PT
BR
Pesquisar
Definições



aflar

Sabia que? Pode consultar o significado de qualquer palavra abaixo com um clique. Experimente!
aflaraflar
( a·flar

a·flar

)
Conjugação:regular.
Particípio:regular.


verbo transitivo

1. Soprar, bafejar.

2. [Figurado] [Figurado] Inspirar.

3. [Antigo] [Antigo] Achar.

Anagramas



Dúvidas linguísticas


Gostaria que me explicassem se a palavra secados (plural de secado) existe. Se a resposta for sim, porque não a encontro em nenhum dicionário?
O verbo secar tem duplo particípio passado: secado e seco. Nos verbos em que este fenómeno acontece, o particípio regular (ex.: secado) é geralmente usado com os auxiliares ter e haver para formar tempos compostos (ex.: a roupa já tinha secado; havia secado a loiça com um pano) e as formas do particípio irregular (ex.: seco, seca, secos, secas) são usadas maioritariamente com os auxiliares ser e estar para formar a voz passiva (ex.: a loiça foi seca com um pano; a roupa estava seca pelo vento) e assumem mais facilmente o papel adjectival (ex.: este bolo ficou demasiado seco). Por este motivo, é usual não haver flexão do particípio regular, pois este não é geralmente usado como adjectivo, não flexionando em género, número ou grau (ex.: *secada, *secados, *secadas; *muito secado; o asterisco indica agramaticalidade).

Estas considerações, tomadas da gramática tradicional, têm no entanto muitas excepções, o que evidencia a problemática da questão e a ausência de respostas peremptórias para certas questões linguísticas. A título de exemplo, podemos referir que há verbos cujo particípio abundante não é consensual (com resoluto e resolvido, por exemplo, não é claro se o primeiro é particípio irregular de resolver ou adjectivo cognato; relativamente ao verbo ganhar não é unânime a existência do particípio ganhado a par de ganho); há verbos cujo particípio regular, ao contrário de secado, também tem uso adjectival (ex.: confundido, empregado); há até indicações de alguns gramáticos para diferenças de utilização dos dois particípios baseadas em critérios semânticos e não sintácticos (por exemplo, Cunha e Cintra, na Nova Gramática do Português Contemporâneo [Lisboa: Ed. João Sá da Costa, 1998, p. 442], sugerem que o verbo imprimir só tem duplo particípio quando significa ‘estampar, gravar’, com o exemplo Este livro foi impresso em Portugal, e não quando significa ‘imprimir movimento’, com o exemplo Foi imprimida enorme velocidade ao carro).




Gostaria de saber qual ou quais destas frases é que estão correctas a nível da colocação das vírgulas: A - O João prometeu que saía connosco e quando chegou o dia cumpriu o prometido. B - O João prometeu que saía connosco e , quando chegou o dia combinado cumpriu a promessa. C - O João prometeu que saía connosco e, quando chegou o dia combinado, cumpriu a promessa.
A vírgula funciona essencialmente como um marcador lógico e discursivo na frase (sobre este assunto, consulte também a resposta vírgula antes da conjunção e). Por este motivo é necessário, quando se reflecte sobre a pontuação, fazer uma explicitação de critérios lógicos e discursivos para a sua utilização.

Em cada uma das frases apresentadas, estamos perante quatro orações. Há uma estrutura de duas orações coordenadas através da conjunção e ([1]O João prometeu [2]e cumpriu o prometido/a promessa) e de cada uma dessas orações depende uma oração subordinada. Da oração [1] depende uma oração subordinada substantiva integrante ([1a]que saía connosco), que nunca será dela separada por vírgula, por se tratar de um complemento obrigatório do verbo (equivalente a O João prometeu a saída). Da oração [2] depende uma oração subordinada adverbial temporal ([2a]quando chegou o dia combinado) e é em relação a esta oração que se coloca o problema de pontuação.
Na frase A (O João prometeu que saía connosco e quando chegou o dia cumpriu o prometido.), verifica-se a ausência dos marcadores de pontuação que dão conta da estrutura frásica acima referida. Como aconselham algumas gramáticas (cf. CUNHA e CINTRA, Nova Gramática do Português Contemporâneo, 14.ª ed., Lisboa, Ed. Sá da Costa, 1998, p. 645), as orações subordinadas adverbiais devem surgir isoladas do resto da frase, separadas por vírgula se se encontrarem no início ou no final da frase e entre vírgulas se estiverem no interior de uma outra oração, como é o caso. A referida frase A não está incorrecta, mas a utilização da pontuação como marcador do discurso revela um maior cuidado na redacção e torna mais rápida a interpretação por parte de quem lê.
A colocação das vírgulas encontra-se incorrecta na frase B (O João prometeu que saía connosco e, quando chegou o dia combinado cumpriu a promessa). Nesta frase, a colocação da vírgula depois da conjunção e (sobre a colocação da vírgula neste contexto, poderá consultar também a resposta vírgula depois da conjunção e) não se justifica excepto se se destinar a isolar a oração subordinada quando chegou o dia combinado, que está a separar duas orações coordenadas [1]O João prometeu que saía connosco e [2]cumpriu a promessa. Nesse caso, a vírgula depois da conjunção e deverá ser acompanhada de uma vírgula no final dessa oração, como acontece na frase C, que está correctamente pontuada (O João prometeu que saía connosco e, quando chegou o dia combinado, cumpriu a promessa.).