

Como foi dito acima, qualquer um destes verbos (e ainda o verbo migrar) pode ser usado tanto para uma acção de mudança de país como de região (ex.: abandonaram o cultivo dos campos e emigraram para a cidade; imigrara vinte anos antes, vindo dos Açores).




Diz-se "vendem-se casas" ou "vende-se casas"?
Do ponto de vista exclusivamente linguístico, nenhuma das duas expressões pode ser considerada incorrecta.

Na frase Vendem-se casas, o sujeito é casas e o verbo, seguido de um pronome se apassivante, concorda com o sujeito. Esta frase é equivalente a casas são vendidas.

Na frase Vende-se casas, o sujeito indeterminado está representado pelo pronome pessoal se, com o qual o verbo concorda. Esta frase é equivalente a alguém vende casas.

Esta segunda estrutura está correcta e é equivalente a outras estruturas muito frequentes na língua com um sujeito indeterminado (ex.: não se come mal naquele restaurante; trabalhou-se pouco esta semana), apesar de ser desaconselhada por alguns gramáticos, sem contudo haver argumentos sólidos para tal condenação. Veja-se, por exemplo, a Nova Gramática do Português Contemporâneo, de Celso CUNHA e Lindley CINTRA [Edições Sá da Costa, 1984, 14ª ed., pp. 308-309], onde se pode ler “Em frases do tipo: Vendem-se casas. Compram-se móveis. considera-se casas e móveis os sujeitos das formas verbais vendem e compram, razão por que na linguagem cuidada se evita deixar o verbo no singular”.

pub

Palavra do dia

con·ge·ni·al con·ge·ni·al


(con- + genial)
adjectivo de dois géneros
adjetivo de dois géneros

1. Conforme ao génio ou à índole de alguém ou de alguma coisa (ex.: era a rebeldia congenial da adolescência). = INERENTE

2. Próprio por natureza; que vem desde o nascimento (ex.: sentimentos congeniais; virtude congenial). = CONATO, CONGÉNITO, INATO, INGÉNITO, NATO, NATURAL

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/coagmentar [consultado em 02-12-2021]