Dicionário Priberam Online de Português Contemporâneo
Dicionário Priberam da Língua Portuguesa
Este site utiliza cookies. Ao continuar no site está a consentir a sua utilização. Saiba mais...
pub
pub
pub
pub
pub

��t

Palavra não encontrada. Sugerir a inclusão no dicionário da palavra pesquisada.
pub

Dúvidas linguísticas


Na frase «O sentinela era um jovem soldado sem nome.» está correctamente aplicado o artigo definido masculino singular «O», ou deverá antes aplicar-se o artigo definido feminino «A» precedendo o nome «sentinela»? Em diferentes textos, surgem as duas diferentes formas, o que me levou a aperceber-me de uma vacilação de género; qual a preferível? E em relação a «ordenança» (enquanto soldado)?
A palavra sentinela designa, numa das suas acepções, o soldado ou, em contextos civis, a pessoa encarregada de efectuar a vigilância. Apesar de poder designar uma pessoa de sexo masculino, esta palavra surge nos dicionários como substantivo sobrecomum, registada apenas com o género feminino, à semelhança de outras palavras como criança ou pessoa. Por este motivo, será aconselhável a frase "A sentinela era um jovem soldado sem nome."

Apesar de o caso de ordenança poder parecer semelhante, o registo em dicionários confere-lhe habitualmente classificação lexical de substantivo de dois géneros, o que faz com que seja possível "O ordenança era um jovem soldado sem nome."

Esta questão varia consoante algumas especificidades lexicais de cada palavra, mas também consoante as actualizações lexicográficas feitas pelos dicionários a partir dos usos linguísticos ou de alterações sociais, culturais ou tecnológicas. O caso é porventura um pouco diferente, mas veja-se, a título de exemplo, a palavra segurança, que passou a ter, nas últimas décadas, uma acepção de substantivo de dois géneros.




Como se escreve? Eu não consigo deitar-me cedo. Eu não consigo me deitar cedo. Não consigo perceber se o não está associado ao primeiro ou segundo verbo, pois nos verbos reflexos na negativa os pronomes vêm antes do verbo.
O verbo conseguir, à semelhança de outros verbos como desejar, querer ou tentar, tem algumas propriedades análogas às de um verbo auxiliar mais típico (como o verbo ir, por exemplo). Nestes casos, este verbo forma com o verbo principal uma locução verbal, podendo o clítico estar antes do verbo auxiliar (ex.: eu não me vou deitar cedo; eu não me consigo deitar cedo) ou depois do verbo principal (ex.: eu não vou deitar-me cedo; eu não consigo deitar-me cedo). Isto acontece porque o verbo considerado auxiliar ou semiauxiliar pode formar com o verbo que o sucede uma locução verbal coesa, como se fosse um só verbo (e, nesse caso, o clítico é atraído pela partícula de negação não e desloca-se para antes da locução verbal) ou, por outro lado, o verbo conseguir pode manter algumas características de verbo pleno (e, nesse caso, o clítico me pode manter-se ligado ao verbo principal deitar, de que depende semanticamente). Nenhuma das duas construções pode ser considerada incorrecta, apesar de a segunda ser frequentemente considerada preferencial.

Nesta frase, o marcador de negação (o advérbio não) está claramente a negar o verbo conseguir e é semanticamente equivalente a "eu deito-me tarde, porque não sou capaz de me deitar cedo". Se estivesse a negar o verbo deitar-se (eu consigo não me deitar cedo), teria um valor semântico diferente, equivalente a "eu sou capaz de me deitar tarde", devendo nesse caso o clítico estar colocado antes do verbo deitar.

Palavra do dia

ul·tra·con·ge·la·ção ul·tra·con·ge·la·ção


(ultra- + congelação)
nome feminino

Processo de congelação a uma temperatura muito baixa, geralmente inferior a 40 graus negativos, e num curto período de tempo, para melhor conservar características físicas e químicas (ex.: ultracongelação do pescado).

pub

Mais pesquisadas do dia



in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2021, https://dicionario.priberam.org/%C3%AF%C2%BF%C2%BD%C3%AF%C2%BF%C2%BDt [consultado em 22-09-2021]