Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

autocatálise

autocatáliseautocatálise | n. f.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

au·to·ca·tá·li·se au·to·ca·tá·li·se


(auto- + catálise)
nome feminino

[Química]   [Química]  Catálise mantida por um ou mais compostos formados durante essa reacção.

pub

Parecidas

Esta palavra no dicionário

Ver mais

Esta palavra em blogues

Ver mais

, pela autocatálise ..

Em Desafiando a Nomenklatura Científica

2 Autocatálise : é um tipo de reação na qual um dos produtos formados atua como...

Em th4n0.blogs.sapo.tl

ser os preços praticados, quanto mais baixos os preços (estamos num mundo quase sem marcas) mais se vende (os clientes abdicam da sua individualidade e massificam a sua preferência pelo acesso a um bem mais barato) e, quanto mais se vende mais se produz... é um ciclo virtuoso, uma auto-catálise de

Em Balanced Scorecard

competitivo? No volume ou no valor? Pois!!! . Por isso, não conhecem a competição pelo valor, não lidam com ela, é um fenómeno de auto-catálise negativa. . Depois: "“o mesmo consumidor poderá efectuar diferentes opções em função da sua percepção do valor acrescentado da marca ou produto, incorporando nas duas

Em Balanced Scorecard
Blogues do SAPO

Dúvidas linguísticas


Gostaria de saber se é correto pronunciar o -x- da palavra sexta-feira, ou será se[s]ta-feira?
A palavra sexta-feira tem pronúncias diferentes no português europeu e no português do Brasil. Assim, no português europeu, o -x- de sexta é geralmente pronunciado como o -ch- de chá); no português do Brasil, a pronúncia mais usual desse -x- é como o s- de saco.



Nota-se hoje alguma tendência para se inutilizar as regras do discurso indirecto. Nos textos jornalísticos sobretudo, hoje quase que ninguém mais respeita os comandos gramáticos regedores do discurso indirecto. Muitos inclusive argumentam tratar-se de normas "ultrapassadas". Daí vermos frequentemente frases do tipo O ministro X prometeu que o seu governo vai/irá cumprir os prazos/irá cumprir, ao invés de ia/iria cumprir, como manda a Gramática conhecida até hoje. De que lado estará então a correcção? Ou seja, as normas do discurso indirecto enunciadas nas diferentes gramáticas ainda valem ou deixaram de valer?
As chamadas regras para transformar o discurso directo em discurso indirecto mantêm-se, e têm na Nova Gramática do Português Contemporâneo (14.ª ed., Lisboa: Edições Sá da Costa, 1998, pp. 629-637) uma sistematização bastante completa.
No entanto, o discurso indirecto livre parece estar a ser cada vez mais usado na imprensa, consciente ou inconscientemente.

Esta forma de discurso é muito usada na oralidade e em textos literários que pretendem diminuir a distância entre o narrador e o discurso relatado e tem como característica exactamente a fusão do discurso directo com o discurso indirecto.
Disso é exemplo a frase apontada (O ministro X prometeu que o seu governo vai/irá cumprir os prazos), em que o início tem claramente características de discurso indirecto, como o enunciado na 3.ª pessoa (O ministro X prometeu) ou a oração subordinada integrante dependente de um verbo que indica declaração ou afirmação (prometeu que), e a segunda parte tem claramente características de discurso directo, como o tempo verbal no presente ou no futuro (o seu governo vai/irá cumprir) em vez de no pretérito imperfeito ou no condicional, como seria normal no discurso indirecto (o seu governo ia/iria cumprir).

Para melhor exemplificar a noção de discurso indirecto livre, por contraste com o discurso directo e com o discurso indirecto, colocamos as três frases a seguir.

Discurso directo: O meu governo vai cumprir os prazos.
Discurso indirecto: O ministro X prometeu que o seu governo ia cumprir os prazos.
Discurso indirecto livre: O ministro X prometeu que o seu governo vai cumprir os prazos.

pub

Palavra do dia

ha·ma·drí·a·de ha·ma·drí·a·de


(latim hamadryas, -adis, do grego hamadruás, -ádos, ninfa dos bosques)
nome feminino

1. [Mitologia]   [Mitologia]  Ninfa dos bosques que nascia e morria com uma árvore que lhe estava votada e na qual estava encerrada.

nome masculino

2. [Zoologia]   [Zoologia]  Espécie de babuíno (Papio hamadryas), cujo macho adulto tem cerca de 70 centímetros de comprimento (sem incluir a cauda), encontrado na região do Corno de África e na Península Arábica. = BABUÍNO-SAGRADO


SinónimoSinônimo Geral: HAMADRÍADA

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/autocat%C3%A1lise [consultado em 09-08-2022]