Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub

pub
policéfalopolicéfalo | adj.
Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!

po·li·cé·fa·lo po·li·cé·fa·lo
(grego polukéfalos, -ou)
adjectivo
adjetivo

Que tem muitas cabeças (ex.: monstro policéfalo; organização policéfala).

pub

Parecidas

Palavras vizinhas

Esta palavra em blogues

Ver mais
Blogues do SAPO

Esta palavra no Twitter

Dúvidas linguísticas


A palavra "bué" foi ou não aceite na Língua Portuguesa?
Não há nenhuma instituição ou entidade que possa aceitar ou não uma palavra na língua ou determinar o que é aceite. A partir do momento em que uma palavra é utilizada, sobretudo por um número elevado de falantes e com larga difusão geográfica, passa a ser um facto linguístico e cabe ao utilizador da língua decidir acerca da sua utilização ou não, consoante o seu conhecimento linguístico, a situação em que se encontra e o uso próprio que ele faz da língua. Mesmo os chamados erros ou o desrespeito por determinadas regras não deixam de ser factos linguísticos e de fazer parte da língua; se o falante tiver conhecimento de que se trata de um erro, pode é optar por o utilizar ou não.

Em relação à palavra bué, não é de um erro que se trata, mas de um advérbio e pronome que faz parte de um registo mais informal da língua, muitas vezes denominado calão, mas cujas fronteiras são difíceis de definir. Como outras palavras deste nível de língua, é considerado normal ou seu uso em contextos informais, sendo desaconselhado ou desadequado em situações mais formais.

A eventual dicionarização de palavras de nível informal (o registo de bué no Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa em 2001 foi, de alguma forma, polémico) não torna uma palavra aceite ou não, pois faz parte do conhecimento linguístico dos falantes saber em que situação usar determinado nível de língua. O uso de níveis de língua diferentes está relacionado com o conhecimento das situações de comunicação e dos códigos de conduta social, que passa também pela utilização da língua (um exemplo claro deste conhecimento é o uso dos chamados palavrões, ou tabuísmos, cuja utilização em determinadas situações é considerada altamente reprovável).





Ouve-se em certos telejornais expressões como a cujo ou em cujo; contudo gostaria de saber se gramaticalmente a palavra cujo pode ser antecedida de preposição.
O uso do pronome relativo cujo, equivalente à expressão do qual, pode ser antecedido de preposição em contextos que o justifiquem, nomeadamente quando a regência de alguma palavra ou locução a tal obrigue. Nas frases abaixo podemos verificar que o pronome está correctamente empregue antecedido de várias preposições (e não apenas a ou em) seleccionadas por determinadas palavras (nos exemplos de 1 e 2) ou na construção de adjuntos adverbiais (nos exemplos de 3 e 4):

1) O aluno faltou a alguns exames. O aluno reprovou nas disciplinas a cujo exame faltou. (=O aluno reprovou nas disciplinas ao exame das quais faltou);
2) Não haverá recurso da decisão. Os casos serão julgados pelo tribunal, de cuja decisão não haverá recurso. (=Os casos serão julgados pelo tribunal, dadecisão do qual não haverá recurso);
4) Houve danos em algumas casas. Os moradores em cujas casas houve danos foram indemnizados. (=Os moradores nas casas dos quais houve danos foram indemnizados);
5) Exige-se grande responsabilidade para o exercício desta profissão. Esta é uma profissão para cujo exercício se exige grande responsabilidade. (=Esta é uma profissão para o exercício da qual se exige grande responsabilidade).

pub

Palavra do dia

a·lu·nar a·lu·nar - ConjugarConjugar
(a- latim luna, -ae, lua + -ar)
verbo intransitivo

1. Pousar na Lua.

2. Tomar contacto com o solo lunar.

pub

Mais pesquisadas do dia

Siga-nos



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, https://dicionario.priberam.org/polic%C3%A9falo [consultado em 20-07-2019]