Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
masc. sing. part. pass. de acaçaparacaçapar
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

a·ca·ça·par a·ca·ça·par - ConjugarConjugar
(a- + caçapo + -ar)
verbo transitivo e pronominal

1. Assemelhar(-se) a caçapo. = BAIXAR, ENCOLHER

verbo transitivo, intransitivo e pronominal

2. Tornar(-se) mais baixo. = ABAIXAR, ACHATARLEVANTAR

3. Pôr(-se) de cócoras ou encolhido. = AGACHAR, ENCOLHERERGUER

4. [Figurado]   [Figurado]  Esconder(-se), agachando(-se).

pub

Parecidas

Palavras vizinhas

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


De acordo com as regras de colocação pronominal, usa-se próclise após advérbios e ênclise após gerúndios, sem o EM. Sendo assim, como ficaria a frase: quase o arrastando ou quase arrastando-o?
No português de Portugal, se não houver algo que atraia o clítico para outra posição, a posição padrão é a ênclise, isto é, a colocação do clítico depois do verbo (ex.: Ele arrastou-o).

Para o português do Brasil, a posição padrão é a próclise, isto é, a colocação do clítico antes do verbo (ex.: Ele o arrastou).

Tanto na norma de Portugal, como na norma do Brasil, a maioria dos advérbios e das preposições têm a propriedade de atrair o clítico, motivo pelo qual, com a utilização do gerúndio antecedido da preposição em ou do advérbio quase, o clítico é habitualmente colocado antes da forma verbal (ex.: em o arrastando; quase o arrastando).




Como devo escrever: veio-me visitar ou veio visitar-me? E qual a construção mais correcta: porque ando a lê-lo ou porque o ando a ler (um livro)?
A dúvida que nos coloca diz respeito à posição dos clíticos. Sobre este assunto em geral, deve consultar outras dúvidas já respondidas: posição dos clíticos e mesóclise. No entanto, a frase que nos envia coloca uma questão não tratada nesses textos: a colocação dos clíticos em tempos compostos, construídos geralmente com os auxiliares ter ou haver e o particípio passado, na voz activa (ex.: Tinha oferecido um livro à mãe), e com o auxiliar ser e o particípio passado, na voz passiva (ex.: O livro foi oferecido à mãe) ou em locuções verbais construídas com um verbo auxiliar ou semiauxilar conjugado e um verbo principal no infinitivo ou no gerúndio (ex.: Foi visitar o doente; Anda lendo muitos livros).

Nos casos em que há um tempo composto, se não houver um contexto que atraia o clítico (ex.: Não o tinha oferecido à mãe; por favor, consultar as alíneas a) a j) da resposta posição dos clíticos), este deverá ser colocado depois do verbo auxiliar (ex.: Tinha-o oferecido à mãe; Tinha-lhe oferecido o livro; Tinha-lho oferecido; O livro foi-lhe oferecido).

Nos casos em que há uma locução verbal construída por um verbo auxiliar ou semiauxilar e um verbo principal, o caso parece um pouco mais complexo, essencialmente por causa do estatuto de verbo auxiliar.

Se não houver um contexto que atraia o clítico (por favor, consultar as alíneas a) a j) da resposta posição dos clíticos), este será normalmente colocado depois do verbo principal (ex.: O livro é interessante e ando a lê‑lo/ando lendo-o há dois dias; Ele veio visitar-me esta semana). No entanto, nos casos referidos nas alíneas a) a j) da resposta posição dos clíticos, o clítico poderá estar antes do verbo auxiliar ou semiauxiliar (ex.: Nenhum aluno o anda a ler; Sei que ele me veio visitar esta semana) ou depois do verbo principal (ex.: Nenhum aluno anda a lê-lo; Sei que ele não veio visitar-me esta semana). Isto acontece provavelmente porque estas construções contêm um verbo considerado auxiliar ou semiauxiliar, mas que mantém ainda algumas características de verbo pleno, logo, o clítico tanto pode deslocar-se para antes da locução verbal (à semelhança do que acontece nos tempos compostos construídos com um verbo puramente auxiliar, como se se tratasse de um só verbo) como pode manter-se ligado ao verbo principal, de que depende semanticamente.

Em alguns casos, algumas destas construções assumem o comportamento dos verbos auxiliares dos tempos compostos (ex.: Veio-me visitar logo que pôde; O livro é enfadonho, mas ele anda-o a ler), não sendo, contudo, estruturas consensuais.

pub

Palavra do dia

su·bóp·ti·mo |ót| su·bó·ti·mo su·bó·ti·mo
(latim optimus, -a, -um, superlativo de bonus, -a, -um, bom)
adjectivo
adjetivo

Que não atinge a mais alta qualidade; que corresponde a um padrão abaixo de óptimo (ex.: o desempenho ainda está num nível subóptimo).


• Grafia alterada pelo Acordo Ortográfico de 1990: subótimo.
• Grafia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990: subóptimo.


• Grafia no Brasil: subótimo.

• Grafia em Portugal: subóptimo.
pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://dicionario.priberam.org/aca%C3%A7apado [consultado em 27-06-2019]